Cidades húngaras começam limpeza de lama tóxica

Moradores de Kolontar, na Hungria, vivem drama de contaminação e aguardam análise do conteúdo da lama que vazou

The New York Times |

Pouco antes de correr para se refugiar no sótão da casa de sua família nesta segunda-feira na hora do almoço, Krisztian Holczer ligou para sua mãe em seu trabalho em uma escola da região.

"Você não vai acreditar no que está acontecendo", disse Krisztian.

The New York Times
Krisztian Holczer (D) teve queimadura nos pés devido ao contato com a lama tóxica
Uma onda de lama tóxica havia acabado de invadir o quintal pela cerca traseira e estava descendo rapidamente, sufocando galinhas e coelhos, assim como flores, pimentas, uvas e tomates.

Ela foi subindo até que cobriu a varanda de azulejos da frente e entrou pela porta da sala, tingindo de vermelho as imaculadas cortinas de renda branca. Krisztian, 34 anos, escapou com queimaduras em seus pés causadas pela lama tóxica.

A origem do líquido era um reservatório de lodo localizado perto dali, que guardava os restos do processo que converte bauxita em alumínio. Por mais de 25 anos, dizem os moradores, a fabricante húngara, MAL Rt., ou Companhia Húngara de Produção e Comércio de Alumínio, armazena tais resíduos em vários reservatórios artificiais na região.

nullPouco depois do meio-dia de segunda-feira, um canto do reservatório da lama cedeu, liberando a gosma para invadir paisagem em torno, transformando quatro prósperas e pitorescas aldeias em cidades tingidas de vermelho como em um filme de terror de ficção científica.

Mortes

A lama afogou pelo menos quatro pessoas e enviou mais de 100 ao hospital com queimaduras causadas por uma substância alcalina altamente cáustica. Dezesseis quilômetros quadrados estão cobertos de lama, centenas de moradores sofreram queimaduras leves e irritações pulmonares e muitos animais foram mortos.

Moradores da região ainda aguardam que funcionários da companhia liberem sua análise do conteúdo da lama tóxica. Um poluente perigoso no melhor caso, por causa de sua natureza corrosiva, a lama vermelha advinda do processo de produção de alumínio pode conter metais pesados e baixo nível de radioatividade, ingredientes que podem causar problemas de saúde como o câncer, e, a longo prazo, podem contaminar o meio ambiente.

A lama invadiu córregos locais e está se movendo. Ela já matou toda a vida nos rios e córregos locais. Até agora, o dano é limitado a Hungria, que ainda não solicitou à União Europeia assistência na resposta à catástrofe.

A parede quebrada do reservatório foi reparada, mas a limpeza começou lentamente. A principal agência de investigação da Hungria busca saber mais sobre o vazamento. Um caso foi aberto para considerar possível negligência criminosa.

Jozsef Deak, um engenheiro da companhia, disse que "a empresa não foge de sua responsabilidade" e está aguardando os resultados do inquérito.

*Por Elisabeth Rosenthal

    Leia tudo sobre: hungriavazamentocontaminação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG