Após prévias, opções para Hillary são cada vez mais limitadas

Neste caso, a divisão de vitórias não foi um mero empate. Apesar da vitória apertada em Indiana e uma derrota na Carolina do Norte, a senadora Hillary Clinton não necessariamente aumentou suas chances para a indicação partidária democrata. Na realidade, as esperanças da ex-primeira dama de alcançar o rival Barack Obama sofreram um golpe da noite da última terça-feira.

The New York Times |



Para Obama, a vitória veio em um momento estratégico, após um longo período de defensiva do senador em relação aos comentários do pastor religioso de sua campanha. O bom desempenho provou que o candidato se mostrou firme quanto a questões sobre raça, patriotismo e entusiasmo político ¿ pontos abordados por Hillary como evidencias de que Obama seria um candidato vulnerável nas eleições gerais.

Derrotar Obama em Indiana, Estado ele que já estivera confiante na vitória, foi um grande acontecimento para a campanha de Hillary. Contudo, dificilmente os resultados recentes se comparam às vitórias de Ohio e Pensilvânia. E com a vitória folgada de Obama no Estado da Carolina do Norte ¿ que o candidato descreveu em seu discurso como um grande estado, um estado de peso ¿ a situação da senadora é também delicada na tentativa de convencer os chamados superdelegados a apostarem na força de sua candidatura.

Seu desempenho nos dois Estados não permitiu que Hillary reduzisse a liderança de Obama em número de delegados ou ainda sua vantagem em votos populares. Na verdade, Obama pode ter aumentado ainda mais sua vantagem de delegados sobre Hillary, uma repercussão política e matemática.

O resultado foi apertado e passou longe da vitória com uma ampla margem, que tornaria mais fácil para Hillary convencer a todos sobre a importância de permanecer na disputa, levantar fundos e ainda alavancar sua campanha na Virgínia Ocidental, que vai às urnas na próxima terça-feira.

Nas últimas semanas, Hillary Clinton, a fim de ar um novo foco para a crise econômica norte-americana, parecia buscar novas energias e adotar um discurso mais populista. Ela defendeu a proposta de suspender os impostos federais cobrados sobre a gasolina, uma idéia que Obama contesta.

Na medida em que a rival batalhava em outro local, Obama tentava explicar suas relações com seu ex-pastor religioso, o reverendo Jeremiah A. Wright Jr, e ainda rebater sua possível fragilidade em conquistar eleitores da classe trabalhadora. Pesquisas ainda sugeriram que os democratas levantavam dúvidas quando à força de sua candidatura.

Em resumo, Hillary não teve uma segunda chance melhor do que esta para dar um novo fôlego a sua campanha e chamar as atenções dos superdelegados: principalmente para seu argumento de que Obama seria um candidato fraco nas eleições gerais de novembro, que poderia ser facilmente engolido pelo Partido Republicano.

-Adam Nagourney

Leia mais sobre: eleições nos EUA


    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG