Como um executivo pode viver com US$500 mil ao ano?

Você ganhava bilhões. Agora mal consegue receber um mísero milhão. O que fazer?

The New York Times |

Este pensamento pode ter passado pela mente de pessoas acostumadas com muitos zeros em seus holerites depois que o presidente Barack Obama anunciou seu plano de limitar a renda de executivos que trabalham em companhias que recebam dinheiro  do pacote de resgate governamental. O plano inclui um limite dos salários para funcionários sênior em US$500 mil e novas restrições sobre outros tipos de compensações. 
Foi o suficiente para gerar a pergunta: E se o seu salário fosse limitado a US$500 mil ao ano?
Vamos analisar algumas pessoas que já ganharam mais do que isso e questionar quando foi a última vez que seu salário foi tão baixo. (Apesar de ainda ser muito dinheiro, sob qualquer ponto de vista.) E como tanto dinheiro mudou suas vidas?

"Isso me levaria de volta a 91 ou 92", disse Mary Rodas, que ganhou muito dinheiro quando era adolescente como vice-presidente de marketing da companhia que criou o Balzac, um brinquedo famoso da F.A.O. Schwarz.
Naquela época ela usava uma limousine ("Eu era nova demais para ter carteira de motorista", ela disse) e fazia sua pesquisa de mercado em uma escola particular, testando o produto em estudantes mais novos.
Ela era dona de 5% do negócio e comprou ações da Disney e General Electric. Ele afirmou que se tivesse que enfrentar um limite de US$500 mil ao seu pagamento atual como executiva corporativa, mudaria seu estilo como empreendedora. Ela se tornaria uma distribuidora, lidando com vendas ao invés de marketing. 

"Eu receberia mais dinheiro ao invés de ser limitada por ser executiva de uma corporação", disse Rodas, que agora é diretora de admissões da Faculdade de Profissões da Saúde de Nova York em Syosset. Quando foi questionada se, com seus investimentos, ainda recebe mais do que US$500 mil ao ano, ela disse: "As coisas são tão diferentes agora que isso é algo que eu não revelo mais".

Barbara Corcoran, que começou uma empresa de corretagem de imóveis em Manhattan com US$1.000, também lembrou do começo dos anos 1990, quando ultrapassou o salário de US$500 mil ao ano.

"Eu acho que no ano anterior eu recebi US$42 mil e no seguinte um milhão e pouco", ela disse. O dinheiro possibilitou a compra de novos carros para seus pais. Um Lincoln para seu pai e um Pontiac para sua mãe.

"A outra pequena diferença", segundo ela, "foi que possibilitou medidas extremas para que pudesse ter um filho". Ela passou por tratamentos de fertilização in vitro que custaram US$12 mil cada. Depois de sete tentativas, ela conta, "finalmente funcionou. Sem este dinheiro, eu nunca teria tido meu primeiro filho".

Ou o segundo, sua filha de três anos, adotada em 2005. Quanto custou? Naquela época, quatro anos depois de ter vendido sua companhia por US$70 milhões, "eu estava tão rica que nem precisei perguntar o preço", disse Corcoran.

Ela verifica com seu contador : US$62 mil.

Corcoran não precisa se preocupar com o limite de US$500 mil. Eve Pidgeon tampouco. mas ela disse que não parece um absurdo, quando se leva o valor em consideração.

"Eu aceitaria estes US$500 mil em um segundo", disse Pidgeon, porta-voz da GreenPath Debt Solutions, uma companhia de aconselhamento financeiro sem fins lucrativos. "Se eu recebesse US$500 mil ao ano, seria capaz de viver muito bem sem precisar usar cartões de crédito. Eu sei como viver dentro do que posso no meu salário de muito menos do que US$500 mil.  Eu sou feliz com o que recebo".

Eric Salazar,  gerente de grupo do GreenPath, tinha algumas ideias para a redução da equipe, ainda que o limite de US$500 mil esteja muito acima do que a maioria de seus clientes recebe.

"Algumas das coisas que eu recomendaria aos meus clientes seria, se há dois ou três carros na casa, quantos realmente são necessários? Você quer manter a casa ou os carros? Qual seria?" 

Por JAMES BARRON
Leia mais sobre salário

    Leia tudo sobre: salário

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG