Com ataques aos republicanos, Obama aceita indicação democrata

DENVER - O senador Barack Obama aceitou a indicação do partido democrata na quinta-feira, declarando que a promessa americana foi ameaçada por oito anos sob a gestão do presidente Bush e que o senador John McCain representa a continuação de políticas que prejudicam a economia da nação e colocam sua posição no mundo em perigo.

The New York Times |


Clique e veja a galeria de fotos do último dia de Convenção Democrata

O discurso de Obama, diante de uma platéia de quase 80 mil pessoas num estádio de futebol americano transformado num enorme palco político para deleite dos espectadores da televisão, deixou poucas dúvidas sobre como ele pretende confrontar McCain no outono.

Numa linguagem direta e saudado por aplausos e gritos que ecoavam pelo estádio, ele ligou McCain ao que descreveu como "a falha presidência de George W. Bush" e refletindo o tema central de sua campanha desde que entrou para a disputa - "problemas na política em Washington".

"América, nós somos melhores do que estes últimos oito anos", ele disse. "Somos um país melhor que isso".

Durante seu discurso de 42 minutos, que terminou com fogos de artifício e chuva de confete, ele fez ataques amplos e diretos a seu virtual oponente republicano, repetidas vezes retratando-o como a face da antiga política e de políticas republicanas falhas.

Ele afirmou que McCain não tem contato com os problemas dos americanos comuns. "Não é que John McCain não se importe", ele disse. "Ele simplesmente não entende".

Obama foi audacioso ao atacar até mesmo o suposto ponto forte de McCain, a segurança nacional. "Você sabe, John McCain gosta de dizer que irá seguir Bin Laden até os portões do inferno, mas ele não o segue até a caverna em que vive", ele disse.

Obama ressaltou as atitudes que irá tomar para lidar com os problemas da classe trabalhadora americana, como diminuir os impostos para a classe média e livrar o país da dependência do petróleo do Oriente Médio em 10 anos.

O discurso foi feito no Invesco Field. Seus assistentes escolheram o estádio para simbolizar o fim da política típica e permitir que milhares de seus partidários de todo o país pudessem participar do evento.

A noite escolhida lembrou a natureza histórica da candidatura de Obama: 45 anos antes o reverendo Dr. Martin Luther King Jr. realizou seu discurso "I Have a Dream" (Eu Tenho um Sonho, em tradução literal) no Mall em Washington.

- ADAM NAGOURNEY e JEFF ZELENY

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG