Americanos e afegãos analisam possibilidade de fim de combates

Autoridades dos EUA declararam que falarão com talebans, enquanto governo de Karzai convidou insurgentes à mesa de negociações

The New York Times |

Enquanto as tropas americanas pressionam o Taleban em seus redutos pelo deserto e pelas montanhas, diplomatas ocidentais, líderes do Taleban e do governo afegão começaram a analisar seriamente o que será necessário para dar início a uma negociação para pôr fim aos combates.

The New York Times
Militares americanos em operação em Kunduz, no Afeganistão
"O ambiente está mudando", disse um diplomata ocidental que ecoou uma série de outros entrevistados. "Se o Taleban decidir que está interessado, as coisas podem mudar muito rapidamente".

Publicamente o Taleban sempre afirmou que não irá negociar antes que as tropas estrangeiras deixem o país. Agora, no entanto, alguns líderes do grupo têm sinalizado que estariam abertos a negociações mais cedo caso sua segurança possa ser garantida e seus combatentes rasos pareçam cada vez mais ansiosos para ver o fim da guerra.

De sua parte, as autoridades dos Estados Unidos também declararam que não vão falar com os líderes do Taleban e outros insurgentes com os quais consideram ter diferenças "irreconciliáveis". Mas, recentemente, têm começado a reduzir os obstáculos para tais negociações.

Em fevereiro, a secretária de Estado Hillary Rodham Clinton, em um discurso na Asia Society, em Nova York, pareceu reformular antigas condições para as negociações: de que os insurgentes deponham as armas, aceitem a Constituição do Afeganistão e se separem da Al-Qaeda. Ela passou a descrever esses objetivo como "resultados necessários".

Paradigma

O fato de os americanos estarem sinalizando que estão abertos a negociações "é uma mudança de paradigma", disse Rangin Dadfar Spanta, conselheiro de segurança nacional do presidente Hamid Karzai.

O governo afegão insiste que as condições prévias para negociações continuam as mesmas, mas que apoia os esforços diplomáticos que possam levar a negociações e parece disposto a oferecer anistia segurança aos líderes do Taleban para que estes possam participar nas negociações sem impedimentos.

O Alto Conselho da Paz, que foi indicado por Karzai, recentemente escreveu cartas ao Quetta Shura e ao Peshawar Shura, duas das organizações líderes do Taleban, convidando-os à mesa de negociações. Hajji Deen Mohammed, um membro do conselho, disse que os shuras do Taleban responderam com dúvidas sobre o conselho ter verdadeira autonomia e poder garantir a segurança dos líderes insurgentes.

"Estamos trabalhando nesse processo para encontrar um local seguro para os Talebans, com proteções e garantias para que negociem com os americanos e o mundo", disse Arsala Rahmani, ex-ministro do ensino superior no regime Taleban e agora membro do Alto Conselho da Paz.

*Por Alissa J. Rubin

    Leia tudo sobre: afeganistãoeuaguerracombatetaleban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG