Comentário: A etiqueta moral da vizinhança de Ward Three

Eu me tornei muito preocupado com o número crescente de pessoas ricas que estão sendo surpreendidas pelas mudanças no código de despesas. Primeiro, teve aqueles executivos que não perceberam que não é mais socialmente aceitável usar jatinhos privados para viagens de lobby a Washington. Então teve John Thain, que foi humilhado porque não é mais aceitável gastar 35 mil em uma cômoda para o banheiro a empresa de consultoria financeira Merril Lynch.

The New York Times |

Então houve os executivos de Wall Street que de repente foram criticados pela Casa Branca por continuarem dando os mesmos tipos de bônus que deram por anos. Agora, há Tom Daschle, que está sendo criticado por conseguir rápidos US$ 5 milhões por meio de seu prestígio no Senado.

Eu tenho medo que haja gente rica em todo o país que estejam a ponto de sofrer um auto-sacrifício social similar, porque eles não entendem que as regras da sociedade privilegiada passaram por uma transformação radical.

A essência do problema é: pessoas ricas costumavam fazer suas próprias regras. Por exemplo, se uma pessoa rica quisesse usar o helicóptero da empresa para arejar o lado de sua propriedade, e outra pessoa rica do quadro de diretores da empresa achasse que isso era algo sensato a fazer, o primeiro poderia ir em frente e fazê-lo sem nenhuma repercussão grave.

Mas agora, depois do Programa de Recuperação de Propriedades Irregulares (TARP), o pacote de resgate para a indústria automotiva e várias outras intervenções federais, pessoas ricas não podem mais fazer suas próprias regras. Agora, o estilo de vida padrão para a classe privilegiada é decidido por pessoas que vivem em Ward Three.

Para quem não sabe, Ward Three é uma parte do noroeste de Washington, distrito federal, onde muitos membros da equipe dos democratas, reguladores, jornalistas, advogados, auxiliares de Obama e funcionários públicos veteranos moram. Graças às recentes intervenções e ao pacote de resgate, as pessoas de Ward Three administram os bancos e muitas outras grandes indústrias.

Com esse poder, eles conseguem se inserir na complexidade da vida luxuosa, influenciando o trânsito de jatinhos privados, quando os amigos podem emprestar a limusine uns aos outros e quais aprendizados de fuga os resorts de golfe podem manter.

A boa notícia para os ricos é que as pessoas dessa vizinhança são muito boas e espertas. Em qualquer sábado desses, metade das pessoas em Ward Three organizará um painel de discussões para a outra metade participar também. Essa parte mora em casas modestas com cozinhas reformadas recentemente e com máquinas de ginástica da Nord Track comprimidos em áreas para as crianças brincarem no térreo (por alguma razão, as pessoas em Ward Three estão apenas interessadas em tonificar os músculos na parte inferior de seus corpos).

Apesar de tudo, muitas pessoas em Ward Three têm certo ressentimento quanto a esses métodos, com os quais algumas das pessoas dentro do grupo de decamilionários a bilionários devem tomar cuidado.

Em primeiro lugar, muitas pessoas em Ward Three sofrem de Raiva Líquida Purificada. Como advogados, produtores de TV e funcionários públicos, eles ganham salários decentes, mas 60% de sua renda disponível vão para o ensino privado ou para viagens de estudo no exterior. Pouco resta para gastarem com eles mesmos, o que gera uma autopiedade profunda e desconhecida.

Segundo, eles sofrem com o que é chamado de Desequilíbrio no Status de Renda. No trabalho, são elogiados e temidos. Mas eles ainda têm que ir para casa limpar o as goteiras porque não podem bancar uma empregada em tempo integral.

Terceiro, eles sofrem do status de rivalidade endêmica com a classe média alta. Como formados em escolas de direito, eles tem ressentimentos quanto a graduados em administração. Como pessoas de Washington, eles tem ressentimentos quanto aos nova-iorquinos. Como trabalhadores de política sobrecarregados, eles se ressentem de pessoas com boa estrutura óssea.

Em resumo, as pessoas de Ward Three desdenham três coisas: segmentação, caçar e pessoas estúpidas que são mais ricas do que eles. Pessoas ricas têm de aprender a se adaptar ao novo poder estrutural se esperam sobreviver.

Primeiro, eles têm de se submeter ao novo código de despesas. As pessoas de Ward Three nacionalizaram a extravagância e privatizaram o puritanismo. Sob as regras deles, o governo federal tem a autorização para colocar centenas de bilhões de dólares no resgate de um banco mal administrado, mas se um banqueiro como John Thain gastar US$ 1.500 em uma lixeira, então a trégua com o inferno acaba. O consumo individual deslumbrante está fora de moda. A monotonia da classe média está na moda. É triste, mas não há nada a fazer.

Segundo, durante a conversa, eles devem tentar não dizer que os tempos estão difíceis, que só lhes restam os últimos US$ 400 milhões. Isso não levantará tanta simpátia quanto se imagina.

Terceiro, há tempos em que os Mestres do Universo devem ser os Mestres da Submissão. Se você é um administrador de fundos limitado e se encontra em uma conversa com uma pessoa de Ward Three, desculpe-se por arruinar o Hamptons (balneário de luxo próximo a Nova York), e em seguida, toda a economia global.

Acima de tudo o que você deve perceber é que os ricos não controlam mais a economia e seus costumes. Mas sim as pessoas de Ward Three e esse governo apenas começou.

Por DAVID BROOKS

Leia mais sobre crise econômica

    Leia tudo sobre: crise econômica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG