Céticos questionam benefícios do açaí

É difícil ignorar a comoção em torno do açaí, a fruta roxa encontrada em árvores de 18 metros na floresta tropical brasileira que passou a ser utilizada em bebidas desintoxicantes e cremes contra o envelhecimento. Em propagandas enviadas através de mensagens de email ou no Facebook é possível conhecer as alegações: Perca peso com o segredo de emagrecimento preferido de Oprah! Coma a fruta que o Dr. Oz diz ser supercomida número 1

The New York Times |

NYT
Produtos de açaí nos EUA
Açaí é ingrediente de diversos produtos nos EUA
No ano passado, 53 novos alimentos e bebidas contendo açaí chegaram ao mercado americano. Em 2004 este número era de apenas quatro. A venda dos produtos que contêm açaí como ingrediente principal ultrapassou US$ 106 milhões no ano que terminou no dia 24 de janeiro, de acordo com a companhia de pesquisa de mercado Spins, especializada em produtos naturais.

A Naked (de propriedade da Pepsi) e a 180 Blue (Anheuser-Busch) oferecem bebidas feitas com açaí. O dermatologista das celebridades Dr. Nicholas Perricone também vende suplementos feitos com açaí e a companhia de cosméticos Fresh fabrica um creme contra o envelhecimento contendo extratos da fruta que custa US$ 65.

As virtudes de uma bebida feita à base de açaí chamada MonaVie têm sido exaltadas pelo especialista em mídia Sumner Redstone, que disse à revista Fortune em 2007 esperar que o suco, que custava cerca de US$ 40 a garrafa, o ajudaria a viver outros 50 anos (hoje ele tem 85).

Apesar de toda a atenção, há pouco que sustente as extravagantes afirmações feitas a respeito do açaí. Ainda que a fruta contenha antioxidantes (moléculas que podem retardar os danos causados pela oxidação de outras substâncias do corpo) não há estudos de londo prazo mostrando que o açaí tira rugas ou, como muitos produtos de desintoxicação alegam, limpa o corpo de toxinas. Tampouco há evidência que encorajem as esperanças de pessoas em dieta de que esta é uma fruta mágica.

"No momento não há pesquisa científica que apoie as alegações de que o açaí ajuda no emagrecimento", disse Stephen T. Talcott, professor associado de química alimentar da Universidade A&M do Texas, que publicou inúmeros estudos sobre a fruta. "Algumas companhias ganham dinheiro sobre o fato do açaí ser desconhecido do público geral e vendido como uma cura milagrosa vinda das profundezas da floresta amazônica. Na verdade eles apenas usam a ignorância do consumidor".

Enquanto a maioria das companhias são cuidadosas sobre como comercializam seus produtos, outras empregam meios questionáveis. Oprah Winfrey, que tem informações em seu website a respeito do açaí atribuídas aos médicos Dr. Perricone e Dr. Mehmet Oz, está tão preocupada com o fato de seu nome ser usado de maneira incorreta para promover produtos pela internet que publicou o seguinte aviso no mês passado: "Os consumidores devem saber que Oprah Winfrey não está associada nem tampouco apoia qualquer produto feito com a fruta açaí ou sua venda online".

Consumidores aparentemente enganados pelo uso do nome de Winfrey reclamaram aos representantes da apresentadora, que por sua vez passaram o caso à promotora geral de Illinois, Lisa Madigan. Uma porta-voz de Madigan disse que seu gabinete está investigando se algumas companhias tem feito uso de propaganda enganosa.

O website de Rachael Ray, cujo nome também aparece em propagandas na internet, contém este alerta: "O uso do nome dela ou de sua imagem para a promoção destas vendas não tem autorização". Perricone disse que seu advogado está analisando as alegações feitas por companhias que usam sua imagem para comercializar produtos que ele não apoia. "Eu certamente acho que a fruta do açaí tem muitos benefícios para a saúde", ele afirmou. "Eu diria que é uma super fruta, mas sempre falei a respeito disso de forma genérica".

Muitos consumidores também estão irritados. Alison Southwick, porta-voz do Conselho para Melhores Negócios de Arlington, Virgínia, disse ter recebido mais de 2,000 reclamações de consumidores que acreditavam estar recebendo uma amostra grátis de produtos com açaí apenas para perceber que estavam pagando por eles. Em janeiro, o conselho emitiu um alerta para que os consumidores tomassem cuidado com as propagandas que fazem uso de celebridades para divulgar produtos que relacionam a perda de peso e a fruta.

O açaí era pouco conhecido nos Estados Unidos até 2001. Dois americanos, Ryan Black e Ed Nichols, conheceram a fruta durante uma viagem ao Brasil. Eles recrutaram o irmão de Ryan, Jeremy, misturaram a polpa do açaí ao extrato de guaraná e fizeram um suco, que depois de engarrafado foi chamado de Sambazon. Hoje eles oferecem 20 produtos, incluindo sucos, bebidas energéticas e suplementos que são vendidos em cerca de 15,000 lojas em todo o país.

A MonaVie, outra companhia bem-sucedida criada em torno da fruta, vende um suco através de distribuidores que contém açaí e "18 outras frutas benéficas para a saúde". "Cerca de 115 gramas de MonaVie tem uma capacidade oxidante equivalente a 13 porções de frutas comuns e vegetais", alega o material de publicidade da marca.

No entanto, a companhia não menciona ter recebido mais de uma dezena de reclamações, principalmente de consumidores e distribuidores pedindo ressarcimento, disse Jane Driggs, presidente do Conselho para Melhores Negócios de Salt Lake City, onde fica a sede da MonaVie. O conselho solicitou provas de que o produto é realmente rico em "antioxidantes, aminoácidos, vitaminas, fitonutrientes, minerais" e que contém "glucosamina para ajudar a manter articulações saudáveis".

Julie Jenkins, porta-voz da MonaVie, disse: "Estamos trabalhando para oferecer as provas solicitadas" (Driggs reconheceu que a MonaVie é "boa" em ressarcir o dinheiro investido e que respondeu a cada uma das queixas).

Até o momento, no entanto, foram feitos apenas alguns pequenos estudos sobre o efeito da fruta no ser humano, dois dos quais foram publicados em setembro de 2008 no Journal of Agricultural and Food Chemistry. O primeiro envolveu 12 voluntários que consumiram uma única dose de açaí em polpa ou suco. O estudo mostrou um aumento a curto prazo da capacidade antioxidante no sangue dos voluntários.

"O produto tem bons antioxidantes", disse Talcott, um dos pesquisadores do estudo. "Nós sabemos que os antioxidantes são provavelmente benéficos para nossa saúde Mas precisamos de mais estudos".

No outro estudo, o Dr. Alexander Schauss, diretor sênior da Aibmr Life Sciences, uma empresa de pesquisa nutracêutica em Puyallup, Washington, escreveu que a MonaVie demostrou "uma significativa proteção antioxidante" em 12 adultos saudáveis. Schauss concedeu que a amostra do estudo é pequena, mas disse acreditar que seu resultado é significativo. Outros estão céticos. Enquanto o estudo anterior mostra que os antioxidantes presentes no açaí podem ser absorvidos, "ele analisa apenas os efeitos imediatos do consumo do açaí em polpa ou suco", disse Lilian Cheung, professora de nutrição da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard. "Os resultados não demonstram que o consumo do açaí em polpa leva a qualquer impacto na saúde, muito menos à perda de peso".

Mas algumas pessoas continuam a jurar em nome da fruta. Há cerca de um ano, Sarah Taylor, 32, massagista terapeuta de Portland, Oregon, começou a usar o açaí em pó da Sambazon. Depois do primeiro dia, ela disse ter percebido um aumento no seu nível de energia e continuou a usar o produto desde então. Ela chegou a sugeri-lo a seus clientes mais velhos. "É muito empolgante ver as pessoas reagirem a algo tão rapidamente", ela disse.

Por ABBY ELLIN


Leia mais sobre açaí

    Leia tudo sobre: açaí

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG