Busca por sintomas médicos na internet causa ansiedade e erro de diagnóstico, diz estudo

Se a dor de cabeça que o perseguiu por toda a manhã fez com que você fizesse uma busca na internet e, depois, concluísse que tem um tumor no cérebro, na verdade você sofre de cibercondria.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Na segunda-feira, pesquisadores da Microsoft publicaram os resultados de um estudo sobre as buscas relacionadas à saúde feitas na ferramente Live da companhia, bem como uma pesquisa com seus funcionários.

O estudo sugere que a auto-diagnosticação apoiada em resultados de pesquisas online frequentemente leva os internautas a concluírem o pior sobre sua saúde.

Os pesquisadores disseram que realizaram o estudo como parte de uma tentativa de melhorar o sistema de forma que se torne mais um conselheiro do que uma ferramente de obtenção de informações às cegas.

Apesar do termo "cibercondria" ter surgido em 2000 para retratar a prática de se concluir o pior depois de pesquisar seus sintomas na internet, o estudo da Microsoft é o primeiro a analisar as ansiedades das pessoas durante as buscas relacionadas à saúde, disse Eric Horvitz.

Horvitz, pesquisador de inteligência artificial na Microsoft Research, disse que muitas pessoas tratam os sistemas de buscas como se fossem especialistas humanos.

"As pessoas tendem a olhar apenas os primeiros resultados", disse Horvitz. "Se encontrarem 'tumor no cérebro', partem daí para a conclusão".

Horvitz é cientista da computação com diploma em medicina, e seu companheiro de pesquisa, Ryen W. White, é especialista em tecnologia da obtenção de informação.

Eles descobriram que as pesquisas na internet por coisas como 'dor de cabeça' e 'dor no peito' geralmente resultam em páginas com informações sobre raras doenças graves e não as mais comuns.

Por exemplo, o mesmo número de páginas resultou da pesquisa por 'dor de cabeça' falando sobre tumores e abstinência de cafeína, apesar da chance de se ter um tumor ser infinitamente menor.

Os pesquisadores disseram que não têm intenção de que seu trabalho sinalize que as pessoas devem ignorar os sintomas. Mas sua análise das informações sobre as buscas indica que pesquisar um sintoma em particular geralmente leva à ansiedade.

Eles descobriram que cerca de 2% de todas as pesquisas online têm relação com a saúde, e cerca de 250,000 usuários, ou quase um quarto da amostra, fizeram pelo menos uma busca médica durante o estudo.

Por JOHN MARKOFF

Leia mais sobre saúde

    Leia tudo sobre: saúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG