Do ponto de vista histórico, margem de vitória de Obama não foi tão surpreendente

Uma das muitas formas nas quais a eleição de Barack Obama se diferenciou das outras eleições à presidência recentes foi como no final o resultado não dependeu apenas de um Estado.

The New York Times |

O acréscimo na quinta-feira dos votos da Carolina do Norte (um Estado que não votava no partido democrata desde Jimmy Carter em 1976) elevou Obama a um total de 364, bem acima dos 270 necessários para a presidência e dos 162 conquistados pelo senador John McCain.

O total do Colégio Eleitoral de 2008 ainda não é conhecido por causa do Missouri, que tem 11 votos, e o Segundo Distrito Congressional de Nebrasca, que tem um. (Nebrasca e Maine são os únicos dois Estado que não distribuem seus votos de acordo com o vencedor.)


Vitória de Obama não foi "esmagadora" / AP

Então como os 364 de Obama, que podem chegar a 376, ficam em relação ao histórico nacional?

"Essa é uma vitória normal", disse John C. Fortier, pesquisador do Instituto de Americano de Empreendimentos, que editou "After the People Vote: A Guide to the Electoral College" (Depois do Voto do Povo: Um Guia do Colégio Eleitoral, em tradução livre). Fortier qualificou a conquista como respeitável e sólida.

Desta vez, não houve rancores como em 2004, quando os democratas poderiam ter ganho caso houvessem conquistado Ohio. Certamente nenhuma das concessões, recontagens e intervenção da Suprema Corte da eleição de 2000, que os democratas poderiam ter ganho caso houvessem conquistado a Flórida ou qualquer outro Estado.

Para um resultado realmente surpreendente, pense nos 523 votos conquistados pelo presidente Franklin D. Roosevelt em 1936 contra Alf Landon, que conseguiu apenas oito. Ou os 525 votos do presidente Ronald Reagan em 1984, quando Walter F. Mondale teve 13. Ou os 520 de Richard M. Nixon em 1972 contra 17 de George McGovern. Essas foram as margens de votos mais radicais do país.

A disputada eleição de 2000 (na qual George W. Bush conquistou 271 votos) também não foi a mais acirrada. A eleição de 1800 produziu uma disputa difícil entre Thomas Jefferson e Aaron Burr, que foi decidida pela Câmara dos Representantes. Na disputada eleição de 1876, colocada diante de uma comissão especial da Suprema Corte, Rutherford B. Hayes venceu Samuel J. Tilden por um único voto.

A vitória de Obama foi mais parecida com a de Bill Clinton em 1992, quando ele conquistou 370 votos contra 168 do presidente George Bush pai.

Por MICHAEL COOPER

Leia também:

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG