Colecionando máquinas caça-níqueis japonesas

Pachislos são mais baratas do que as máquinas dos EUA: as básicas custam US$ 250, enquanto as de Las Vegas saem por US$ 800

The New York Times |

À primeira vista, parece que Eddie Cramer está operando um casino no seu modesto apartamento de um quarto no bairro do Brooklyn Heights, ou pelo menos é isso que um Ziggy Stardust poderia ter imaginado.

The New York Times
Eddie Cramer com sua coleção de caça-níqueis em seu apartamento de Nova York (24/04/2010)
Máquinas caça-níqueis japonesas, conhecidas como pachislos - que piscam inúmeras luzes enquanto emitem sons agudos - estão por toda a parte por quase toda a superfície horizontal do espaço de 50 metros quadrados, até mesmo sobre a pia e o fogão.

Na sua sala de estar, onde as paredes são pintadas de preto para combinar com o tapete, há cerca de uma dúzia de máquinas e alguns bancos compõem o único mobiliário. No quarto, uma cama (surpresa!) e muitas outras máquinas caça-níqueis.

Sua garantia de que essa não é uma casa de apostas é o próprio Cramer, um homem de fala mansa que diz a seu convidado, de maneira inquieta: "Nem gosto de receber pessoas aqui."

Outra garantia é que essas máquinas não são tecnicamente criadas para apostas. Cramer é um dos maiores colecionadores de pachislos dos EUA - a máquina barata, ligeiramente brega de caça-níqueis que atraiu uma massa de seguidores no país nos últimos dez anos.

Ele começou a colecionar a máquina há cerca de quatro anos, depois que viu uma em um shopping em Staten Island. Atualmente, ele vive principalmente no apartamento de sua namorada para que possa usar o seu para abrigar a coleção.

As pachislos se parecem com qualquer máquina caça-níquel que você encontraria em um cassino de Las Vegas. Mas elas diferem das máquinas americanas em coisas pequenas, mas significativas.

Por um lado, elas operam apenas com fichas e não moedas. Por outro lado, elas supostamente exigem alguma habilidade: abaixo de cada roda girando há um botão que a para manualmente, ou seja, os jogadores ganham quando apertam o botão no momento certo.

Não é preciso ser tão cético quanto Aristóteles, por exemplo, para duvidar que esse elemento de concorrência seja ilusório, mas isso é suficiente para isentar as máquinas da maioria das leis dos Estados americanos que restringem a propriedade de equipamentos de jogo.

The New York Times
Brian Evans com algumas de suas caça-níqueis japonesas em sua casa em Atlantic Beach, Flórida (05/06/2010)
Além disso, elas não são apenas máquinas caça-níqueis. Muitas, especialmente os modelos mais recentes, têm telas de LCD que exibem elaboradas narrativas de videogame. E elas têm algumas características que atraem colecionadores kitsch: gráficos coloridos no estilo anime, efeitos sonoros e infelizes apropriações japonesas de temas americanos como "Rambo" e Harley-Davidson.

Uma pachislo da posse de Obama vem decorada com uma imagem do presidente, de braços cruzados, em frente ao selo presidencial e uma bandeira americana.

Pachislos são consideravelmente mais baratas do que as máquinas caça-níqueis americanas: máquinas básicas custam cerca de US$ 250, enquanto que um caça-níqueis de Las Vegas pode custar entre US$ 800 e US$ 2 mil.

No Japão, os jogadores compulsivos de pachislo são conhecidos por se sentar por horas com os olhos vidrados nas máquinas. Embora o jogo seja ilegal no Japão, os jogadores podem trocar suas fichas por "prêmios" - caixas de plástico vazias ou isqueiros - que, depois, levam aos centros de resgate do outro lado da rua e trocam por dinheiro.

Essas máquinas "são muito fascinantes, muito reconfortantes", disse David Plotz, editor do website Slate, que escreveu sobre os salões que abrigam as pachislos depois de passar um tempo no Japão, em 2001. "Elas são uma forma de fuga em um país onde há muito pouco disso."

Nos EUA, no entanto, a obsessão parece ser mais sobre a coleção do que o jogo. Colecionadores falam de sacrificar andares inteiros de suas casas para acomodar as suas coleções cada vez maiores. Eles se reúnem em sites como Pachitalk.com e PachisloDB.com para compartilhar opiniões sobre as novas máquinas ou dicas de compra e onde encontrar as máquinas mais raras. O YouTube está cheio de vídeos de entusiastas de pachislos mostrando suas coleções.

Uma vez que as pachislos são comercializadas quase exclusivamente online e a maioria dos Estados não parece muito preocupada em aplicar leis contra elas, a maioria dos colecionadores não tem nenhum problema em comprar as máquinas onde vivem.

The New York Times
Rita Schack, que ganhou cerca de US$ 10 mil ao importar e vender caça-níqueis japonesas no ano passado em seu site, BlueHotaru.com, em Pearland, Texas (24/04/2010)
Em qualquer caso, é pouco provável que os Estados se preocupem que os entusiastas de pachislos possam transformar suas coleções em jogos para lucros. Pergunte a qualquer colecionador sobre como converter uma pachislo para aceitar dinheiro e muito provavelmente você vai receber um sermão.

"Você não deve falar sobre a conversão dessas máquinas para que aceitem moedas", disse Evans. "Isso é algo inaceitável."

* Por Douglas Quenqua

    Leia tudo sobre: caça-níquelJapãoEUA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG