Ator norte-americano encara a arte de morrer em cena

Guarde esta dica: É mais fácil morrer de olhos abertos. De olhos fechados é muito mais complicado. Não há nada pior do que sentar ali prendendo a respiração sem mexer as pálpebras, disse Mike Doyle, com um sorriso leve e uma faca enfiada em seu peito no set de gravação de Law & Order: Special Victims Unit no mês passado.

The New York Times |

Era 07 de maio, um dia no qual Doyle passou a maior parte do tempo fingindo de morto para a gravação do episódio final da temporada. Doyle interpretou Ryan O'Halloran, um especialista em ciência forense que apareceu pela primeira vez no programa em 2003. Mais de 50 participações depois, revelando pouco sobre si mesmo além da ocasional impaciência com seus colegas e o desejo de resolver crimes, O'Halloran foi vítima de um colega de trabalho, Dale Stuckey, que enlouqueceu e saiu por aí matando pessoas.

NYT

Mike Doyle "morre" mais uma vez em cena da série "Law & Order: Special Victims Unit"

Morrer em cena não é novidade para Doyle. Aos 36 anos, ele foi morto em tantos filmes para televisão e programas em série que se houvesse uma estatueta dourada em sua sala ela estaria deitada com um traço de giz branco a seu redor.

"Esta será a sétima vez", ele disse. "Eu fui alvejado com um rifle, uma metralhadora. Já estive em uma explosão de barco. Fui queimando em um incêndio em submarino. Fui estrangulado e, hoje, esfaqueado".

Ele parou, contando nos dedos. "Ah, também já fui eletrocutado em uma cerca, depois de ser estuprado por uma gangue". Depois de refletir melhor, ele lembrou que não foi alvejado por uma metralhadora, mas sim disparava uma. Além disso, esta cena em particular e a explosão de barco aconteceram ao mesmo personagem, em "Smith", programa da rede CBS cancelado no qual estrelava Ray Liotta. Para registrar, a personagem de Doyle tomou um tiro e depois explodiu. Mas o número total permanece em sete, conforme Doyle também contabilizou uma silenciosa morte longe das lentes no filme "Bella Mafia."

"Eles não mostraram como eu morri", ele disse. "É um mistério. James Marsden me encontra em um posto de gasolina no meio de uma estrada e, na próxima cena, ele está vestindo minhas roupas".

Doyle, é claro, sobreviveu em vários papéis, mais recentemente no drama da rede HBO "In Treatment", no qual fez uma breve participação como Bennett Ryan, o chefe e amante da personagem de Mia, interpretada por Hope Davis. Mais tarde na temporada ela descreve em detalhes gráficos seus fracassos entre quatro paredes, mas não o mata. Ele também teve pequenos papéis nos filmes "Rules of Attraction" e "P.S. I Love You", e é coadjuvante em "Rabbit Hole", que estreará em breve.

NYT

Coletânea das "mortes" de Mike
Doyle na televisão e no cinema

Depois de um pequeno papel no "ABC Afterschool Specials", seu primeiro grande trabalho como ator também incluiu sua primeira morte em cena. "Era um filme chamado 'Loss of Innocence'", um drama de 1996 que se passa nos anos 1920 em Utah sobre a comunidade Mórmon. A personagem de Doyle vai caçar com seu irmão, que está tendo um caso com sua mulher. Acontece um "acidente" e, de repente, temos um irmão a menos.

Em 1997 Doyle participou de "Bella Mafia". Em 2002 apareceu em quatro episódios do drama "Oz" da HBO, que foram sombrios até mesmo para padrão do programa. Ele interpretou Adam Guenzel, um menino rico condenado por estupro que é transformado em escravo sexual atrás das grades. Foi nesta série que conheceu Christopher Meloni, que também interpretou um prisioneiro e seguiu para o "Special Victims Unit."

"Eu olhei aquele rosto", relembra Meloni em seu camarim, "e disse 'adeus'. Meninos bonitos não duram muito em 'Oz'". A personagem foi estuprada e morta durante uma tentativa de fuga sobre uma cerca eletrocutada - de olhos abertos. "Foi tão legal", disse Doyle. "A maquiagem era sensacional".

Na sequência, ele foi estrangulado em uma cena de flashback em um filme de terror chamado "Sibling: Marcus Miller, the Orphan Killer". Nós aceitamos sua palavra neste, pois o filme não foi lançado.

O papel de O'Halloran em "Law & Order: Special Victims Unit" foi o trabalho mais duradouro de Doyle. Apenas algumas semanas antes da filmagem, ele ficou sabendo que sua personagem iria morrer pelo produtor Neal Baer. Meloni, seu colega de "Oz", tentou ver o lado positivo: "Ele disse: 'Pelo menos você não será estuprado por uma gangue'", disse Doyle.

A gravação da morte foi bastante elaborada. Amarrado ao peito de Doyle estava uma placa de metal com um marcador que segurava a lâmina retrátil de uma faca de mentira. Ele entrou no set em um galpão em North Bergen, N.J., no dia 07 de maio e alguém gritou: "Homem morto a caminho!"

Ele deitou em sua marca no chão do laboratório de análises e cerca de 18 pessoas o prepararam, derrubando sangue falso e arrumando o ângulo da faca. "Mike, coloque sua perna esquerda para lá", disse George Pattison, operador de câmera. "Aposte no conforto. Você sabe".

Entre cenas, seus colegas compartilhavam suas próprias mortes em outros programas. O ator Noel Fisher, que interpreta Stuckey, o assassino, relembrou seu suicídio em "Huff", no qual atira com um revólver dentro da boca e sangue falso e queijo cottage explodiram da parte de trás de sua cabeça. Meloni foi enforcado em um filme e se jogou da janela em "Oz."

Mas há uma pessoa que não se acostuma a ver Doyle morrer em cena, não importa quantas vezes aconteça: sua mãe, que pega o telefone na Califórnia todas as vezes.

"Ela me liga e diz: 'Eu sei que não é real, mas queria garantir que você está bem'", ele disse. "Não são todas as mães que têm que ver o filho morrer tantas vezes".

Leia mais sobre: televisão

    Leia tudo sobre: televisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG