Companhia de biotecnologia leiloa clonagem de cachorro de estimação

Uma companhia na Califórnia planeja leiloar pela internet, no próximo mês, a clonagem de cinco cachorros, com lance inicial de US$ 100 mil.

New York Times |

Os cientistas consideram os cachorros um dos animais mais difíceis de se clonar, pois têm um sistema reprodutivo biologicamente incomum, mais complicado que o dos humanos.

Mas a companhia por trás dos leilões, a BioArts International, afirma possuir a tecnologia. O projeto foi intitulado Best Friends Again (Melhores Amigos de Novo, em tradução literal), e marcou a data final dos leilões para o dia 18 de junho.

A BioArts diz ter patentes licenciadas nos anos 90, depois que pesquisadores clonaram a ovelha Dolly na Escócia.

A empresa também tem parceria com a Fundação Sooam Biotech Research, na Coréia do Sul. Um dos principais cientistas da Sooam é Hwang Woo Suk, que em 2005 esteve envolvido na clonagem de um cachorro afegão.

Em 2004 um time liderado por Hwang relatou ter clonado embriões humanos e células tronco, mas o feito não passava de uma farsa.

"Eu sei que a associação com o Dr. Hwang será algo controverso", disse Lou Hawthorne, chefe executivo da BioArts.

Mas, segundo ele, o trabalho de clonagem de cães de Hwang foi analisado independentemente. "Nossa principal preocupação é que ele seja o melhor na clonagem desse tipo de animais", disse Hawthorne.

Hawthorne foi chefe-executivo de outra companhia, a Genetic Savings & Clone, que realizou extensivas pesquisas na clonagem de cachorros, mas se concentrou mais na clonagem de gatos, que realizava por US$ 50 mil por animal.

A Genetic Savings fechou em 2006, ele disse, depois de dar "algumas caras restituições" aos clientes que pagaram para ter seus gatos clonados. "A tecnologia ainda não estava pronta", ele disse.

A BioArts começou a trabalhar no final do ano passado na clonagem de uma cadela chamada Missy, uma mistura das raças collie e husky. Missy morreu, em 2002, aos 15 anos. Hawthorne colheu amostras genéticas de Missy em 1997 e depois que ela morreu.

Um clone de Missy nasceu em dezembro, ele disse, seguido de dois outros em fevereiro. Testes realizados pelo Laboratório de Genética Veterinária na Universidade da Califórnia indicaram que os três cachorros eram clones e não apenas parentes.

Dr. Robert Lanza, líder científico do Advanced Cell Technology, uma companhia de biotecnologia que opera em Worcester, expressou preocupação quando um repórter lhe explicou o programa Best Friends Again. "Se alguém acha que vai ter o Fluffy de volta está muito enganado", ele disse. Um cachorro clonado é provavelmente um "cachorro desconhecido".

    Leia tudo sobre: clonagem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG