Comitê de regras do partido tem um papel crucial nas esperanças de Hillary

As esperanças da senadora Hillary Clinton para a nomeação democrata podem, em grande parte, estar nas mãos do painel do Comitê Nacional Democrata, um grupo de diversos aliados, mas que não suficientes para realizar o objetivo da campanha em recontar os votos ou delegados da Flórida e de Michigan.

The New York Times |

O painel, o Comitê das Regras e Estatutos, deve se encontrar no dia 31 maio em Washington e pode determinar o processo de indicação, ou ao menos influenciá-lo diretamente. O que o comitê deverá fazer é um sinal de pergunta principal antes das últimas primárias do dia 3 de junho.

Entre os 30 membros do painel, 13 já declararam apoio a Hillary Clinton e oito ao senador Barack Obama. Outros sete são neutros ou ainda não declararam sua preferência, embora perceba-se que ao menos quatro se inclinem para a campanha de Obama. Os co-presidentes ainda não manifestaram apoio a nenhum dos candidatos.

Entre os membros está Harold Ickes Jr, conselheiro principal e chefe de contagem de delegados de Hillary. Ickes provavelmente irá argumentar em favor de Hillary, que o comitê deveria aceitar a contagem dos delegados da Flórida e Michigan. O comitê decidiu por excluir ambos os Estados por terem violado regras do partido ao anteciparem a data das primárias.

A campanha de Hillary quer os delegados com base nos votos populares partilhados por ela e Obama. Isso daria à ex-primeira dama um aumento em 47 delegados.

Isso não seria suficiente para uma liderança da candidata na contagem de delegados, porém validar tais Estados daria substância ao argumento da campanha de Hillary de que ela lidera os cálculos em voto popular. A equipe de Hillary espera convencer os superdelegados de que o voto popular é um índice válido para julgar sua força política.

A campanha afirmou que as prévias na Virgínia do Oeste na última terça-feira deram a Hillary, de acordo com alguns cálculos, uma margem geral no voto popular, caso os dados de Michigan e da Flórida fossem incluídos e alguns outros cáucus excluídos.

Este é um dos muitos fatores que influenciará os superdelegados, apontou aos repórteres o porta-voz da campanha, Howard Wolfson. Mas obviamente não é concreto.

Obama apontou se tiver delegados suficientes para sua indicação, gostaria de ver as delegações de Michigan e da Flórida na convenção. Entretanto, ele não disse como o painel de regras deveria dividir as delegações dos dois Estados caso não disponha do número necessário de delegados até a reunião do dia 31 de maio.

Sua campanha espera que a questão se torne irrelevante, e planos já estão em andamento para assegurar a indicação de Obama no dia 20 de maio, quando as prévias no Estado de Oregon podem lhe garantir a maioria no número de delegados.

- KATHARINE Q. SEELYE

Leia mais sobre: eleições nos EUA


    Leia tudo sobre: the new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG