Cosméticos para homens ganham espaço no mercado americano

Diferentemente de mulheres, homens usam cosméticos para encobrir ou corrigir as imperfeições, dizem profissionais do meio

The New York Times |

Quando os cosméticos começaram a desaparecer de sua gaveta do banheiro alguns anos atrás, Gretchen Bain, que vive em Merchantville, Nova Jersey, sabia quem era o culpado. Seu marido, Jarrod.

Descobriu-se que Jarrod Bain, 34 anos, agente alfandegário de proteção da fronteira, que tem 1m90 e pesa 110 quilos – e cujo uniforme de trabalho inclui uma pistola 9 milímetros – havia desenvolvido um gosto pelo corretivo para olheiras de sua mulher. Ele também usava seus cremes hidratantes e máscaras de lama.

“A certa altura eu comecei a comprar produtos para ele porque não queria que usasse os meus”, disse Gretchen. Agora ela encomenda produtos para ele no Menaji.com, que se apresenta como uma companhia “masculina” e “discreta” de cosméticos e produtos de cuidados com a pele. Seus favoritos são o gel para olhos, o corretivo para olheiras e um pó anti-brilho em um estojo compacto.

The New York Times
Em Nova York, Jeffrey Lederer se olha no espelho depois de ter cosméticos para ir ao trabalho
“Quando você olha para ele não imagina que tenha seu próprio conjunto de produtos para homens no armário”, disse Gretchen, 40 anos, compradora de roupas da loja Lane Bryant Outlets. “Ele tem cabelos curtos em corte militar e é muito machão”.

Quer admitam ou não, mais homens estão usando cosméticos, a julgar pelo volume de vendas e o número de novos produtos que chegam nas prateleiras das lojas. Mas, por favor, não os chame de “maquiagem” – os vendedores de cosméticos se afastam do termo por achá-lo feminino demais. E os produtos usados por homens não prometem adicionar cor às pálpebras e bochechas masculinas, mas sim mascarar imperfeições como cortes de gilete e cravos.

Hidratantes

“Pensar nos cosméticos como um hábito diário dos homens pode ser um exagero”, disse Jason Chen, editor de cuidados pessoais da revista GQ, que admite que ocasionalmente usa um corretivo para manchas. Mas ele reconheceu que alguns produtos, como hidratantes que podem aperfeiçoar o tom de pele ou reduzir o brilho no rosto, estão ganhando popularidade.

“Há um pouco dessa maquiagem invísivel em voga, na qual você não necessariamente usa uma base, mas cremes que fazem esse papel também”, disse Chen.

É verdade que nem o visual de Adam Lambert, que usa rímel, nem o de Russell Brand, que opta pelo delineador, provavelmente serão adotados em breve pelo cara que conserta o seu carro. Mas o uso de produtos que corrigem a pele está em ascensão.

Os consumidores americanos gastaram US$ 4,8 bilhões em produtos de cuidados para homens em 2009, segundo a Euromonitor International, empresa de pesquisa de mercado. Em 1997, o valor era a metade disso – US$ 2,4 bilhões.

Embora as pesquisas sugiram que os homens estão passando mais tempo diante do espelho, ela não dá a imagem completa. Em geral, os cosméticos para homens são vendidos online por empresas que estão fora do radar dos pesquisadores.

Vendas online

Entre estas marcas, os negócios estão crescendo. O site Menaji.com, por exemplo, relata um aumento de 70% nas vendas online nos últimos três anos, segundo Michele Probst, maquiador que fundou a empresa há 10 anos.

“As pessoas me diziam que eu estava louco quando tive essa ideia”, disse Probst, que vive em Nashville. “Mas os homens sempre foram muito vaidosos e estas são apenas novas ferramentas para os cuidados pessoais”.

Na 4Voo, uma empresa canadense de 7 anos, as vendas triplicaram nos últimos quatro anos, segundo Marek Hewryk, o fundador. Seus produtos – todos direcionados para homens – incluem um corretivo em forma de batom chamado Confidence Corrector (US$ 34), um gel para sobrancelha com pente aplicador (US$ 23) e até mesmo um delineador invisível (US$ 19).

“As mulheres usam cosméticos para embelezar, mas os homens têm uma abordagem totalmente diferente e objetivos totalmente diferentes”, disse Hewryk, que é formado em química aplicada e biologia. “Os homens usam cosméticos, a fim de encobrir ou corrigir as imperfeições, e não para realçar a beleza”.

The New York Times
Win Tuttle segue tendência e usa maquiagem unissex, na Califórnia
Outro argumento de que os cosméticos masculinos estão com tudo: alguns homens já não têm vergonha de dizer que usam. Jeffrey Lederer, 63 anos, principal investidor em parcerias diversas e ex-banqueiro de Wall Street, usa produtos Menaji abertamente – incluindo o gel bronzeador facial Bronze Star, corretivo e pó anti-brilho – depois de seus exercícios em um clube privado de Manhattan.

“As pessoas evitam perguntar o que são esses produtos, embora eu perceba que estão interessadas”, disse Lederer. “É preciso um certo grau de auto-confiança para usá-los em público”.

Lederer, que usa ternos feitos sob medida em Milão, chama a si mesmo de uma “pessoa estética” que consegue um visual mais perfeito com cosméticos.

“À medida que envelheço, a única coisa que não quero fazer é parecer insensato, como chegar a tingir os cabelo, que eu acho que é algo mais óbvio e notório que um homem pode fazer”, disse. “Mas eu não acho que qualquer um desses produtos me tornam menos respeitável ou menos viril”.

Grandes marcas de produtos de beleza estão ouvindo homens como ele. Entre as marcas mais importantes que têm uma linha de produtos para homens estão Jean Paul Gaultier, Yves Saint Laurent e Clinique.

Um relatório de 2009 da Packaged Facts, empresa de pesquisa de mercado, expressa grandes esperanças para essa categoria de produto.

O uso difundido, porém, está longe de acontecer: “Pode levar um longo tempo, talvez uma geração, mas a maquiagem para homens – sim, maquiagem em cor para olhos, lábios, face masculinos – irá se tornar uma categoria viável, ainda que uma fração relativamente pequena em termos de dólares do varejo”.

*Por Andrew Adam Newman

    Leia tudo sobre: cosméticosmercadoeuahomensmaquiagemhidratante

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG