De volta aos EUA, jovens veteranos enfrentam desemprego

Fim de guerras deve piorar situação de ex-combatentes, que têm mais dificuldade de achar emprego que outras pessoas da mesma idade

The New York Times |

No Afeganistão, o capitão Clayton Rhoden ganhava cerca de US$ 2,5 mil por mês. Agora ele mora com seus pais em Columbus, Ohio, vende seu plasma sanguíneo por US$ 80 por semana e faz qualquer bico que conseguir para a sua unidade de reservistas da Marinha.

Leia também: Últimas tropas dos EUA deixam o Iraque

NYT
Clayton Rhoden, veterano que luta contra o desemprego, joga videogame na casa dos pais em Columbus, Ohio

Rhoden, 25, é desajeitado e educado. Ele tem uma grande paixão pelos militares e é um dos muitos veteranos que, após servirem em combate, têm mais dificuldade em encontrar trabalho do que outras pessoas da sua idade. Autoridades dizem que a situação vai piorar agora que os Estados Unidos concluíram sua retirada do Iraque e que, segundo uma estimativa da Casa Branca, um milhão de veteranos devem entrar para a força de trabalho ao longo dos próximos cinco anos.

O desemprego entre os veteranos está concentrado entre os jovens e aqueles que ainda servem na Guarda Nacional ou são reservistas.

A taxa de desemprego entre os veteranos de 20 a 24 anos foi de, em média, 30% este ano, mais que o dobro dos americanos da mesma idade que não serviram - embora a taxa para os veteranos mais velhos se aproxime da dos civis.

Reservistas como Rhoden também enfrentam um cenário desolador. Em julho de 2010, a taxa de desemprego era de 21%, em comparação a 12% para os outros veteranos.

A diferença não pode ser explicada por um fator simples, como a falta de um diploma universitário - apesar da disciplina e treinamento, jovens veteranos têm um desempenho pior no mercado de trabalho do que seus pares sem diplomas.

Empregadores e veteranos parecem ver uns aos outros como espécies exóticas. Gestores, poucos dos quais têm experiência militar, podem temer os efeitos colaterais do combate ou perder os reservistas para outra convocação.

Jovens veteranos, cujo histórico de trabalho pode ser constituído inteiramente do serviço militar, muitas vezes precisam aprender noções básicas como o que vestir para uma entrevista de emprego.

O governo Obama tem defendido a maturidade dos veteranos, sua capacidade de gestão e até mesmo a sua rapidez.

Os empregadores decidiram participar e grandes empresas como JPMorgan Chase e Verizon assinaram o compromisso de contratar um total de 100 mil veteranos até 2020. Mais de 220 mil veteranos do Iraque e do Afeganistão estão fora do mercado de trabalho.

Ao longo de mais de uma década de guerra, a exigência de que as empresas devolvam aos reservistas seus antigos empregos criou um fardo pesado para as empresas, disse Ted Daywalt, que dirige o VetJobs.com na Geórgia.

"Cerca de 65% a 70% dos empregadores não contratam reservistas agora", disse ele. "Eles não podem gerir os seus negócios com alguém que pode ser levado embora em 12 meses."

Embora os empregadores normalmente perguntem sobre o status do serviço militar em entrevista de emprego, é ilegal a descriminação com base nessa informação.

Por Shaila Dewan

    Leia tudo sobre: euaguerraveteranosiraqueafeganistãoexército

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG