As boas notícias de Illinois

Esses são tempos de problemas, quando as pessoas sentem saudades da diversão. Gostamos de histórias sobre uma simples crise na qual alguém faz alguma coisa incrivelmente estúpida que não irá custar o emprego de 100 mil pessoas. As estrelas novatas de Hollywood e os cantores pop permanecem quietos e não estão oferecendo auxílio.

The New York Times |




Então, de repente, aparece Rod Blagojevich, oferecendo ofertas pela cadeira de Barack Obama no Senado, com toda a sutileza de um leiloeiro de tabaco.

Este é o bilhete de sorte! Agora, se pelo menos conseguíssemos por a culpa na economia...

Sintam-se livres para se afundar no prazer em ver o sofrimento dos outros à custa do governador de Illinois. Claro, os últimos dois meses têm sido difíceis. Mas ao menos você não teve que passar seu aniversário ouvindo o debate do país sobre se você foi eleito o político mais corrupto da história recente ou simplesmente um sem noção.

Algumas pessoas devem imaginar por que Blagojevich escolheu dizer coisas no telefone que poderiam potencialmente incriminá-lo como Eu quero ganhar dinheiro em uma época em que ele sabia ser o assunto de muitas investigações federais. Talvez seus problemas legais tenham lhe mandado de volta para seu pequeno mundinho.

Ali estava ele, sentado pela casa em seu terno esportivo azul, imerso em desilusões de grandeza nas quais a cadeira vazia do Senado se tornava uma chave mágica para um cargo no Gabinete Nacional, um trabalho de muito dinheiro, na presidência de 2016.

Deus sabe que estamos todos tentados a nos retirar para nossa terra de fantasias quando as coisas ficam ruins. Realmente, a única coisa que está nos salvando de sucumbir foi essa lacuna na venda de uma cadeira do Senado.

Aqueles que não vivem em Illinois nunca tinham pensado muito sobre Rod Blagojevich até esta semana. Nunca imaginamos como uma pessoa com 13% de aprovação conseguiu se eleger de primeira, embora agora eu pessoalmente penso na teoria de ter sido o cabelo dele.

Blagojevich jogou sua grossa e morena juba e os eleitores disseram uns aos outros: Sim, ele parece um pouco burro. Mas na verdade, esse é o cabelo de um reformador.

Illinois não é o único lugar que está passando pelo tumulto da cadeira vazia no Senado. Em Nova York, a partida de Hillary Clinton para o Gabinete iniciou uma bagunça inadequada, daquele tipo que você costuma ver apenas quando alguém deixa cair um pedaço de hambúrguer no meio de uma convenção de pitbulls.

Ainda assim, pelo que sabemos, ninguém realmente tentou vender nada mais do que vantagens políticas, a esperança de uma campanha futura ou a gratidão de alguém ou de um grupo de interesses especiais. Você sabe, é o de sempre. Em benefício do meu Estado, eu gostaria de agradecer ao governador de Illinois por nos fazer nos sentirmos como se isso fosse uma boa coisa.

A venda da cadeira no Senado na verdade não é a pior coisa da qual Blagojevich está sendo acusado. Há, apesar de tudo, mais 100 senadores, e nós sabemos por muitos séculos de experiência que o país pode sobreviver muito bem mesmo se uma minoria de tamanho considerável são ladrões de bancos sem cérebros.

O que pior é que ele já conseguiu certo nível de confiança dos eleitores de Illinois com seu cinismo. Ele se candidatou para governador como um antídoto para uma cultura que mandava um executivo-chefe de Illinois para a prissão a cada 10 anos. (Nosso Estado está sendo levado pela correnteza. A corrupção tomou o lugar da liderança, disse Rod e seu cabelo no começo dos comerciais de sua campanha).

Agora olhe para ele. É o tipo de experiência que deixa o público imaginando se há alguma maneira de conseguir uma mudança evitando esses políticos que pregam a reforma.

Em Nova York, claro, elegemos um governador reformador há dois anos, e ele foi levado de seu gabinete pelo desagradável serviço de escolta do Emperor´s Club VIP (agência criminal internacional). Agora, no pós-Rod, tudo isso parece insignificante ¿ especialmente desde que, pelo que sabemos, Eliot Spitzer nem usou seu próprio dinheiro.

Isso é outra coisa que devemos colocar contra Blagojevich. Ele definitivamente conduziu a barreira do comportamento político aceitável a um nível abaixo do mar.

Olhe para Delaware, onde a eleição deixou outra cadeira do Senado vaga e a governadora Ruth Ann Minner rapidamente anunciou que iria apontar Edward Kaufman, apoiador de longa data de Joe Biden, para o cargo. Dado o fato de que Biden quer que sua cadeira vá algum dia para seu filho, Beau, que atualmente está servindo no Iraque com a Guarda do Exército Nacional, alguns observadores acharam um tanto conveniente que Minner tenha escolhido uma pessoa de quem nunca ninguém ouviu falar e que é totalmente leal à família Biden e que já prometeu não concorrer na próxima eleição.

Mas agora Delaware está parecendo o padrão de ouro. Foi apenas uma conveniência política! A Legislação do Estado não irá convocar uma eleição emergencial caso o governador não tenha tempo de trocar a cadeira com outra pessoa. E todo mundo em Washington sabe que de qualquer maneira o apoio político faz todo o verdadeiro trabalho então ninguém nem irá perceber que Biden saiu. Bom trabalho, governadora Minner!

Uma coisa é clara. Não podemos mais ter cadeiras livres no Senado soltas por aí, criando tentações. Na próxima vez que tivermos uma eleição presidencial, vamos tentar limitar os candidatos para governador, os generais aposentados e as estrelas de cinema falidas. Será muito mais seguro.

Por GAIL COLLINS

Leia mais sobre corrupção

    Leia tudo sobre: corrupção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG