Comícios revelam contrastes entre vermelho e azul

SHIPPENSBURG, Pensilvânia - Partidários dos senadores Barack Obama e Joseph R. Biden Jr. muitas vezes se assemelham a uma propaganda de outdoor da colorida marca Benetton, ostentando chapéus, camisetas, e broches com emblemas dos candidatos. Partidários do senador John McCain e da governadora Sarah Palin também gostam de objetos com logotipos, mas tendem a fazer maior uso de pompons (sim, pompons), cartazes feito à mão (Pitbulls pela Liberdade), broches da bandeira americana e pinturas sobre a pele.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Nos comícios democratas há mais danças e gritos do que nas reuniões republicanas. O público entoa "Yes, we can" (ou "Si, se puede") nos comícios de Obama e Biden, "USA" e "Drill, baby, drill" ("Perfure, baby, perfure") nos comícios de McCain e Palin. Os democratas esperam ao som de folk-rock e Motown (Bruce Springsteen, Stevie Wonder) e os republicanos preferem country-pop (como "9 to 5" de Dolly Parton) e rock (AC/DC) .

Os frequentadores de comícios democratas parecem mais preocupados com Palin do que McCain. Eles falam que estão cansados da "política do medo" e dizem que os candidatos republicanos são "irrelevantes" - a menos que ganhem, como afirmou um partidário em Charleston, West Virginia, com um meio sorriso.

Quando se pergunta aos republicanos o que eles pensam de Obama, a palavra "socialista" é usada com frequência. Eles mencionam que ele é um bom orador, mas não de forma positiva. Muitos deles parecem ter problemas com Michelle Obama também, apesar de não saberem o porquê. Eles também não gostam muito daquele Joe Biden, ou seja lá quem for - muitos não lembram imediatamente seu nome.

O que aprendemos depois de uma visita pessoal a eventos democratas e republicanos na reta final de uma disputa eleitoral amarga e excitante? Se tornou um clichê dizer que o país está "dividido", mas os sinais demonstrados em 11 paradas das campanhas nos últimos dias oferecem vislumbres de uma América partidária.

Plateia

Nestes últimos dias de compras antes do Natal político, as diferenças (e algumas semelhanças) estavam presentes. As multidões de Obama eram maiores e mais barulhentas, seguidas pelas de Palin (com McCain em terceiro e Biden em quarto).

Em termos de volume da plateia, idade e entusiasmo, os comícios de Palin tinham mais em comum com os de Obama do que com os de seu parceiro, McCain. Os fãs se amontoavam em torno de Obama e Palin depois que os candidatos terminavam de falar, tirando fotos com celulares acima das cabeças.

Os frequentadores de comícios mantêm maior distância das figuras mais cinzentas da disputa, McCain e Biden, cujas multidões parecem formadas por representações típicas das bases dos partidos, mais velhas e tradicionais (muitos veteranos para McCain, trabalhadores para Biden).

McCain e Palin vendem a ideia de "políticos independentes", falando sobre isso até que suas faces fiquem vermelhas; bem como Obama e Biden e a ideia de mudança, fazendo o mesmo até que seus rostos fiquem azuis.

Por MARK LEIBOVICH

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG