Candidatos ainda lutam em primárias nos EUA

Os senadores Barack Obama e Hillary Rodham Clinton deram início a seu apelo final aos eleitores nesse domingo antes das primárias de Indiana e Carolina do Norte, com Clinton se assemelhando a uma populista em suas promessas sobre a gasolina e Obama aproveitando a questão para mostrar sua oponente como uma oportunista política.

The New York Times |

Os dois candidatos democratas fizeram uso de aparições em programas matinais de tevê, paradas estratégicas em todo o Estado de Indiana, conferências com repórteres ao telefone e diversas propagandas de rádio e tevê para eliminar as preocupações dos eleitores, especialmente em relação ao alto preço da gasolina, que se tornou uma questão definidora nessas primárias.

Ainda que se concentrando nas frustrações dos americanos em relação ao preço dos combustíveis, Clinton também reviveu sua acusação - levantada inicialmente na primária da Pensilvânia - que Obama é um elitista pouco preocupado com as dificuldades econômicas dos eleitores comuns. No programa "This Week" da rede ABC, ela qualificou a oposição a seu plano de suspender os impostos sobre os combustíveis durante o verão como uma visão "elitista"; ainda que estivesse se referindo diretamente às críticas dos economistas à suspensão dos impostos, os conselheiros de Clinton disseram que ela também incluiu Obama nesse grupo pois ele se opõe ao projeto.

Solicitada a fornecer o nome de um economista que concorde com seu projeto, Clinton disse "eu não vou me basear em economistas". Apesar de sempre falar de seu amor por dados concretos, Clinton acrescentou, "a opinião da elite sempre está do lado que prejudica a maioria dos americanos".

Obama e seu time reagiram no domingo, falando que a proposta de Clinton é um truque que pretende ajudá-la a se aproximar da liderança no voto popular e na corrida pela indicação dos super delegados.

Obama fez campanha no norte de Indiana, uma das regiões mais competitivas do Estado, enquanto tentou acabar com os problemas que sua demora em romper com o reverendo Jeremiah A. Wright Jr. depois que declarações deste sobre raça e os Estados Unidos vieram à tona.

No programa "Meet the Press" da NBC, Obama disse que enquanto é "justo" que os eleitores considerem o assunto, também é uma "distração" dos temas principais de sua campanha. Ele denunciou o pastor na terça-feira depois de comentários mais incendiários do pastor.

"O que mudou foi a percepção que ele iria piorar as declarações que deu anteriormente", disse Obama.

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG