Comentário: dinheiro por nada

Em 15 de julho de 2007, ¿The New York Times¿ publicou um artigo com o título ¿Os mais ricos dos ricos, orgulho da era dourada¿. O mais proeminente dos ¿novos titãs¿ descritos era Sanford Weill, ex-presidente do Citigroup. Ele alegou que ele e seus colegas conseguiram suas imensas riquezas por meio de suas contribuições com a sociedade.

The New York Times |

Pouco tempo após a impressão do artigo, o edifício financeiro de Weill foi glorificado por ajudar a construir um colapso, causando um imenso dano colateral no processo. Mesmo se conseguíssemos evitar uma repetição da Grande Depressão, a economia mundial levaria anos para se recuperar dessa crise.

De todas as explicações de por que deveríamos ser perturbados por um artigo no Times de domingo, relatando que pagar pelo investimento de bancos, após a queda do ano passado, está ficando na moda novamente ¿ exatamente para os níveis de 2007.

Por que isso incomoda? Deixe-me contar porquê.

Primeiro, não há mais razões para acreditar que os magos de Wall Street realmente contribuem com algo positivo para a sociedade, muito menos o suficiente para justificar aqueles enormes salários.

Lembre-se de que a Wall Street dourada de 2007 foi claramente um novo fenômeno. Dos anos 30 até por volta de 1980, os bancos eram moderados, um negócio entediante que não pagava melhor, mas a média do que outras áreas, ainda que mantivessem a economia funcionando.

Então por que alguns banqueiros de repente começaram a fazer vastas fortunas? Disseram-nos que foi uma recompensa pela criatividade que tiveram ¿ pela inovação financeira. No entanto, a esse ponto, é difícil pensar em quaisquer maiores inovações financeiras recentes, que realmente auxiliaram a sociedade, considerando o contrário de novo formas de explodir bolhas, esquivar-se de regulações e implementar de fato o esquema Ponzi (tipo de operação fraudulenta de investimentos).

Considere um discurso recente de Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve (Fed- Banco Central dos EUA), no qual ele tenta defender a inovação financeira. Seus exemplos de boas inovações financeiras foram: cartão de crédito (não exatamente uma nova idéia); retirada excessiva de dinheiro do banco; e hipotecas subprime (não estou inventando isso). Isso foi pelo o que os banqueiros receberam tanta grana?

Ainda assim, você deve argumentar que temos uma economia de mercado livre, é do setor privado a decisão de quanto valem seus funcionários. Mas isso me traz ao segundo ponto: Wall Street não faz mais parte, em qualquer lógica real, do setor privado. É da alçada do Estado, cada parte depende do auxílio do governo como receptor da Assistência Temporária para Famílias Necessitadas, também conhecido por auxílio-desemprego.

Não estou falando apenas dos US$ 600 bilhões, ou mais, já comprometidos com o Troubled Assets Relief Problems (TARP ¿ Auxílio aos problemas com ativos tóxicos, em tradução livre) Também há grandes linhas de crédito concedidas pelo Fed; empréstimos de larga escala pelo Banco Federal de Empréstimos Domésticos e o pagamento das dívidas dos contratos da AIG financiado pelos contribuintes. Além disso, tem a vasta expansão das garantias da Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC, agência federal de garantia de depósitos bancários dos EUA) e, mais amplamente, o comércio bancário implícito fornecido para cada empresa financeira considerada grande demais ou estratégica demais para falir.

Alguém pode argumentar que é necessário recuperar Wall Street para proteger a economia como um todo ¿ e, na verdade, eu concordo. Mas dado todo o dinheiro do contribuinte em jogo, as empresas financeiras deviam agir como utilidades públicas e não voltar às práticas e salários de 2007.

Além disso, pagar vastas somas para os velhacos não é apenas escandaloso, mas também perigoso. Por que, afinal de contas, os banqueiros se arriscam tanto? Porque o sucesso ¿ ou mesmo o aspecto temporário do sucesso ¿ oferece recompensas gigantescas: Mesmo os executivos que quebram suas empresas podem e conseguem sair com centenas de milhões. Agora, estamos vendo recompensas similares sendo oferecidas para pessoas que podem jogar seus jogos arriscados com o dinheiro do Estado.

Então o que está acontecendo? Por que salários voltaram a ser estratosféricos? Afirmações de que as empresas têm de pagar esses salários para manter o melhor pessoal não é plausível: Com o salto no desemprego do setor financeiro, para onde vão essas pessoas?

Não, a razão pela qual as empresas financeiras estão pagando altos salários novamente é, simplesmente, porque eles podem. Eles estão fazendo dinheiro de novo (embora não o tanto que afirmam), graças a todas essas garantias federais e empréstimos a juros muito mais altos. Então é comer, beber e ser feliz, porque até amanhã você deve ser ajustado.

Ou talvez não. Há uma sensação evidente na imprensa financeira de que a tempestade passou: As ações estão em alta, o barulho da economia deve estar desnivelando, e a administração de Obama provavelmente deixa os banqueiros com nada menos do que discursos firmes. Certamente ou erroneamente, os banqueiros parecem acreditar que voltar aos negócios como era antes é ali na esquina.

Só podemos esperar que nossos líderes provem o contrário, e persistam na reforma verdadeira. Em 2008, banqueiros com altos salários assumindo grandes riscos com o dinheiro de outras pessoas trouxeram a economia a seus pés. A última coisa que precisamos dar-lhes é uma chance de fazer tudo de novo.

Por PAUL KRUGMAN


Leia mais sobre banqueiros

    Leia tudo sobre: banqueiros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG