Blog de dona de casa americana é proibido no Iêmen

BEIRUTE, Líbano - Jane Novak, uma dona de casa de 46 anos mãe de dois filhos, nunca esteve no Iêmen. Ela não fala árabe e admite que até pouco tempo não sabia nada sobre o país.

New York Times |

Ainda assim, Novak se tornou tão conhecida no Iêmen que os editores de jornais dizem que vendem mais se publicarem fotos dela - loira e sorrindo - na capa. Seu blog, um boletim de notícias sobre as questões do Iêmen, é proibido aqui. Os aliados do governo rotineiramente a rotulam de agente americana, monarquista xiita, membro da Al-Qaeda ou "Novak a sionista".

A pior de suas muitas ofensas é uma campanha em nome de um jornalista local, Abdul Karim al-Khaiwani, que entrou na lista negra do governo ao escrever sobre uma rebelião sangrenta no norte do país. Ele está sendo julgado por traição e pode ser condenado à pena de morte. O verdito final será anunciado na quarta-feira.

Novak trabalhando de um laptop na sala de sua casa no condado de Monmouth "enquanto as crianças estão na escola", deu início a uma petição online para libertar Al-Khaiwani. Ela alistou políticos, jornalistas, ativistas de direitos humanos e outros em todo o mundo. Seu blog vai muito além do caso de Al-Khaiwani e se tornou uma meio de expressão para jornalistas da oposição e figuras políticas, que lhe fornecem informações sobre intrigas políticas no Iêmen por email ou mensagens de texto pelo celular.

Novak não é a típica defensora de causas exóticas. Ex-gerente de vendas de uma companhia têxtil, ela fala com um sotaque perceptivelmente do Brooklyn, de quem cresceu numa família de classe média em Flatbush.

Ela também não tem nenhum estudo relacionado ao Oriente Médio. Mas depois dos ataques terroristas de 11 de setembro, Novak, que trabalhava perto do World Trade Center, se interessou pelo mundo árabe. "Eu pensei que seria uma boa idéia escrever na mídia árabe em inglês sobre assuntos que todos nós temos em comum, liberdade de imprensa, igualdade, coisas assim", ela disse.

Em 2004, ela começou seu blog, www.armiesofliberation.com, adornado com as insígnias americanas, e logo escreveu um artigo defendendo Al-Khaiwani, que estava na cadeia.

Ele lhe escreveu uma carta agradecendo pela ajuda.

Desde então, ela escreveu inúmeros artigos defendendo o jornalista e a imprensa no Iêmen.

Ela estima que mais de 2.000 pessoas a contataram do país desde que começou a escrever. Ela recebe dezenas de cartas todos os meses. Algumas trazem poucas palavras - "Obrigada Novak não pare" - e outras são narrativas de dor e raiva.

Ao falar sobre pessoas como Al-Khaiwani, que lutam contra a pobreza, injustiça e corrupção, ela diz ter encontrado uma nova vocação.

    Leia tudo sobre: internet

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG