Autopromoção é primeira função de um recém-formado

Para os empregadores dos Estados Unidos, as profissões mais desejadas são contabilidade, engenharia, informática e matemática

The New York Times |

Nesta primavera, os formandos entrarão em um mercado de trabalho melhor do que a classe de 2009. Infelizmente, isso não quer dizer muito, uma vez que 2009 foi um dos piores anos na história da contratação de novos talentos. Ainda assim, a contratação de formandos este ano está 5% maior do que no ano anterior, de acordo com a Associação Nacional das Faculdades e Empregadores.

Para os empregadores as profissões mais desejadas são contabilidade, engenharia, informática e matemática, de acordo com Edwin Koc, diretor de pesquisa da associação. As empresas também procuram evidências de habilidades em comunicação e escrita, bem como de trabalho em equipe e capacidade analítica, segundo Koc.

"Mas seja quais forem seus pontos fortes e fracos, você precisará dar o seu melhor para competir no mercado de trabalho", diz Katharine Brooks, diretora do setor de carreiras da Universidade do Texas, em Austin.

Brooks tem visto sinais de recuperação no mercado de trabalho. O Facebook, por exemplo, abriu um escritório em Austin com muitas posições que seriam adequadas para recém-formados. Mas, em geral, "vemos apenas um vislumbre de esperança em uma imagem sombria", afirma a diretora.

"Isso significa que você não pode ser casual a respeito de sua busca por emprego. Seu currículo, carta de apresentação e habilidade de fazer boas entrevistas precisam estar afiados. Acima de tudo, você precisa de ser capaz de mostrar o valor do seu diploma."

No atual mercado de trabalho, os recém-formados têm de ser flexíveis sobre sua localização geográfica, segundo Bennett. E devem estar dispostos a considerar companhias menores ao invés de grandes nomes. "Fazer uso do centro de colocação da universidade e da rede de ex-alunos também ajuda", disse. Mas o "truque é não mirar alto demais".

Ela utiliza a metáfora da teoria do caos para explicar o processo de procura de emprego. "É um mundo complexo e você não pode prever tudo, portanto não tente fazer isso. Quando você está apenas começando no mercado de trabalho, procure por oportunidades de aprendizagem, se arrisque, tente descobrir do que você gosta e sempre esteja aberto a oportunidades."

Se você não gostar do seu primeiro emprego, pelo menos descobriu do que não gosta e pode fazer uma busca melhor para o próximo emprego, diz ela.

Os recém-formados podem sofrer de uma certa paralisia caso não saibam que direção querem tomar. As pessoas têm tempo para arriscar quando estão com 20 e poucos anos. "Afinal, sua vida profissional irá durar pelo menos o dobro de sua idade atual."

Alguns recém-formados com pouca ou nenhuma experiência de trabalho podem questionar o que têm a oferecer quando concorrem com candidatos com mais experiência. Mas recém-formados são menos onerosos do que trabalhadores mais experientes e isso pode ser uma vantagem (para o empregador, ainda que não para a carteira do empregado) em uma economia mais difícil.

Mas as companhias geralmente contratam recém-formados como um investimento, afirma Dan Black, diretor do campus de recrutamento da Ernst & Young.

"Por um motivo, pessoas mais jovens tendem a ter um maior domínio de tecnologia de ponta", diz Blask. Além disso, esta geração de estudantes foi exposta a uma diversidade cultural maior e está usando a internet e outras tecnologias para se conectar mundialmente, segundo o diretor.

Acrescente a isso a energia e entusiasmo que os recém-formados tendem a possuir e seu valor é claro. Como Brooks explica: "Eles não têm a experiência mas têm o potencial".

    Leia tudo sobre: recém-formadostrabalhoestágio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG