Tamanho do texto

As pessoas são freqüentemente aconselhadas a manter altos seus níveis do assim chamado colesterol bom, para reduzir o risco de doenças cardíacas. Mas níveis altos também ajudam a evitar o declínio da memória, segundo um novo estudo.

Pesquisadores descobriram que pessoas com mais colesterol lipoprotéico de alta densidade, conhecido como HDL, tiveram melhores resultados em testes de memória do que aqueles com níveis mais baixos. O estudo, comandado por Archana Singh-Manoux, aparece em Arteriosclerose, Trombose e Biologia Vascular, uma publicação da Associação Americana do Coração.

Os pesquisadores checaram os níveis de colesterol de mais de 3.600 funcionários públicos ingleses, submetendo-os a testes de memória em uma média de idade de 55 e novamente aos 61. Para os testes, os voluntários ouviam ser ditada uma lista de 20 nomes, e depois tinham de escrever todos os que se lembrassem em até dois minutos.

Além dos voluntários com HDL mais alto terem se saído melhor que os outros, aqueles cujos níveis de HDL diminuíram entre os testes também viram um declínio em seu desempenho.