Austrália vive tempos difíceis entre seca e enchentes

Choque climático, de ciclos de seca seguidos por chuvas torrenciais, afeta setor agrícola do país

The New York Times |

Os restos da ponte Kapernick são tão reveladores quanto qualquer outro sinal de que a seca de uma década no Vale Lockyer chegou ao fim. Perto dali, na horta de Steve Kluck, a enchente que destruiu cidades e matou mais de duas dezenas de pessoas no nordeste do Estado australiano de Queensland deixou um sulco profundo na terra, cobrindo cerca de dois hectares.

A água agora é abundante, mas o solo, infelizmente, desapareceu.

Agricultores como Kluck estão entre os mais atingidos na crise trazida pela inundação contínua que afetou cinco Estados e deve custar bilhões de dólares. No Estado mais atingido, Queensland, as inundações em regiões com uma área de terra de extensão de mais que o dobro da Califórnia já mataram ao menos 28 pessoas.

Mesmo conforme as vítimas em Queensland limpavam a região depois das enchentes do fim de semana, novas inundações atingiam outras áreas do Estado de Vitoria. Casas foram inundadas e mais de 3,5 mil pessoas foram forçadas a evacuar a região.

The New York Times
Seca castiga terra de Derek Schultz, em Grantham, na Austrália
Destino

Atingidos por um ciclo de seca seguido de chuvas torrenciais, os agricultores estão enfrentando um destino que ressalta os caprichos do clima extremo da Austrália. Ao mesmo tempo, a sua situação aumenta o contínuo debate sobre o futuro da agricultura intensiva em um continente mais seco do que todos os outros, com exceção da Antártida.

"Isso vai nos prejudicar financeiramente", disse Derek Schulz, que é dono de terras perto da cidade de Grantham e que foram, em grande parte, destruídas na enchente.

O setor agrícola australiano é um negócio de gastos elevados e margens estreitas, e Schulz disse esperar que muitos em Grantham desistam da prática. Os seguros não cobrem muitas das perdas e o apoio do governo, incluindo subsídios a desastres de até US$ 25 mil e empréstimos a juros baixos de até US$ 250 mil, é uma fração do que será necessário para cobrir os prejuízos e recomeçar. Mas Schulz disse que provavelmente vai assumir uma dívida nova e voltar para a terra.

Enquanto alguns agricultores podem abandonar a terra por causa das enchentes, a maior ameaça a longo prazo ainda é provável que seja a falta de água, disse Chris Cocklin, cientista da Universidade James Cook, em Queensland.

Antes do início das fortes chuvas no final do ano passado, a seca persistiu por mais de uma década em toda a Bacia Murray-Darling, um amplo sistema de irrigação fluvial no leste da Austrália, a mais importante área agrícola do país.

Em muitas áreas, seriam necessários anos de chuva para que os leitos subterrâneos atinjam níveis saudáveis, disse Cocklin.

*Por Belford Aubrey

    Leia tudo sobre: austráliachuvasenchentesmortessecas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG