Chefe da polícia de Seattle pode ser nomeado czar das drogas

SEATTLE ¿ A lei do Estado de Washington proíbe a posse de maconha, exceto por certos propósitos médicos. A Hempfest de Seattle não é um deles. Ainda assim, todo ano quando o encontro atrai centenas de pessoas para a praia de Seattle, em nome da descriminalização da maconha, os participantes ficam bem alegres, na visão dos policiais. E eles raramente são presos.

The New York Times |

NYT
Kerlikowske
Kerlikowske, provável candidato 
ao cargo na nova administração
Os policiais que ficam patrulhando são corteses e respeitosos, disse Alison Holcomb, diretora de política de drogas da União da Liberdade de Civis Americanos de Washington.

Uma razão pela abordagem dos oficiais, disse Holcomb e outros que seguem a lei de coerção de Seattle, foi a liderança de R. Gil Kerlikowske, chefe do Departamento de Polícia de Seattle e, de acordo com oficiais da administração de Obama, a escolha do presidente em torná-lo chefe do Gabinete Nacional da Política de Controle das Drogas, conhecido como czar das drogas.

Indicação de Obama

A seleção antecipada de Kerlikowske deu esperança aqueles que querem mudanças na política nacional das drogas, de uma ênfase em prisões e perseguições para métodos como aqueles empregados em Seattle: intervenção, tratamento e redução dos problemas que o uso de drogas pode causar, tática conhecida como redução dos malefícios. O escolhido não é considerado alguém que liderou rigorosamente esses esforços, mas também não os atrapalhou.

O que me deixa otimista, disse Ethan Nadelmann, diretor-executivo da Aliança de Política das Drogas, não é ele próprio, mas o fato de que ele foi chefe de polícia de Seattle. E a cidade, King County e o Estado de Washington está realmente a favor da redução de maléficos e outras reformas na política de drogas.

A Casa Branca ainda deve anunciar a nomeação de Kerlikowske, e um porta-voz da polícia de Seattle disse que o chefe não iria discutir a questão. Sua indicação precisa ter a aprovação do Senado.

Histórico

Kerlikowske, 59, se tornou chefe da polícia de Seattle em 2000, após servir como representante do diretor da comunidade política do Departamento de Justiça na administração de Clinton. Enquanto estava no cargo trabalhou com Eric H. Holder Jr. então procurador-geral e agora chefe do departamento.

Antes de ir para o Departamento de Justiça, Kerlikowske era chefe de polícia de Buffalo, em Nova York, e em Fort Myers e Port St. Lucie, na Flórida. Sob o comando de John P. Walters, o czar das drogas durante a maior parte da administração do presidente George W. Bush, o gabinete se concentrava em leis duras de coerção contra as drogas, incluindo a ênfase no uso de maconha e outras drogas entre os jovens. A agência indicou reduções no uso de certos tipos de drogas, mas foi criticada por alguns oficiais locais de leis de coerção que disseram que a prioridade não refletia nas preocupações locais, desde o aumento do uso da metanfetamina à luta contra o contrabando de drogas na fronteira com o México.

A diferença é que eu poderei ligar para Washington e pedir para chamarem Gil e ele atenderá ao telefone, disse William Lansdowne, chefe de política em São Diego e membro do quadro da Associação de Chefes de Cidades Grandes. Kerlikowske é o presidente da associação. Ele ouve. É muito aberto a novas ideias. Ele construirá a cooperação. Ele dará importância tanto à prevenção quanto a coerção. Mas Kerlikowske também tem críticas.

Críticas

Norm Stamper, a quem Kerlikowske sucedeu em Seattle, disse que ele era um crítico vazio na política antidrogas. Stamper, que deixou o escritório não muito tempo após o tumulto que estourou em um encontro da Organização Mundial do Comércio em Seattle, em 1999, sustenta a legalização da maconha e discursou no Hempfest após deixar o cargo de chefe.

Ele disse que Kerlikowske não foi um apoiador sincero de algumas políticas antidrogas da cidade focadas em tratamento, como um programa de troca de agulhas ou uma iniciativa de votação em 2003, aprovada pela maioria, que dizia que reforçar a lei contra a posse de maconha por adultos devia ser a prioridade menos importante do departamento.

A questão é, se ele estivesse em uma comunidade muito mais conservadora, será que ele arriscaria defender isso?disse Stamper.

Outros disseram que o papel de Kerlikowske como chefe de polícia o colocou em uma posição política delicada porque ele não gostaria de ser acusado de ser flexível com o crime. Eles apontaram que ele não se opôs ativamente à iniciativa de 2003 e que ele instruiu sua equipe a cumpri-la quando ela foi aprovada. Eles disseram que os oficiais da polícia nos últimos anos mantiveram distância dos locais de troca de agulhas.

As prisões por causa de drogas na cidade são poucas e, no geral, o crime é o mais baixo em 40 anos, embora a preocupação com a violência de gangues tenha aumentado recentemente.

Por WILLIAM YARDLEY

Leia mais sobre drogas

    Leia tudo sobre: drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG