Comentário: Liberais, não se chateiem!

Barack Obama provavelmente irá ganhar a eleição presidencial de 2008. Se ele ganhar, nós conservadores iremos receber a notícia com nosso usual resoluto estoiscismo ou nosso fatalismo animador. Ser conservador significa nunca se surpreender muito com a decepção.

The New York Times |

Mas e se John McCain conseguir virar o jogo?

Estou preocupado com meus compatriotas de esquerda. Michael Powell relatou na edição de sábado do "New York Times" que até uma eventual derrota de Obama tem levado muitos liberais a um estado de grande ansiedade. E então uma jovem de Denver que disse ao namorado que a vida amorosa deles entraria em pausa enquanto ela se preocupava com o desempenho de Obama no Colorado. Bem, e se Obama perder do Colorado? E se ele perder a eleição? Como conservador piedoso, estou preocupado com o bem-estar desse namorado ¿ e com outros que devem estar em situações parecidas. Sinto obrigação em ajudar.

Então me deixe dizer aos liberais por que eles deveriam ficar felizes se McCain ganhar.

1- Seria a vitória de um azarado. Liberais devem gostar de azarados. McCain é um cara solitário que se opõe a um Obama sem precedentes de tão bem-financiados, superorganizado e adorador da ExxonMobil. Uma vitória de virada de McCain seria o clássico final feliz dos liberais.

2- Seria uma derrota para a elite governante. O apoio mais recente a Obama foi anunciado pelo conhecido republicano Kenneth Duberstein (funcionário da Casa Branca no mandato de Ronald Reagan, também republicano). Os liberais deveriam estar ao lado dos encanadores que trabalham pesado e não de lobbystas importantes ¿ ops, desculpa, importantes estrategistas e consultores. E Duberstein disse que o apoio de Colin Powell foi o selo de aprovação da boa dona de casa a Barack Obama. Esse comentário não expressa a idéia de tudo o que os liberais (e muitos conservadores, inclusive eu) acham horrível sobre a forma de obter favores e de vigiar a tudo e a todos da orgulhosa elite governante?

3- Seria uma vitória para o futuro; Com a taxa de aprovação de 25% do presidente Bush, um triunfo de McCain seria uma mostra de que os americanos estão escolhendo entre duas alternativas futuras, não votando apenas por causa do ressentimento quanto ao desempenho de George W. Bush. Poderia significar que os eleitores estão olhando para frente e não para o passado. Os liberais deveriam então dar as boas vindas à vitória de McCain como um triunfo da esperança sobre o medo, do futuro sobre o passado.

4- Seria uma vitória da liberdade. O partidário de Obama Leon Wieseltir do The New Republic escreve que ditadores e genocidas dormiriam com um olho aberto durante a presidência de McCain. Os liberais deveriam ser contra ditadores e genocidas. Wieseltier também reconhece que McCain estava brilhantemente certo quanto aos atentados (de 11 de setembro), que não é pouca coisa; e com a maneira rancorosa com a qual Obama trata a piora do Iraque, quando ele trata desse assunto é embaraçoso. Os atentados não anteciparam apenas a preocupação com nossa segurança nacional, mas também com a causa da liberdade no mundo. Liberais deveriam ser admiradores da liberdade.

5- A vitória de McCain seria boa para o liberalismo. Olhe para a história recente. Jimmy Carter e o Congresso Democrata teve como resultado Ronald Reagan, Bill Clinton e o Congresso Democrata resultaram em Newt Gingrich (porta-voz da câmara de deputados dos EUA pelo Partido Republicano). Quem sabe o que viria com o presidente Obama e o Congresso Democrata? Aqui está uma possibilidade: presidente Sarah Palin.

Por isso, os liberais não deveriam ficar chateados com a idéia de McCain ganhar. Poderia acontecer?

É possível. E se as pesquisas, por diversas razões, estiverem exagerando o apoio à Obama por alguns pontos? E se os eleitores optarem pela derrota de Obama na última hora, como fizeram nas eleições democratas primárias? McCain poderia então passar, na ponta da agulha, pelo o Colégio Eleitoral.

McCain teria que ganhar em todos os Estados onde ele atualmente lidera ou tem boas chances, segundo as pesquisas (incluindo a Carolina do Norte, Indiana e Missouri). Ele teria que ganhar na Flórida e em Ohio, onde ele tem quatro pontos a menos, mas onde os operários lhe oferecem uma boa chance. Assim ele consegue 247 votos dos 270 necessários.

O caminho da vitória para McCain envolveria conseguir a Pensilvânia (que o deixaria com 268 votos), e ganhar na Virgínia, Colorado, Nevada ou Novo México (Estados onde ele tem entre quatro e sete pontos) ¿ ou New Hampshire, onde ele está 10 pontos atrás, mas onde ganhou em duas emocionantes vitórias nas eleições primárias.

Quanto à Pensilvânia, duas pesquisas recentes mostram McCain se aproximando com quatro pontos. Este é o Estado cujos residentes de pequenas cidades foram, famosamente, chamados por Obama de amargos. Um membro democrata do congresso da Pensilvânia, John Murtha, recentemente acusou muitos eleitores no oeste do Estado de serem racistas. Talvez a Pensilvânia queira mandar uma pequena mensagem ao Partido Democrata. Isso poderia favorecer a eleição de McCain. É um caminho justo. Mas já vi jogadores desistirem.

Se McCain ganhar, pense nesta coluna como uma modesta contribuição para animar liberais confusos. Se Obama prevalecer, estou confiante de que há alguns liberais com compaixão que farão o mesmo pelos conservadores azarados que caminharão com dificuldade para a imensidão.

Por WILLIAM KRISTOL

Leia mais sobre eleições nos EUA

    Leia tudo sobre: eleição dos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG