Quando minha filha de nove anos começou o acampamento de verão na semana passada, conversamos sobre as regras para nadar, filtro solar e... batata frita com queijo.

Foi em um acampamento de verão há alguns anos que ela experimentou pela primeira vez o prazer gastronômico da batata frita com queijo, que pode acumular mais de 800 calorias por porção. O acampamento dela é típico dos Estados Unidos: dias recheados de atividades como arco e flecha, natação e escalada de aventura; menus recheados de refrigerante, hambúrguer, bolinhos de frango e, uma vez por semana, batata frita com queijo.

A comida dos acampamentos é apenas um dos desafios nutricionais do verão para os pais hoje em dia. Ao mesmo tempo em que defensores da saúde infantil geralmente culpam as escolas pela nutrição de baixa qualidade e pela falta de atividade física, o problema normalmente piora durante o verão. No ano passado, o American Journal of Public Health publicou um estudo polêmico mostrando que as escolas podem não ser as principais culpadas pela epidemia de obesidade infantil.

Informações sobre crianças no jardim da infância e na primeira séria descobriram que o índice de massa corporal aumentou duas ou três vezes mais rápido no verão em relação ao ano escolar regular. Crianças que faziam parte de grupos minoritários, assim como aquelas que já estavam acima do peso, eram especialmente vulneráveis.

Notoriamente, até crianças que eram muito magras e precisavam ganhar peso aparentemente tinham melhores hábitos alimentares do que durante o ano escolar. Na verdade, elas ganharam mais peso durante o período escolar e menos no verão.

Os dados estão longe de serem conclusivos; eles são de 1998-99, o único período que oficiais federais de educação coletaram informações sazonais sobre crianças em idade escolar, disse o co-autor do estudo, Douglas B. Downey, professor de sociologia da Ohio State. Não foram coletadas estatísticas similares para outras crianças.

Ainda assim, as revelações sugerem que, mesmo a nutrição na escola não sendo sempre ideal, as crianças ¿ acima ou abaixo do peso ¿ podem se beneficiar da característica estruturada do ano escolar, que inclui refeições, lanches e intervalos programados.

As escolas provavelmente oferecem um dia mais estruturado para a maioria das crianças, disse Downey. O acesso das crianças à comida é limitado a almoço e lanches, e elas geralmente se envolvem em pelo menos algum exercício consistente. Quando as crianças estão em casa no verão, têm acesso mais liberado à comida e, à medida que o tempo esquenta, pode haver menos exercícios consistentes.

Para os pais, os dados sugerem uma necessidade de vigiar ainda mais o que as crianças comem durante o verão. Mas é mais fácil falar do que fazer. Enquanto muitos distritos têm nutricionistas envolvidos no planejamento das refeições da escola, relativamente poucos acampamentos de verão contam com o profissional. E os pais que quiserem preparar uma lancheira terão que lidar com o mesmo problema, geralmente apelando para produtos industrializados que se manterão conservados no clima quente.

A comida dos acampamentos é terrível, disse Susan B. Roberts, diretora do laboratório de metabolismo energético da Friedman School of Nutrition Science and Policy da Tufts University. O problema é que eles fazem o que é mais fácil ¿ geralmente o que as crianças mais gostam, e algo que não estrague e que não seja trabalhoso de preparar.

Apesar da comida, as crianças que freqüentam acampamentos pelo menos têm a vantagem da atividade física diária organizada. Aquelas que não freqüentam os acampamentos, particularmente as de famílias de baixa renda, geralmente passam os verões em casa sob pouca supervisão e sem estrutura durante o dia. Elas terminam vendo televisão ou jogando videogames e comendo o dia todo.

Durante o ano, o hábito de ver televisão é mais limitado por causa da escola e das lições de casa, mas no verão não tem jeito, disse Dr. David Ludwig, diretor do programa de obesidade do Hospital Infantil de Boston. Eles ficam deitados o dia, vendo TV e jogando videogames. A infância lendária do verão na praia está se tornando cada vez mais rara, certamente para crianças em cidades centrais.

Deixando o ganho de peso de lado, até mesmo menor exposição a certas comidas pode moldar gostos e preferências pelo resto do ano. As crianças não só comem mais quando estão vendo televisão, por exemplo, mas também são expostas a inúmeros comerciais de comidas e guloseimas cheios de açúcar e gordura.

Elas estão sendo expostas a um número enorme de comerciais de produtos altamente calóricos e de péssima qualidade, disse Ludwig. Esses efeitos têm demonstrado alterar escolhas alimentares.

Pais preocupados com essas escolhas podem aprender uma lição com a escola. Peça à babá que organize mais regras nos dias de verão, que programe o almoço e o lanche em horários regulares quando possível e encoraje as crianças a ir para o recreio fora de casa, algumas vezes por dia. E pais de crianças em acampamentos diurnos ainda têm o controle sobre o café da manhã e o jantar, além de todas as refeições nos fins de semana.

Não existem muitos dados sobre as atividades das crianças durante o verão, disse Paul von Hippel, que já foi pesquisador da Ohio State e autor do estudo do ano passado. Mas acho que nossos dados mostram que é bom manter as crianças ocupadas durante o verão ¿ só o suficiente para que elas não comam o tempo todo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.