Com onda de crimes no México, jantar fora pode ser perigoso

SALTILLO ¿ Até há pouco tempo, antes de um cliente ser sequestrado do lado de fora da porta principal do El Meson Principal del Norte, o restaurante era conhecido simplesmente por ser um lugar com uma comida ótima, geralmente assada em um espeto bem ao estilo do norte do México.

The New York Times |

Mas, nos dias de hoje, pergunte a um recepcionista do hotel da cidade industrial sobre o El Meson e a gastronomia não é o que será lembrado primeiro. Tome cuidado, um deles sussurrou no mês passado. Lá é onde eles pegam os gringos.

Foi do lado de fora do El Meson que o próprio Felix Batista, um consultor de segurança americano especializado em resolver sequestros, foi capturado na noite do dia 10 de dezembro. Ele não foi visto desde então.

Depois de semanas de silêncio, sua mulher e sua irmã deram uma conferência à imprensa em Miamy, nesta quarta-feira, 7, incetivando seus sequestradores a soltarem-no e forneceram o e-mail, infofelixbatista(@)gmail.com, para quem tiver informação sobre o caso. Eu não entendo como um homem que sempre amou tanto o México e seu povo pode sofrer dessa maneira, disse sua mulher Lourdes Batista, 31. Meu coração está partido.

Casos

Garçons do El Meson foram interrogados por investigadores sobre pessoas que acompanharam Batista em jantares. Mas o que aconteceu exatamente com ele continua sendo um mistério, outro caso não resolvido em um país chocado pelo número recorde de sequestros e assassinatos, muitos ligados a traficantes que transformaram o México na rota de trânsito mais usada para drogas ilícitas no mundo.

O El Meson não está sozinho entre os restaurantes que estão inconscientemente ligados à onda de crime. Por todo o país, muitos lugares são agora provavelmente menos conhecidos por seus cardápios do que pelas pessoas presas, mortas ou, como no caso de Batista, sequestradas no meio do jantar.

Tem um restaurante chamado Vips no sul da Cidade do México, onde autoridades prenderam Sandra Avila Beltran, suspeita de ser uma traficante de drogas de terceira geração conhecida como Rainha do Pacífico, enquanto tomava café com uns amigos.

Também há um restaurante de frutos do mar em Tijuana onde autoridades encontraram um barril onde continha partes de corpos decompostas e depois descobriram um corpo na sala de jantar pouco tempo depois.

Lenda urbana

E espalhados pelo país estão restaurantes supostamente freqüentados por Joaquin Guzman Loeram homem mais procurado do México. Mais de uma vez, circulou uma história de que homens armados de Guzman invadiram restaurantes e mandaram que os clientes entregassem seus celulares e continuassem a comer como se nada tivesse acontecido.

Os proprietários dos restaurantes, em Culiacan, na Cidade de Juarez, em Ixtapa e outros pontos do México, dizem que as histórias sobre a lenda urbana de Guzman, embora seja ligada a traficantes é ruim para os negócios e para alguns proprietários que provavelmente aceitam servir qualquer pessoa envolvida no comércio de drogas.

Batista

No caso de Batista, as autoridades dizem que o especialista anti-sequestro estava em uma mesa com várias outras pessoas quando seu telefone tocou. Ele levantou para atender e quando voltou para a mesa parecia nervoso. Ele disse aos companheiros que alguém queria encontrá-lo lá fora para entregar uma mensagem e que se ele não voltasse os outros deveriam ligar para um colega em Miami.

Ele deixou com os outros alguns de seus itens pessoais antes de sair, disseram os oficiais, ainda incertos da natureza da ligação, embora estejam convencidos de que provavelmente haja o envolvimento de traficantes de drogas.

Autoridades dizem que uma corporativa local especialista em segurança, que convidou Batista para dar seminários sobre segurança no Estado Coahuila, deve ter feito a ligação para Batista naquela noite. O especialista, Jose Pilar Valdez, foi capturado por homens armados horas antes e cruelmente espancado.

Mas depois disso ele foi solto. Os investigadores acreditam que o mesmo homem que capturou Pilar deve tê-lo usado para atrair Batista. Mas as autoridades dizem que o vídeo da câmera de segurança mostrou Batista conversando com os homens que o levaram como se já o conhecessem.

Na coletiva de imprensa desta quarta-feira, 7, Jackie Batista disse Como irmã, eu imploro para que o soltem e deixem-no voltar para casa. Ela apontou que seu irmão chegou de Cuba a Miami com cinco anos de idade e passou quatro anos nas Forças Armadas dos EUA, mas nunca foi, como alguns noticiários locais informaram, um agente do FBI. Batista é pai de cinco filhos, disse ela.

Indústria do sequestro

Saltillo e o resto do Estado Coahuila são o centro da indústria de sequestro do México. Muito mais do que centenas de sequestros no país a cada ano ocorrem nos Estados de Águas Calientes, Baixa Califórnia, como também na Cidade do México, indicam as pesquisas.

Mas no Estado Coahuila, Batista é o terceiro especialista a ser sequestrado. No Estado, as autoridades não estão usando a palavra sequestro para descrever o que ocorreu com ele porque não foram feitos pedidos de resgate.


Por MARC LACEY

Leia mais sobre sequestros

    Leia tudo sobre: seqüestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG