Celebridades e super-heróis brilham em baile de museu em Nova York

NOVA YORK - Pode-se criar tantas metáforas sobre o poder transformador da moda das lantejoulas prateadas e dos padrões elaborados do vestido Chanel usado por Anna Wintour no baile de gala do Costume Institute nessa segunda-feira quanto da capa do Super-Homem, que estava em exposição na galeria.

The New York Times |

O longo tem curiosas meia-luas encaracoladas aplicadas sobre o quadril e ombros, dando a Wintour, editora da revista Vogue e curadora da Festa do Ano do Museu Metropolitano de Arte, um aspecto cheio de curvas como a Vênus de Botticelli sobre sua concha. Sua mensagem era a de estar totalmente em controle. (Ou pode ser que suas assistentes foram instruídas a não falar com ninguém, nem mesmo com as pessoas que conhecem, ou que os outros convidados foram estranhamente pontuais).

Com o baile deste ano intitulado "Super-heróis: Moda e Fantasia" ("Superheroes: Fashion and Fantasy"), Wintour disse que representava Tempestade, a personagem de "X-Men". "Eu controlo o clima", ela disse.

A noite estava linda lá fora, onde multidões de fotógrafos se posicionaram, lutando como se fossem arqui-inimigos, para conseguir a foto de Julia Roberts ou George Clooney em sua entrada. O baile também marcou a abertura de uma exposição de mesmo título e a lista de convidados, refletindo o tema, foi incrivelmente diversa, incluindo Lynda Carter, Donatella Versace e Venus Williams. Clooner e Roberts foram os co-anfitriões do evento, o que significou uma posição ao lado de Wintour na repeção de 750 convidados.

"Oi, eu sou Julia", disse Roberts inúmeras vezes, participando do tema de quadrinhos em um vestido prata Giorgio Armani, que também estava na festa.

"É preciso super-poderes para eu ficar acordada até tarde", disse Roberts. Como no pressionar de um botão ela ganhou o poder de um sorriso permanente. O relógio marcava sete horas.

"Isso é tarde para mim", ela disse.

Uma hora mais tarde, Clooney pedia um drinque.

Antes do jantar, que aconteceu no Templo de Dendur (redecorado com cristais de acrílico saindo da água, como fazem em Krypton), os convidados passaram pela exposição a caminho de um cocktail no Pátio Petrie. Sarah Silverman passou por ali usando uma saia de bolinhas Dolce & Gabbana, com um par de luvas sem dedos preto e branco imundo, que ela descreveu como "brinde de uma mochila que eu comprei numa loja de shopping por US$9".

"A mulher na Dolce & Gabbana disse, 'Por favor, não use isso'", ela disse. "Eu usei".

Então Isaac Mizrahi passou ignorando as roupas ao se olhar no espelho. "Não está esticado?", ele perguntou, antes de se distrair com um manequim em roupa de vôo.

Gilles Mendel, outro designer, acompanhado por Ivanka Trump, que usava uma de suas criações riu enquanto tomava seu braço: "Não posso andar atrás de você. Posso pisar no meu próprio vestido".

Vera Wang, mais uma designer, com a modelo Karolina Kurkova, disse que nunca usou um vestido de super-herói com ombreiras, ou mesmo sutiã, "mas talvez usasse se fosse 10 anos mais jovem".

Então Gisele Bundchen (em um Versace), passou por ali dizendo: "Eu quero pegar aquela fantasia da Mulher Maravilha e vesti-la agora, mas provavelmente seria muito reveladora".

Seu acompanhante, Tom Brady (em um Tom Ford), comentou: "Eu quero que ela vista a fantasia da Mulher Maravilha".

Isso tudo durou uma hora e meia até a chegada dos últimos atrasados. O prefeito Michael R. Bloomberg foi seguido por Donald e Melania Trump, Karl Lagerfeld em um brilhante terno de lantejoulas prateadas ("Eu brilho mais do que os heróis", ele disse), então Marc Jacobs, Janet Jackson, Donatella Versace e Donna Karan.

Tom Cruise e Katie Holmes estavam perfeitos. "Eu sempre adorei os quadrinhos", disse Cruise. "Eu adoro esses personagens".

O quê? Você queria uma análise sobre a coleção primavera 2006 de Bernhard Willhelm, intitulada "Eu sou o Único Dominador", que retratava o universo da Mulher Maravilha como uma crítica ao expansionismo da política estrangeira americana? Festa errada.

O baile do Costume Institute é provavelmente o único lugar onde se pode encontrar Jon Bon Jovi e John Mayer (ambos em um Armani) no banheiro masculino ao mesmo tempo, e ambos em cômicos penteados. Um convidado descreveu o cabelo de Bon Jovi como "Woodstock, mas sujo".

Mayer, por sua vez, estava excessivamente confiante em seu estilo.

"Você sabe, eu sou um homem influente", ele disse, muito sério. "Quando eu digo que gosto de algo, as pessoas me seguem".

Continue.

"Há um momento em que você quer retomar coisas de sua infância", ele disse. "Quando eu olho no espelho, eu digo, 'É assim que eu queria ser quando tinha 9 anos'".

Finalmente ele ri, e diz: "Isso é do livro do salão onde cortei meu cabelo".

- Eric Wilson

    Leia tudo sobre: the new york times

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG