Al-Jazeera encontra sua audiência em inglês

Apesar de empresas de TV a cabo e satélite recusarem transmissão nos EUA, canal ganhou telespectadores com cobertura no Egito

The New York Times |

Oficiais da Casa Branca sintonizaram na Al-Jazeera em inglês, entre outros canais de televisão, para acompanhar os protestos no Egito. Mas a maioria dos americanos não tem a mesma capacidade de sintonizar a emissora, que é baseada no Catar, porque as empresas de TV a cabo e por satélite nos Estados Unidos recusaram seus pedidos de transmissão.

Mas com a cobertura realizada pela emissora recebendo diversos elogios, no entanto, os executivos da Al-Jazeera afirmaram na segunda-feira que pretendem renovar seu lobby para conseguir chegar aos lares americanos.

The New York Times
Egípcio assiste a protestos contra o presidente Hosni Mubarak, no centro do Cairo (1/2/2011)
"Eu sinceramente espero que agora seja o momento da virada", disse Al Anstey, diretor da Al-Jazeera em inglês, de Doha, no Catar.

O canal ganhou alguns telespectadores americanos nos últimos dias por causa de sua transmissão ao vivo na internet, que tem atraído mais de 1,6 milhões de visitas nos Estados Unidos.

As grandes empresas de TV a cabo e por satélite, como a Comcast e a DirecTV, ainda não confirmam se estão dispostas a transmitir a Al-Jazeera em inglês. Algumas das empresas afirmaram em declarações que tem de equilibrar os pedidos de muitos canais que buscam espaço em uma rede já saturada.

A Al-Jazeera em inglês, no entanto, é indiscutivelmente única. Nos últimos dias, o canal, um desdobramento da Al-Jazeera em língua árabe, ganhou a atenção por sua cobertura de perto e contínua dos protestos no Cairo, em Alexandria, Suez e outras cidades no Egito. Enquanto as redes de televisão americanas estavam se esforçando para levar repórteres e produtores ao Cairo, os canais da Al-Jazeera já estavam lá.

As outras emissoras já perceberam isso. Na mesa redonda do programa This Week, no domingo, Sam Donaldson olhou para um repórter da Al-Jazeera e disse: "Obrigado pelo que vocês estão fazendo”.

Histórico

A Al-Jazeera abriu seu canal em Inglês em 2006. Ele está disponível aos espectadores de todo o mundo, disse Anstey. Dentro dos Estados Unidos, no entanto, há acesso total em apenas algumas cidades: Washington, Burlington e Toledo.

Anstey disse acreditar que o canal sofreu com "alguns equívocos sobre o que a Al-Jazeera representa”. Durante a guerra do Iraque, o canal de língua árabe foi criticado por autoridades do governo Bush, e na sexta-feira o comentarista conservador da Fox News BillO'Reilly chamou a Al-Jazeera de "anti-América".

Mas esta visão tem sido amplamente abafada por pessoas como Donaldson, que elogiaram a Al-Jazeera em Inglês por sua cobertura dos protestos. O tráfego para o site em inglês aumentou 2.500% desde sexta-feira, disse Anstey.

Mohamed Nanabhay, chefe da presença online do canal em inglês, disse que transmissão ao vivo do site foi vista mais de 4 milhões de vezes desde sexta-feira e que 1,6 milhões dessas visualizações vieram dos Estados Unidos.

Facilitando o acesso à rede Al-Jazeera em Inglês, na segunda-feira o YouTube começou a transmitir o canal ao vivo.

Algumas das empresas de cabo apontaram para transmissões online como prova de que a feita pela rede de TV a cabo não é imperativa. Mas os defensores americanos do canal dizem que ao se recusar em aceitar a Al-Jazeera em Inglês, as empresas de TV a cabo e por satélite estão efetivamente restringindo as visões do mundo dos americanos.

*Por Brian Stelter

    Leia tudo sobre: egitohosni mubarakdia da iramanifestações

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG