Consultor de McCain eventualmente é lobista

Quando o senador John McCain liderou uma investigação há três anos sobre Jack Abramoff, o desonrado lobista declarado culpado em processos de fraude, a antiga empresa de Abramoff convocou um antigo consultor da campanha de McCain para ajudar.

The New York Times |

A empresa, Greenberg Traurig, que rapidamente cortou os laços com Abramoff, contratou Randy Scheunemann, consultor de política externa da campanha de McCain em 2000 ¿ e novamente este ano ¿ para auxiliar na condução da investigação no Senado.

Depois que a Greenberg Traurig cortou os laços com o sr. Abramoff, o sr. Scheunemann aconselhou a empresa de advocacia sobre a melhor maneira de cooperar com a investigação no Senado, disse Brian Rogers, porta-voz da campanha de McCain. Isso reflete a cooperação da empresa de advocacia.

Rogers disse que acredita que Scheunemann foi contratado porque já havia trabalhado no Congresso por mais de uma década e tinha experiência com investigações, e não por causa de seus laços com McCain. Ele adicionou que Scheunemann serviu à empresa como consultor, e nunca falou com McCain sobre essas questões.  

Consultor e lobista

Desde que a Rússia invadiu a Geórgia, Scheunemann tem chamado atenção devido ao seu lobby em favor do governo georgiano; Scheunemann fez lobby pela causa até março. McCain tem sido sincero sobre seu apoio à Geórgia. Durante um vôo terça-feira a bordo do avião de campanha de McCain, Scheunemann disse aos jornalistas que McCain conhece o presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, há mais de uma década.  

Craig Holman, lobista de assuntos governamentais para a Public Citizen, uma organização em defesa do consumidor, disse que a atividade dupla de Scheunemann ¿ às vezes aconselhando o McCain candidato à presidência, às vezes fazendo lobby pelo McCain senador em favor de clientes particulares ¿ levanta uma potencial bandeira vermelha. Esse é um problema contínuo: uma pessoa que fala fluentemente como lobista e como conselheiro de candidatos, disse Holman.

A campanha de McCain impôs regras mais rígidas para administrar lobistas na primavera americana, mas vários consultores graduados foram lobistas no passado.  

Depois que o escândalo Abramoff veio à tona em 2004, a Greenberg Traurig mandou Abramoff embora, conduziu investigações internas para apurar a conduta dele, começou a trabalhar com os clientes que ele havia enganado e cooperou com inquéritos externos. Um porta-voz da empresa não respondeu ao pedido de explicações deixado no escritório na noite de quarta-feira.

McCain elogiou a cooperação da Greenberg Traurig, dizendo em notas preparadas na época da investigação que de acordo com suas obrigações profissionais, a Greenberg Traurig  e seu conselho sempre foram solícitos com os pedidos do comitê de investigação, sempre estiveram a disposição para responder aos questionamentos e sempre se portaram com dignidade e profissionalismo nessas circunstâncias adversas. 

Na semana passada, o The Atlanta Journal-Constitution reportou que Ralph Reed, ex-diretor da Coalizão Cristã e associado de Abramoff, enviou um e-mail pedindo que pessoas comparecessem a um evento para levantar fundos para McCain na próxima semana. Abramoff arranjou para que Reed recebesse milhões de dólares de grupos de índios que administram cassinos para coordenar campanhas anti-apostas contra cassinos concorrentes. 

Conselheiros da campanha de McCain disseram que Reed não tem nenhuma relação com a campanha e não é anfitrião do evento para levantar fundos para McCain.  

Leia também:


Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG