Comentário: Sempre o mesmo assunto

O que acontece com os republicanos? Será que eles não têm noção de que suas políticas empurraram o país para uma estrada em direção à ruína? Será que estão tão divorciados da realidade que em seu estado de ilusão eles realmente acreditam que precisamos de mais cortes de impostos para os ricos e suas outras formas de irresponsabilidade plutocrática, coisas que nos trouxeram para esse estado deplorável?

The New York Times |

A última campanha do GOP (Partido Republicano dos Estados Unidos) visava questionar o esforço do presidente Obama em lidar com a emergência econômica nacional ao atacar os gastos de seu pacote de estímulo e repetindo sem parar o mantra republicano pedindo por ainda mais cortes de impostos.

Agora mesmo, com as preocupações que temos com o tamanho do pacote e todos os seus gastos, não pensamos que funcionará, disse o deputado John Boehner, republicano de Ohio que é líder da minoria na Câmara dos Deputados. Falando no programa Meet the Press, da emissora NBC, Boehner disse sobre o pacote: Me inscreva na coluna de nãos.

De qualquer forma, o pacote de estímulo não é o suficiente. Menos de 24 horas após o exercício de obstrução de Boehner na televisão, a companhia de equipamentos pesados Caterpillar anunciou que estava cortando 20 mil empregos, a Sprint Nextel disse que eliminaria 8 mil e a Home Depot, 7 mil.

Talvez os republicanos não pensem que há uma emergência. Apesar de tudo, foi Phil Gramm, guru econômico de John McCain, quem nos disse no meio do ano passado que a dor estava em nossas cabeças, que esta era uma recessão mental.

Claro que a verdade é que o país está tendo uma hemorragia de empregos e que os norte-americanos estão indo para a classe dos pobres aos milhões. O mercado da bolsa e o valor da casa de família desmoronaram e há um acordo inteiramente verdadeiro de que o país está enfrentando o pior desastre econômico desde, ao menos, a Segunda Guerra Mundial.

Qual foi a resposta dos republicanos para essa comoção? Corte de impostos. Eles precisam ir para uma clínica de reabilitação.

A questão que eu gostaria que fosse respondida é porque alguém ainda ouve essa multidão. As políticas do GOP quebraram as pernas da classe média (esqueçam os pobres, ninguém mais fala deles, nem mesmo os democratas).

O GOP projetou com sucesso uma redistribuição de riqueza como em um atacado para aqueles que já estão no topo da escada de rendimento e então, em uma exibição impressionante de ousadia, desafiou alguém a falar sobre bem-estar.

Um exemplo absoluto desta colaboração profana entre o GOP e os ricos esteve em exibição nas páginas deste jornal em 18 de janeiro. Mike McIntire do The New York Times escreveu um artigo sobre a primeira onda de dinheiro do pacote de resgate federal para a indústria financeira, que foi entregue pela administração Bush sem nenhuma segurança (o Congresso, sob o controle dos democratas, nunca deveria ter permitido isso, mas eles são tão comprometidos com a irresponsabilidade quanto os republicanos são com o corte de impostos).

Foi dito ao público que o dinheiro seria usado para se livrar dos mercados de créditos congelados e para ajudar a reavivar a economia. Mas como apontava o artigo, havia banqueiros com outras idéias. John C. Hope III, chefe do Whitney National Bank em Nova Orleans, em um discurso para os Vips de Wall Street que se reuniram no Ritz-Carlton de Palm Beach, disse:

Fazer mais empréstimos? Nós não mudaremos nosso modelo de negócio ou nossa política de crédito para acomodar as necessidades do setor público se eles querem fazer isso por meio de mais empréstimos.

Como pode haver tamanha arrogância e desdém com o interesse público? O banco de Hope recebeu US$ 300 milhões em dinheiro dos impostos do pacote de resgate.

O mesmo artigo mencionou Walter M. Pressey, presidente do Boston Private Wealth Magement, o qual McIntire descreveu como um banco saudável com a maioria de sua clientela abastada. O banco recebeu US$ 154 milhões em dinheiro de impostos.

Com o capital na mão, disse Pressey, não nos sentimos apenas confortáveis de que iremos sair dessa recessão, mas também sentimos que estaremos em uma posição em que poderemos tirar vantagem das oportunidades que favorecem a eles próprios, assim que essa recessão for classificada.

Tirar vantagem, de fato. Isso, em uma casca de noz, é sobre o que se trata a plutocracia: tirar vantagens injustamente.

Quando o GOP fala, ninguém deveria ouvir. Os republicanos usaram como argumento, com a colaboração de parte da mídia, que eles poderiam cortar radicalmente os impostos enquanto, simultaneamente, equilibrassem o orçamento federal, quando, na verdade, um grande corte no imposto de renda levaria a um maior déficit orçamentário. Nós ouvimos o GOP e o que temos agora? Um déficit com mais um trilhão de dólares e uma economia em ruínas.

Esse é o partido que pregou a disciplina fiscal e então cortou os impostos em tempo de guerra. Esse é o partido que ainda quer acabar com a previdência social e a Medicare. Esse é o partido que, em uma escolha entre Abraham Lincoln e Ronald Reagan, escolheriam Ronald Reagan em um segundo.

Por que alguém ainda os escuta?

Por BOB HERBERT

Leia mais sobre republicanos

    Leia tudo sobre: republicanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG