Comentário: A economia de Madoff

A revelação de que Bernard Madoff ¿ um brilhante investidor (ou era o que quase todo mundo pensava), filantropo, pilar da comunidade ¿ é um falsificador chocou o mundo e, claro, de forma compreensível. A quantidade de US$ 50 bilhões no Esquema Ponzi é difícil de compreender.

The New York Times |

Acordo Ortográfico


Com certeza eu não sou a única pessoa que se pergunta a questão óbvia: O quão, realmente, diferente é a história de Madoff das outras na indústria do investimento como um todo?

A indústria de serviços financeiros exigiu um crescimento contínuo da fatia de lucros da nação durante a geração passada, tornando as pessoas que fazem parte dessa indústria, incrivelmente ricas. Ainda, nesse ponto, parece como se a indústria tenha destruído os valores e não os criando. E não é só em matéria de dinheiro: O vasto número de ricos, que tiveram sucesso por meio daqueles que gerenciavam o dinheiro de outras pessoas, causou um efeito corrompido na sociedade como um todo.

Vamos começar pelos salários. No ano passado, o salário médio dos funcionários de seguros, contratos de mercadorias e investimentos foi mais do que o quádruplo do salário médio no resto da economia. Ganhar milhões de dólares não foi nada de especial e mesmo os lucros de US$ 20 milhões ou mais também não foram fora do comum. O rendimento dos americanos mais ricos explodiu durante a geração passada, mesmo com a estagnação dos salários dos funcionários de cargos inferiores; os altos pagamentos de Wall Street foram a maior causa da divergência.

Mas com certeza aquelas celebridades financeiras devem ter ganhado seus milhões, certo? Não, não necessariamente. O sistema de pagamento de Wall Street com recompensas em abundância tem a aparência de gerar lucros, mesmo que se descubra que era apenas uma ilusão.

Considere o exemplo hipotético de um gerente de finanças que alavanque o dinheiro de seus clientes através de montanhas de dívidas, então invista no crescimento total com altos lucros, mas com riscos de posse, um seguro de hipoteca bem duvidoso. Por um tempo ¿ ou seja, enquanto a casa de ar continue a inflar ¿ ele (quase sempre é um homem) conseguirá grandes lucros e receber grandes bônus. Então, quando a bolha estourar e seus investimentos se transformarem em lixo tóxico, seus investidores perderam muito ¿ mas ele manterá seus bônus.

Ok, talvez meu exemplo não tenha sido tão hipotético afinal.

Então, o que tem de diferente no caso de Madoff do que o que Wall Street fez no geral? Bem, Madoff supostamente pulou alguns passos, simplesmente roubando o dinheiro de seus clientes ao invés de coletar grandes taxas expondo seus clientes a riscos que eles não entendem. E enquanto Madoff aparentemente estava consciente de suas fraudes, muitas pessoas de Wall Street realmente confiavam no próprio taco. Mesmo assim, o resultado do foi o mesmo (exceto pela apreensão da casa): os gerentes de finanças ficaram ricos; os investidores viram seu dinheiro desaparecer.

Estamos falando de muito dinheiro aqui. Nos últimos anos, o setor financeiro estimava 8% do PIB americano, e não menos que 5% como uma geração antes. Se esses 3% extras foi dinheiro à toa ¿ e provavelmente foi ¿ estamos falando de US$ 400 bilhões por ano que foram parar no lixo, em fraudes ou abusos.

Mas os custos da era do Ponzi americano com certeza foram além do gasto inútil de dólares e centavos. No nível mais rude, os ganhos conseguidos de forma ilegal em Wall Street corromperam e continuam a corromper a política, de uma maneira bem bipartidária. Desde os funcionários da administração de Bush como Christopher Cox, presidente da Comissão de Seguros e Câmbio, que ignorou deliberadamente a evidência da armação da fraude financeira pelos democratas que ainda não haviam fechado na taxa exorbitante na qual entraram muitos executivos beneficiados sem limite algum e empresas de justiça privada (olá, senador Schumer), que toparam quando o dinheiro falou mais alto.

Nesse meio tempo, o quanto o futuro de nossa nação foi prejudicada por essa atração magnética por uma riqueza pessoal rápida, que por anos levou muitos de nossos melhores e mais brilhantes jovens para o investimento bancário, a custo da ciência, do serviço público e quase tudo mais?

Mais do que tudo, essa vastidão de ricos que ganharam ¿ ou talvez devessem ter ganho ¿ em nossa indústria financeira inchada, questionamentos sobre nosso senso de realidade e o desprezo de nosso julgamento.

Pensa na forma que quase todas as pessoas importantes não perceberam os sinais de advertência para impedir a crise. Como isso foi possível? Como, por exemplo, Alan Greenspan poderia declarar, há apenas alguns anos, que o sistema financeiro como um todo se tornou mais elástico ¿ agradecimentos aos derivados e nada menos? Eu acredito que a resposta seja que há uma tendência natural na parte que até mesmo a elite venera homens que conseguem ganhar muito dinheiro, e acham que sabem o que estão fazendo.

Apesar de tudo, é por isso que tantas pessoas confiavam em Madoff.

Agora, enquanto avaliamos os restos e tentamos entender como as coisas puderam dar tão errado, tão rapidamente, na verdade a resposta é bem simples: Estamos olhando agora para as conseqüências do mundo de Madoff.


Por PAUL KRUGMAN

Leia mais sobre Madoff

    Leia tudo sobre: madoff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG