Alvo de piadas, rio Los Angeles tenta se tornar local de lazer

Mais famoso por aparições em filmes que por sua pouca quantidade de água, rio é aberto para alguns barcos

The New York Times |

Enquanto estava na margem, o pequeno e ansioso grupo fazia as esperadas piadas sobre o rio Los Angeles, mais conhecido por seus canais de concreto que cortam a cidade.

Eles poderiam ser perdoados por seu humor negro. Afinal, o rio não era navegado havia mais de sete décadas. Para muitas pessoas, o rio é mais conhecido por sua participação em filmes de Hollywood, incluindo uma famosa cena de perseguição em "O Exterminador do Futuro 2".

NYT
Grupo passeia de barco pelo rio Los Angeles, na cidade californiana (21/08)

Porém, em poucos minutos, as dez pessoas reunidas no Parque Balboa, a cerca de 40 quilômetros do centro da cidade, entraram nas águas do rio com caiaques e canoas, como parte de um projeto piloto que busca permitir os esportes de remo na hidrovia.

Durante décadas, defensores do rio combateram os políticos que sugeriram sua pavimentação para a criação de uma nova pista na estrada. Para eles, o passeio inaugural foi o melhor sinal de que a revitalização está mais próxima – pelo menos nas áreas ainda margeadas por árvores.

Alguns anos atrás, o Corpo de Engenheiros do Exército decretou que o rio não era nem sequer um rio, com partes dele secas demais para serem consideradas um curso de água. Mas no ano passado eles reverteram a decisão e disseram que o rio de 80 quilômetros pode ser navegado, embora partes dele possam secar demais às vezes.

Neste verão, o corpo concedeu uma licença limitada que permite que um número definido de remadores percorra um trecho de 2,5 quilômetros por oito fins de semana.

Assim, numa manhã de domingo recente, George Wolfe, fundador da Expeditions Los Angeles River e líder das viagens, reuniu o grupo para uma lição de segurança breve. "Se você cair na água, não entre em pânico", disse Wolfe. "A primeira coisa que você deve fazer é ficar de pé. Possivelmente a profundidade é de apenas alguns centímetros. E não se preocupe – esta água não é segura para beber, mas é segura para o contato."

Momentos depois, o grupo seguia pelo rio por baixo de um viaduto. A água estava turva com poeira, mas os líderes incentivaram os remadores a aproveitar o silêncio e a natureza.

Quando o grupo viu uma garça azul grande, fez-se um silêncio reverente. O remo parou enquanto observavam o pássaro deslizar pelas plantas.

"Eles não estragaram essa parte", disse um participante em voz alta.

O sentimento era exatamente o que Wolfe e outros defensores do rio queriam ouvir.

Por Jennifer Medina

    Leia tudo sobre: los angelescalifórniarioeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG