Demanda por creches 24 horas aumenta nos EUA

Serviço se adapta à situação da economia, em que pais têm jornadas mais longas ou maior número de empregos

The New York Times |

O jantar (frango e purê de batatas) já havia acabado faz tempo, os dentes estavam escovados e um empolgante jogo de Banco Imobiliário tinha chegado ao fim. Era 21h e as crianças estavam na cama embaixo de cobertores estampados com super-heróis.

Esta cena doméstica acontece todas as noites, não em uma casa de família, mas ao lado de uma oficina de automóveis chamada Tuffy, o local de uma nova creche que fica aberta 24 horas em Elyria, Ohio.

A creche noturna está lentamente se tornando indispensável devido à situação econômica do país, já que os pais estão trabalhando cada vez mais durante o dia, e alguns possuem dois empregos e aceitam turnos com horários irregulares para conseguir arcar com as despesas.

NYT
Crianças se preparam para dormir em creche de Elyria, Ohio (29/12)

"Ninguém trabalha mais de segunda a sexta-feira, das 9h as 18h", disse Tiffany Bickley, uma cozinheira cuja filha de 6 anos, Airalyn, foi matriculada recentemente na creche ABC & Me. "Ninguém.”

Aproximadamente 40% da força de trabalho dos Estados Unidos agora trabalha de alguma forma em horários irregulares, incluindo noites, fins de semana e madrugadas, de acordo com Harriet B. Presser, professora de sociologia da Universidade de Maryland. Essa faixa deve aumentar de acordo com a projeção de crescimento de empregos nas indústrias de enfermagem, varejo e alimentação, que tendem a exigir que o profissional tenha uma maior disponibilidade de horários.

Ao mesmo tempo, horas de trabalho são menos previsíveis do que eram antes. "Há uma maior variabilidade e irregularidade de horários", disse Lonnie Golden, professora de economia e estudos trabalhistas da Universidade Estadual Pensilvânia. "Em algumas pesquisas, mais e mais pessoas já não são capazes de especificar quando começa ou termina seu dia de trabalho."

No entanto, a questão dos serviços de cuidados infantis não acompanharem o ritmo da jornada de trabalho tem preocupado os pais, com muitas creches ainda mantendo um horário rígido das 8h às 18h. Experimentos com creches em horários noturnos começaram e desapareceram ao longo dos anos, mas a maioria das creches considera essa possibilidade como financeiramente insustentável.

"Você não quer deixar seu filho de 2 anos de idade em uma creche no meio da madrugada", disse Gina Adams, um membro sênior do Instituto Urbano. "Isto simplesmente não parece ser a coisa certa a se fazer."

Existem algumas indicações de que isso pode estar mudando. A Associação Nacional de Agências de Cuidados Infantis afirmou estar recebendo informações de agências associadas de que estão oferecendo mais horários não convencionais, embora tenha acrescentado que ainda não há controle deste tipo de dado.

Embora a creche 24 horas ainda seja relativamente rara, períodos noturnos já não são tão incomuns assim, de acordo com algumas creches. Donna McClintock, chefe de operações da Children’s Choice Learning Centers Inc., que opera 46 creches em todo o país, disse que a demanda por horários não convencionais tem crescido e as creches que forneceram essa opção possibilitaram grande crescimento para a empresa recentemente. Cerca de um quinto das creches da empresa adotou os horários não tradicionais nos últimos anos, explicou.

A demanda por horários alternativos tende a ser maior nos setores em que os trabalhadores fazem horários diferentes e horas não convencionais, locais como universidades, hospitais e cassinos.

"É a onda do futuro", disse Roger Neugebauer, editor da Exchange Magazine, uma revista de comércio no setor infantil. "A tendência é começar a ir além daquele horário das 9h às 17h, porque com a economia em mudança existe necessidade disso."

Em Ohio, o número de creches que oferecem horários noturnos auemntou mais da metade desde 2003, de acordo com a Associação de Creches de Ohio. Creches com horários disponíveis para a noite duplicaram e para os fins de semana quadruplicaram, embora os números absolutos continuem pequenos. Ao todo, cerca de 7% das creches licenciadas de Ohio oferecem algum tipo de cuidado noturno, disse Todd Barnhouse, diretor-executivo da associação.

Brianna Smith, que dirige a ABC & Me, disse que a demanda por esses cuidados era grande em Elyria, uma cidade que faz parte do subúrbio de Cleveland. Embora a recessão tenha atingido a região - a renda familiar média caiu cerca de 10% entre 2006 e 2009 e o desemprego aumentou para 11% em 2009 – a creche decidiu abrir 24 horas após sua inauguração em junho.

"A necessidade é grande hoje em dia", disse Smith. "Quando eu converso com os pais, a primeira coisa que me perguntam é: 'Qual é o seu horário de funcionamento?"'

Agora, a creche está cheia, literalmente, todos os dias.

Recentemente, uma avó deixou um aluno da primeira série às 4h30, antes de ir para seu turno na madrugada no Burger King. A mãe pegou o menino de três anos às 23h30 após ter terminado seu turno em um asilo. Outra mãe veio para pegar seus gêmeos de dois anos de idade por volta da 01h30, após o seu turno como faxineira de uma academia ter acabado.

Para algumas crianças, os membros da equipe da creche acabam sendo quase como pais substitutos – servindo seu jantar, os ajudando com as lições de casa, a escovar os dentes, e os colocando para dormir até que os pais venham buscá-los.

Muitos dos pais entrevistados disseram que preferiam que seus filhos estivessem em casa, mas que contratar uma babá é muito caro. A creche tem oferecido um melhor negócio.

"É realmente difícil quando eu não consigo sair no horário à noite", disse Bickley, uma cozinheira. "Não consigo dizer mais nada do que, 'Desculpe aqui está o seu abraço, agora eu tenho que levá-lo para a cama." "

Ela acrescentou: "Mas pelo menos eu sei que tudo foi organizado para mim."

Em alguns Estados, porém, o impasse econômico provocou uma queda das horas noturnas entre as creches. Com menos pessoas empregadas, existe menos necessidade destes cuidados licenciados. Child Care Aware of Kansas, uma agência que ajuda os pais a entrar em contato com os fornecedores, disse que os pedidos de cuidados noturnos tinham chegado a completar 17% das ligações feitas até 2008, mas que esse número havia caído pela metade desde então.

Ainda assim, as novas realidades da vida moderna estão impulsionando a demanda pelos cuidados dentro dessas horas incomuns. Muitas mulheres estão cursando a faculdade enquanto trabalham, prolongando o tempo que ficam longe de seus filhos. Morgan Miller, uma auxiliar de enfermagem que tem aulas três manhãs por semana, diz que essas horas, que são adicionadas a um dia de trabalho num lar de idosos, parecem uma eternidade para seu filho de três anos, Izaiah.

"Segundas, quartas e sextas-feiras, ele está vivendo na creche a maior parte do tempo", disse ela. "É difícil, mas estou fazendo o que posso para poder dar a ele uma vida melhor."

O aumento de pais solteiros também tem impulsionado a demanda. Alicia Fuerstenberg, uma mãe solteira que é garçonete no restaurante Bob Evans, disse que ficou contente ao encontrar a ABC & Me para cuidar de seu gêmeos de 8 anos de idade, Michael e Mateo, durante o período noturno. O pai de seus filhos não paga pensão alimentícia, embora às vezes fique em casa cuidando dos gêmeos. A recessão acabou com o a empresa de velas de sua mãe, obrigando-a a aceitar um emprego em uma loja da Harley Davidson e fazendo com que ela esteja menos disponível para ajudar a cuidar das crianças.

“Para mim, creches que funcionam das 6h às 18h não adiantam nada", disse Fuerstenberg, lembrando de sua busca de uma creche."Mas esses horários alternativos funcionam maravilhosamente para mim."

Por Sabrina Tavernise

    Leia tudo sobre: euacrechesempregodesemprego

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG