Delatores são mandados para hospital psiquiátrico em cidade chinesa

PEQUIM ¿ Oficiais locais da província de Shandong aparentemente acharam uma maneira eficiente de lidar com pessoas irritantes, delatores e todos os tipos de cidadãos escandalosos que ousam desafiar as autoridades: mandá-los para o hospital psiquiátrico local.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Em um relatório de investigação publicado nesta segunda-feira por um jornal do Estado, oficiais de segurança pública da cidade de Xintai, na província de Shandong estão internando residentes que persistem em fazer campanhas pessoais expondo a corrupção ou a apreensão injusta de suas propriedades. Algumas pessoas disseram que ficariam internadas até por mais de dois anos e muitos entrevistados disseram que estavam sendo medicados à força.

O artigo no Beijing News disse que a maioria dos internados foi soltos após um acordo em desistir de suas causas. Sun Fawu, 57, um fazendeiro procurando um compensação por sua terra roubada pela operação de exploração de carvão mineral, disse que foi desapropriado pelas autoridades locais quando estava a caminho de fazer uma petição ao governo central em Pequin e foi levado para o Centro de Saúde Mental de Xintai em outubro.

Durante uma estada de 20 dias, disse, ficou preso a uma cama e foi forçado a tomar pílulas e receber injeções que o deixaram dormente e confuso. Quando ele disse ao médico que era um peticionário, e não um doente mental, o médico, segundo ele, disse: Não me importa se você é doente ou não. Se você foi mandado pelo governo da cidade, eu o tratarei como um paciente de doença mental.

Em uma entrevista, o diretor do hospital, Wu Yuzhu, reconheceu que alguns dos 18 pacientes trazidos para lá pela polícia nos últimos anos não eram malucos, mas disse que ele não teve outra escolha a não ser aceitá-los. O hospital também tem suas preocupações, disse.

Os oficiais de Xintai não sentem vergonha nenhuma com a tática, e eles se gabam que hospitalizar causadores de problemas economiza dinheiro, ao invés de gastar seguindo-os até Pequim, a capital ¿ onde os oficiais da segurança local exigem dinheiro para pagar o hotel e as contas de restaurante. Há outra razão para parar os peticionários, os cidadãos discriminados que procuram a reparação nos altos níveis do governo: Eles podem provar coisas embaraçosas dos oficiais locais, especialmente se chegarem até Pequim.


Por ANDREW JACOBS

Leia mais sobre China

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG