Americano cria casas com material recolhido do lixo

Entre o tijolo tradicional e as estruturas de madeira que ornamentam as ruas desta tranquila cidade do Texas, 70 milhas ao norte de Houston, algumas casas se sobressaem: seus telhados são feito de placas de carros e suas janelas de travessas de cristal.

The New York Times |

NYT

Telhado de casa feita por Dan Phillips com materiais tirados do lixo

Elas são as criações de Dan Phillips, 64, que teve uma vida incrivelmente variada, trabalhando como um oficial de inteligência no Exército, instrutor de dança em uma faculdade, negociante de antiguidades e criptógrafo de uma fabricante de quebra-cabeças.

Há cerca de 12 anos, Phillips começou sua última carreira: a criação de alojamentos de baixa renda construídos com materiais resgatados do lixo.

Em 1997, Phillips hipotecou sua casa para começar sua companhia de construção, a Phoenix Commotion. "Observe crianças brincando com jogos de blocos", ele disse. "Eu acho que está no DNA de todo mundo ser um construtor".

Além disso, ele disse ter ficou transtornado com ironia dos aterros de lixo estarem cheios de materiais próprios para a construção e a falta de alojamentos baratos.

Para ele, quase qualquer coisa descartada e durável pode servir como material de construção. Em uma das casas, ele mostra um teto colorido que fez com milhares de cantos de molduras. Phillips disse: "Uma loja de molduras ia se livrar de amostras velhas e eu estava lá à espera".

Até agora, ele construiu 14 casas em sua cidade natal de Huntsville, em lotes comprados ou recebidos como doação.

Carpinteiro, eletricista e encanador autodidata, Phillips disse que 80% dos materiais que usa são reutilizados de outras consruções, retirados do lixo ou apanhados na beira das estradas.

NYT

Interior de casa feita por materiais reutilizados

"Não se pode desafiar as leis da física ou os códigos de construção", ele disse, "mas fora isso, as possibilidades são infinitas".

Ainda que as casas tenham sido planejadas para indivíduos de baixa renda, alguns compradores originais não puderam ficar com elas.

Para a decepção de Phillips, metade das casas que construiu foi perdida para a desapropriação - os pagamentos variavam entre US$ 99 e US$ 300 por mês.

Algumas dessas pessoas simplesmente desapareceram, deixando as propriedades sujas e dilapidadas. "Você pode pôr alguém em uma casa nova, mas você não pode lhes dar uma mente nova", disse Phillips.

Embora as casas tenham sido revendidas rapidamente para compradores mais afluentes, Phillips permanece fervorosamente comprometido a sua visão de construir para pessoas de baixa renda.

"Eu acho que casas móveis são uma praga neste planeta", ele disse. "Alojamento atraentes e disponíveis são possíveis e eu estou aqui para provar isto".

Livrado por necessidade do que ele chama da tirania do dois-por-quatro e quatro-por-oito, tamanhos comuns de pregos e folhas de madeira compensada, respectivamente, Phillips faz uso dos cortes descartados por outros construtores e os prega lado a lado em grades robustas e visualmente interessantes.

Ele também utiliza tijolos diferentes, fragmentos de azulejos, espelhos quebrados, fundos de garrafas, rolhas, DVDs velhos e até mesmo ossos de gado das fazendas da região.

Não importa se eu tenho um conjunto completo de algo porque a repetição cria padrões. A repetição cria padrões", disse Phillips.

Leia mais sobre construção

    Leia tudo sobre: construção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG