Comentário: Uma mudança na qual eu posso acreditar

Eu tenho sonhos. Eu posso parecer um perito chato, cujas fantasias mais exóticas envolvem relatórios do gabinete de contabilidade, mas lá no fundo eu tenho sonhos. Neste momento eu sonho com a presidência bem sucedida que este país precisa. Eu sonho com uma gestão liderada por Barack Obama, mas que vai além da base normal democrata. Que abre espaço para eleitores moderados, eleitores suburbanos, eleitores rurais e até mesmo eleitores que votaram no outro candidato.

New York Times |

  • Veja todas as notícias das eleições nos EUA
  • A gestão dos meus sonhos entende onde o país se encontra hoje. Seus membros sabem que, como Andrew Kohut do Centro de Pesquisas Pew colocou no programa "The NewsHour": "Esta foi uma eleição na qual o centro se reconheceu". Não houve "sinais" de um "movimento de esquerda".

    Apenas 17% dos americanos confiam que o governo fará a coisa certa na maior parte do tempo, de acordo com uma pesquisa New York Times/CBS News realizada em outubro. Então os membros da gestão Obama dos meus sonhos entendem que eles não podem impor programas ideológicos que o país não aceita. Novos presidentes em 1932 e 1964 poderiam pressupor um nível básico de confiança no governo. Mas hoje, como Bill Galston da Instituição Brookings observa, o novo presidente terá que construir a confiança sozinho e passo a passo.

    Entrar na Casa Branca de Obama dos meus sonhos será como entrar na Fundação Gates. As pessoas ali serão ostensivamente pragmáticas e voltadas aos dados. Elas irão à caça de boas ideias como capitalistas de risco. Elas não terão fé em burocratas todo-poderosos que representem editais do centro. Ao invés disso, elas usarão a linguagem descentralizada das redes, da reforma de baixo para cima e da inovação evolutiva.

    Elas irão realmente acreditar nas coisas que Obama diz sobre política pós-partidária. Isso significa que não haverá apenas alguns liberais republicanos em empregos marginais. Haverá pessoas como Robert Gates na Defsa e Ray LaHood, Stuart Butler, Diane Ravitch, Douglas Holtz-Eakin e Jim Talent em outros postos importantes.

    A gestão Obama dos meus sonhos irá insistir que os democratas do Congresso reinstalem comitês de conferência bipartidários. Eles convidarão líderes republicanos à Casa Branca para encontros reais e voltarão a convidá-los, mesmo quando eles realizarem coletivas de imprensa ofensivas na saída.

    Eles farão coisas com as quais os conservadores irão discordar, mas também mostrarão que não são objetos manipulados por grupos de interesse liberais. Eles irão insistir no pagamento por mérito e preservarão os padrões de responsabilização do programa Nenhuma Criança para Trás, não importa o que digam os sindicatos dos professores. Eles adiarão disputas controversas como a legislação da verificação de cartões.

    Mas principalmente, eles tomarão alguma atitude diante dos problemas enfrentados pelo país sem causar enorme alarme entre os eleitores à direita de Nancy Pelosi.

    Eles farão isso explicando ao povo americano que existem duas etapas no seu pensamento da política doméstica, curto prazo e longo prazo.

    A estratégia a curto prazo terá dois objetivos: acabar com os problemas da recessão e mudar a cultura de Washington. O primeiro passo será concluir a rodada de pacotes de estímulo que definitivamente terá que existir.

    Depois eles usarão duas ideias que já têm apoio bipartidário: aliviar os impostos para a classe média e realizar um pacote para a energia. A atual crise econômica e energética é uma oportunidade para se fazer algo que não é feito desde circunstâncias similares em 1974 (transformar o suprimento de energia deste país). Uma lei completa (que englobe desde a exploração do petróleo costeiro até as tecnologias ecológicas) irá estimular a economia e criar novas coalizões políticas.

    Quando a recessão mostrar sinais de enfraquecimento, então a gestão dos meus sonhos dará início a fase dois. A estratégia a longo prazo irá lidar com a restauração do equilíbrio fiscal e a reforma de instituições fundamentais.

    Até lá, o déficit orçamentário poderá ter ultrapassado US$1.5 trilhões ao ano. Os Estados Unidos estarão pedindo oceanos de dinheiro emprestado no exterior. A gestão dos meus sonhos mostrará que entende que o remédio para a cultura da dívida não é mais dívida a longo prazo. Ela ficará do lado dos que temem que a dívida a longo prazo pode levar à ruína através da alta nos juros.

    A gestão dos meus sonhos irá anunciar uma Iniciativa de Reequilíbrio do Orçamento. Alguém como o representante Jim Cooper irá analisar o orçamento e remover programas e investimentos que não funcionam. "Se não temos cortes nos gastos, então é como se dizemos que o governo é perfeito. Ninguém acredita nisso", diz Cooper.

    Tendo criado relacionamentos bipartidários, mostrado alguma força fiscal, cuidado da economia em momentos difíceis, a gestão dos meus sonhos então estará em posição de cuidar da reforma da saúde pública, da reforma fiscal, da educação e de uma iniciativa de infraestrutura para o futuro. Estas reformas podem ter que começar devagar e com pouca verba. Mas a reforma real será possível porque a política como a conhecemos não será a mesma.

    Tudo não passa de um sonho? Eu espero que não. Mas de qualquer forma, por favor me deixe manter este sonho por um momento.

    - DAVID BROOKS

      Leia tudo sobre: eleições nos eua

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG