Da Bósnia para Estados Unidos e para o topo do Campeonato Alemão

Poucas pessoas de fora do pequeno vilarejo de Hoffenheim (população: 3.272) no sul da Alemanha ou do território bosniano em St. Louis, nos Estados Unidos, já tinha ouvido falar de Vedad Ibisevic antes do começo do Campeonato Alemão de 2008-2009.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

É como um sonho, disse Ibisevic, 24, em uma entrevista por telefone nesta terça-feira, 25. Um sonho muito bom.

O atacante de 1,89m de altura é o artilheiro do Campeonato Alemão, com uma ampla margem de 16 gols em 14 jogos, jogando para um dos mais modestos clubes entre as 18 equipes, o TSG 1899 Hoffenheim, que está em primeiro lugar.

O time, que pertence ao ex-magnata do software Dietmar Hopp, recebeu o Arminia Bielefeld, neste sábado, 29, em Mannheim, que fica a cerca de 32 quilômetros de casa, enquanto o novo estádio do clube, que terá 30 mil lugares, acaba de ser construído.

Após a partida contra o Bielefeld, que está em 14º lugar, Ibisevic e os outros jogadores, que compõem um grupo diversificado de seis países diferentes, irão se preparar para a partida de sexta contra o Bayern de Munique, time mais famoso e bem-sucedido do país, na Allianz Arena.

Ibisevic e sua família, que são muçulmanos, tomaram um caminho tranquilo desde a devastação que houve na guerra da ex-Iugoslávia, deixando os cidadãos da Bósnia e Herzegovina, em 2000, morando na Suíça por 10 meses. Eles se mudaram para St. Louis junto com milhares de refugiados bosnianos, com a ajuda de um programa da ONU.

Minha família, mãe, pai e irmã ainda estão em St. Louis e eu voltarei para lá nas férias de Natal, disse Ibisevic, referindo-se às seis semanas de férias de inverno da Campeonato Alemão, que começam na metade de dezembro.

Eu tinha 16 anos quando nos mudamos para St. Louis. Eu sabia falar o inglês que tinha aprendido na escola, mas depois descobri que não sabia nada do idioma por causa de todas as gírias usadas. Tive que começar do zero. Quando vim para St. Louis, o alemão se tornou minha segunda língua.

Foi difícil para mim no começo. Meu sonho sempre foi ser um jogador de futebol profissional, mas quando cheguei a St. Louis tudo que via era campos de baseball e de futebol americano. Eu jogava futebol onde podia, com crianças na rua, e comecei a conhecer algumas pessoas e as coisas começou a dar certo.

Em St. Louis, Ibisevic encontrou uma forte cultura de futebol, levando a tradicional e pouco conhecida Roosevelt High School a um status de conhecimento nacional, enquanto também jogava pelo Busch Soccer Club. Ele recebeu uma bolsa de estudos na Universidade de St. Louis, que tem um programa que ganhou nove títulos da National Collegiate Athletic Association (NCAA) e compartilhou mais um, mas não ganha um título desde 1973.

Em 2003, Ibisevic fez 18 gols e quatro passes para gol em 22 jogos, na única temporada em que jogou pelo Billikens. St. Louis perdeu para Maryland na final regional do torneio nacional. Ele foi nomeado como o novato do ano do NCAA e considerado um verdadeiro americano.

Naquele verão, Ibisevic foi chamado para jogar na Europa em dois amistosos pelo sub-21 da seleção da Bósnia. Vahid Halihodzic, um bosniano que é técnico do Paris St.-Germain, convenceu Ibisevic a ir para a França para um teste de adaptação de três semanas.

Ele voltou aos EUA para jogar por um time da Premier Development League (liga amadora dos EUA), da quarta divisão do campeonato, sempre pensando em seu futuro no futebol. Ele jogou em 11 partidas internacionais pela Bósnia e é parte daqueles que estão se esforçando para participar da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul.

Meus pais teriam ficado felizes se eu tivesse estudado e feito comércio exterior, disse Ibisevic. Eu era feliz em St. Louis, consegui um Green Card , mas nunca fui procurado por alguém da seleção dos EUA. Eu teria levado a proposta em consideração.

Após assinar contrato com o Paris St.-Germain, Ibivisec jogou um pouco e foi emprestado para o Dijon da segunda divisão da França. A liga francesa limita o número de jogadores estrangeiros em um único clube, então Ibisevic foi dispensado após a temporada de 2006. Ele assinou com o Alemannia Aachen da primeira divisão do Campeonato Alemão.

Eu marquei seis gols, mas o Alamannia preferiu não me manter na equipe, disse Ibisevic.

Uma cláusula no contrato permitia o Hoffenheim, então na segunda divisão, a comprá-lo por um milhão de euros (cerca de US$ 1,3 milhões).

Foi um grande risco porque, como a maioria das pessoas, eu nunca havia ouvido falar do Hoffeinheim, disse. Então eu conversei com o diretor do clube, com o treinador e o técnico e eles me mostraram todo o projeto que tinham.

Na maior parte de sua história, o Hoffenheim tem sido um pequeno clube provinciano. Quando Hopp, fundador da empresa Business Software Solutions Applications and Services (SAP), conseguiu o controle em 1990, o clube estava jogando na oitava divisão do futebol alemão. O Campeonato Alemão parecia bem distante. Mas aos poucos, o investimento de Hopp em uma academia começou a pagar seus dividendos. O clube conseguiu subir para a primeira divisão do Campeonato Alemão com Ibisevic fazendo parte dessa conquista.

Chegamos na primeira divisão do Campeonato sem saber como ficaríamos, disse Ibisevic. Estamos jogando sem pressão e estamos ganhando mais e mais confiança. As pessoas amam o jeito que jogamos futebol. Na última semana, em um jogo fora em Cologne, os fãs do adversário ficaram depois do jogo e até nos pediram autógrafos.

O Hoffeinheim, cujo técnico é Ralf Rangnick, joga de uma maneira ofensiva, com três atacantes e dois meias ofensivos. A equipe lidera o Campeonato com 37 gols e Ibisevic tem feito sucesso.

Mas sempre que um jovem artilheiro surge, os grandes clubes, particularmente da Inglaterra, começam a observar como falcões. Especialmente com a aproximação do período de transferências em janeiro.

Primeiro eu tenho que dizer que me sinto muito bem aqui, disse Ibisevic. Eu estou tentando me concentrar apenas nessa temporada. Não consigo pensar em nenhuma oferta ou no que eu vou fazer na próxima temporada. Na minha carreira, eu aprendi que é difícil planejar ou desejar algo.

Por JACK BELL

Leia mais sobre Campeonato Alemão

    Leia tudo sobre: futebol

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG