Comunistas consolidam papel de oposição na Rússia

Partido Comunista tenta convencer os russos que tem um plano para levar o país adiante e que não quer reviver a União Soviética

The New York Times |

Se alguma vez houve um momento para um retorno comunista, parece ser agora. Os comunistas foram os grandes vencedores nas recentes eleições parlamentares da Rússia , capturando quase 20% do voto popular e cimentando o seu lugar como o maior bloco de oposição do país à medida que os eleitores começaram a expressar sua exaustão com o Rússia Unida, partido do governo do primeiro-ministro Vladimir Putin.

Leia também:
- Gorbachev pede a Putin que deixe o poder
- Protesto contra eleição reúne dezenas de milhares na Rússia

NYT
Genna­di Zyuga­nov, líder do Partido Comunista russo e candidato às eleições presidenciais, durante passeata contra resultados das eleições parlamentares

Além disso, a crise financeira mundial, que derrubou governos e gerou conflitos sociais na zona do euro, tem proporcionado material de sobra contra os excessos e os males do capitalismo.

Mas ao invés de estrelar o Grande Retorno Vermelho, o líder do partido comunista russo, Gennadi A. Zyuganov, encontra-se em uma situação política complicada.

Nos últimos dias, ele criticou duramente as eleições como marcadas pela fraude , mas ao mesmo tempo realizou diversas manobras para manter as vitórias do partido nessas mesmas eleições, incluindo algumas importantes presidências de comitê na Duma, câmara baixa do Parlamento.

Ele participou dos protestos contra o governo de Putin , mas ao mesmo tempo buscou bloquear a ascensão dos reformistas liberais que lideraram os comícios denunciando-os como uma ameaça ao futuro da Rússia.

Mas a sua pirueta política mais complicada foi tentar convencer os eleitores russos de que os comunistas têm um plano real para mover o país para a frente e não simplesmente retroceder para a União Soviética .

Saiba mais:
- Acordo que pôs fim à União Soviética completa 20 anos
- Vinte anos depois do fim da URSS, muitos gostariam de voltar no tempo
- Duas décadas após o fim da União Soviética, região possui conflitos

Essa não será uma tarefa fácil, dado que a plataforma do partido é em grande parte construída sobre a nostalgia do passado e que muitos russos, não importa o quão infelizes estejam com o atual governo, parecem ter concluído que a vida é melhor em uma economia de mercado.

Leonid N. Dobrokhotov, um assessor de Zyuganov, disse que os comunistas estavam posicionados para conquistar apoio até mesmo antes das eleições incitarem a ira do público, já que a popularidade do Rússia Unida está em constante declínio.

Dobrokhotov disse que muitos aspectos do passado - um sistema de educação mais forte, habitação gratuita - agora parecem atraentes para os jovens russos.

"Talvez houvessem alguns problemas na União Soviética, mas ela era uma superpotência e as pessoas tinham uma base real para se orgulhar", disse ele.

Dobrokhotov comparou a situação atual com 1917, quando grupos de oposição díspares - liberais, bolcheviques, mencheviques - uniram forças na Revolução Russa.

"Todo mundo queria viver sem o czar, mas eles tinham ideias completamente diferente sobre o futuro", disse ele. "Ninguém gosta de Putin, mas os liberais e os comunistas têm ideias totalmente diferentes sobre o futuro."

Por David M. Herszenhorn

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG