China lidera corrida por riquezas submersas

Apesar de pouca experiência, chineses surpreendem com embarcação submarina que chega a 7.000 metros de profundidade

The New York Times |

Quando três cientistas chineses mergulharam no fundo do Mar da China Meridional em um pequeno submarino no início do último verão, fizeram mais do que simplesmente fincar a bandeira de seu país no fundo do mar escuro.

Os homens, que desceram mais de três quilômetros em uma embarcação do tamanho de uma pequena caminhonete, também sinalizaram a intenção de Pequim em assumir a liderança em explorar partes remotas e inacessíveis do fundo do oceano, que são ricas em petróleo, minerais e outros recursos. E muitos desses recursos ficam em áreas pelas quais a China entrou em conflito com seus vizinhos inúmeras vezes a respeito de reivindicações territoriais.

"É uma grande conquista", disse Liu Feng, diretor dos mergulhos, ao jornal China Daily.

O fundo do mar está cheio do que os especialistas acreditam ser trilhões de dólares em minerais, bem como muitos objetos de valor de inteligência: cabos submarinos que transportam comunicações diplomáticas, armas nucleares perdidas, submarinos afundados e centenas de ogivas nucleares que sobraram de testes de mísseis.

Enquanto um único veículo aquático de pequeno porte pode não ser capaz de transportar todos esses tesouros, ele põe a China em uma posição excelente para ir atrás deles.

"Eles não estão investindo nisso por algumas moedas", disse Don Walsh, um dos pioneiros do mergulho em águas profundas, que recentemente visitou o submarino e seus fabricantes na China. "É um programa muito deliberado".

O pequeno submarino que fez a viagem – batizado de Jiaolong, em homenagem a um mítico dragão do mar – foi anunciado publicamente no mês passado depois de oito anos de desenvolvimento secreto. Ele é projetado para ir mais fundo do que qualquer outro no mundo, dando acesso a China a 99,8% do fundo oceânico.

Sumbersível

Tecnicamente, o Jiaolong é um submersível. Essas embarcações submarinas diferem dos submarinos em seu tamanho pequeno, sua necessidade de uma nave-mãe sobre a superfície, e sua capacidade de mergulhar extraordinariamente abaixo das ondas, apesar da escuridão e da pressão. Existem poucos exemplares no mundo como este.

O Jiaolong pode ir a até 7.000 metros de profundidade, desbancando a atual líder mundial - o Shinkai 6.500, do Japão, que chega a 6.500 metros. Além do Japão, Rússia, França e Estados Unidos ficaram para trás na disputa pelo fundo do mar.

Especialistas americanos familiarizados com o programa de submarinos chineses afirmam que ele surpreende porque Pequim tem pouca experiência no assunto. Como resultado, a China está se movendo cautelosamente. Os testes do Jiaolong no mar começaram discretamente no ano passado e devem continuar até 2012, fazendo mergulhos cada vez mais profundos.

*Por William J. Broad

    Leia tudo sobre: chinasubmarinoriquezas mineraisoceanodisputa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG