Comentário: Lutando contra a pobreza

JAMESTOWN ¿ Eu não tinha certeza se esta coluna seria concluída. Mas minhas economias e meu salário estão encolhendo, então me pareceu valer a pena tentar. Bom, o quão difícil isso pode ser? Eu vi ¿O Tesouro de Sierra Madre¿, clássico de 1948, com a atuação de Humphrey Bogart e dirigido por John Huston (¿Crachá?... não tenho que mostrar nenhuma porcaria de crachá para você!¿). Esse filme foi a melhor reflexão sobre a esperança do ouro e o roubo por ambição, já feito ¿ até a história de Bernie Madoff.

The New York Times |

Além disso, com a hesitação do sonho americano e o brilho da Estátua Dourada apagado, o filme pareceu ser um regresso às colinas dos Mananciais de Sierra Nevada, onde o sonho de, audaciosamente, ficar rico da noite para o dia nasceu há 160 anos, a Corrida do Ouro que estimulou a economia mundial.

O 49er (embarcação com espaço para duas pessoas) ¿ o qual Mark Twain descreveu como uma sociedade selvagem, livre, bagunçada e grotesca de um homem indescritivelmente feliz ¿ parou em São Francisco, duas horas e meia a oeste daqui, para comprar suprimentos como balas para armas, carne salgada e calças Levis. Meus suprimentos de São Francisco eram mais modernos: jeans rasgado, leite desnatado, um GPS, um celular e um notebook para me atualizar sobre o preço do ouro. Com o dólar em baixa e as instituições financeiras em decadência, uma dura pepita de ouro parece uma aposta mais segura do que um derivativo efêmero (o ouro está sendo comercializado a cerca de US$ 880 por 29 gramas).

As informações na mídia estão anunciando uma nova Corrida do Ouro de Modesto ao Deserto de Mojave, um renascimento das esperanças nas correntezas da Califórnia, estimulado pelo discurso da economia nacional, uma taxa de desemprego de 10,5% deixando muitos com tempo livre e o pensamento no preço do ouro.

Os Panners têm encontrado o suor do sol, como os Incas chamavam o ouro. Declarações de mineradores, sociedade em grupos de prospecto e as vendas em lojas de equipamentos para mineração estão aumentando em todo o Estado. Um homem da costa leste se gabou para a emissora de TV NBC por ter encontrado US$ 10 mil em ouro em apenas um dia.

Minha aventura realmente pareceu como uma viagem no tempo, ao passado, especialmente quando o GPS começou a piscar perto de Yosemite, avisando que estávamos entrando em uma área onde coordenadas não podem ser fornecidas. Como em o Conto do Perdoador, de Chaucer, com sua moral de que radix malorum est cupiditas, que significa, a ambição é a raiz de todos os males, eu e meus dois amigos rapidamente começamos a argumentar sobre se iríamos guardar o que encontrássemos para nós ou dividir em três, com suspeitas florescendo.

Enquanto andávamos em direção à loja Brent Shock, que vendia equipamentos para a busca do ouro, na Main Street daqui, ouvimos alguém cantando aquele velho refrão de Burl Ives Jimmy crack corn, and I don´t care (Jimmy mói milho e eu não me importo, em tradução livre). Pagamos US$ 200 por nosso equipamento para barrar a água e a peneira e foram para o campo de mineração ressuscitado de Shock, no Riacho Woods, onde cerca de 15 pessoas, incluindo algumas famílias, cavavam com dificuldade.

John Fonseca, 27, brasileiro de Salt Lake City, estava com seu tio, Jorge de Jesus, que ouviu sobre Jamestown no Travel Channel (canal televisivo sobre viagens). Fonseca, que trabalhava com produtos de madeira para lojas como Chanel e Armani, disse que o trabalho diminuiu, então ele decidiu ir a procura de ouro. Ele tinha um pequeno frasco cheio de flocos de ouro após três horas de exploração naquele dia, o que ele disse, com sofrimento, que não é o suficiente para vender ou pagar as contas.

Gary Speed, 58, que trabalha na McClatchy's, na unidade de Cars.com, dirigiu meia hora até Groveland, na Califórnia, com sua mulher, Margaret, para comemorar o aniversário desta. Ele está pensando em explorar ouro como outra fonte de renda porque eu me aposentarei em breve. Ele pretendia não perder flocos de ouro em seu equipamento. Com isso dá para comprar uma lata de ração de gato, disse ele.

Com uma barba grisalha, uma boca sem alguns dentes, olhos de um azul intenso e um Marlboro vermelho entre os lábios, o homem de 57 anos é um regresso às possibilidades de outrora. O ouro deixou as pessoas loucas por anos, disse. O homem é o homem.

Para crianças, Shock ajuda a mãe natureza algumas vezes, salgando o rio com ouro de bobom, pirita, para que eles tenham certeza de que encontrarão algum tesouro. Eu achei uma pepita brilhante, mas Shock me advertiu. Chamamos isso de leverite da Califórnia, disse ele, como em, leave er (deixe-o, em inglês) aqui mesmo.

Ele nos ensinou a fazer um redemoinho com a peneira, apenas com o pulso e sem mexer o corpo, e a separar a lama dos grãos.

Aaron, 33, gerente da FedEx de São José, disse que foi um trabalho tão duro para um retorno tão pequeno que se ele precisasse juntar dinheiro, ele preferirira conseguir um segundo emprego entregando pizzas.

No fim, Shock nos ensinou a recolher alguns flocos, que seria digno de um achei! e se parecia mais com ração para peixe do que um bilhete fora do temor da economia. Vale US$ 1 mil de conversa, Shock garantiu. E também um lembrete de que esquemas para enriquecer rapidamente são frequentemente um caminho para esvaziar os bolsos.

De volta ao bar do Hotel Nacional, na Main Street, onde exploradores comercializavam ouro por uísque, tentamos vender nosso frasco de flocos de ouro por um copo de gin efervescente e um Martini com limão.

Claro, eu aceito, disse o garçom, junto com um cartão de crédito.


Por MAUREEN DOWD

Leia mais sobre ouro

    Leia tudo sobre: ouro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG