Aliados de criminosos de guerra atrapalham buscas na Sérvia

Condição para a Sérvia fazer parte da União Europeia, detenção de Ratko Mladic tem sido dificultada por seguidores que o escondem

The New York Times |

The New York Times
Ratko Mladic é acusado de crimes de guerra na Bósnia
Ele passou 15 anos em fuga, muitas vezes à vista de todos em partidas de futebol e casamentos, outras vezes oculto na sigilosa capital Belgrado.

Agora, o principal suspeito de crimes de guerra na Europa, Ratko Mladic, está sendo escondido por alguns fiéis seguidores, provavelmente em um bairro da era comunista, de acordo com investigadores e alguns de seus companheiros do passado.

E as condições de saúde frágeis do ex-general bósnio-sérvio, que já foi protegido por dezenas de aliados e oficiais do governo local, devem facilitar sua captura em breve, dizem.

Justiça

Mas um abrandamento por parte de vários países europeus sobre sua prisão ser um pré-requisito para a admissão da Sérvia na União Europeia está gerando dúvidas sobre ele ter de enfrentar a justiça.

Esses acontecimentos fazem deste um momento crucial não apenas na busca de Mladic, mas também nas deliberações muitas vezes angustiadas da Europa a respeito do quanto incentivar sua caça em face de prioridades profundamente contraditórias.

Até agora, as esperanças da Sérvia de ingressar na União Europeia têm sido frustradas por uma insistência de que Mladic seja entregue para julgamento em Haia.

Mas o tempo desempenhou seu papel. A vivacidade dos horrores da guerra retrocedeu fora dos Balcãs. Mladic envelheceu e, de acordo com várias fontes, está doente e isolado.

Pró-Ocidente

O governo de dois anos do presidente Boris Tadic tem sido abertamente pró-ocidental e prometeu prender Mladic. Mas ele tem, todavia, evitado a prisão, mesmo depois que um companheiro fugitivo, o ex-homem forte da Bósnia Radovan Karadzic, foi detido.

Há fortes indícios de que quando chanceleres europeus se reunirem, eles poderão abandonar a exigência de prisão imediata, permitindo que a Sérvia inicie um processo de admissão no bloco que alguns consideram crucial para a estabilidade nos Balcãs.

The New York Times
Parentes de vítima do massacre de Srebrenica, em cemitério na Bósnia
Mas alguns altos oficiais europeus e grupos de direitos humanos acreditam que um acordo sobre Mladic prejudicaria o direito internacional e constituiria uma falha moral. "Sua prisão deve ser a prioridade número 1", disse Serge Brammertz, procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia.

As autoridades dizem que, independentemente da forma como a União Europeia lidar com a tentativa da Sérvia de entrar para o bloco, elas vão pressionar para uma prisão. "A Sérvia vai concluir suas obrigações internacionais ", disse Tadic, presidente da Sérvia.

Mas oficias ocidentais dizem ter detectado um padrão de longa duração: sempre que a pressão aumenta, os sérvios fazem concessões limitadas. Quando a pressão diminui, os esforços evaporam. "Esse jogo vem acontecendo há cinco ou seis anos", disse um diplomata ocidental, que não quis ser identificado por não estar autorizado a falar. "Eles estão esperando que ele morra ou esperam entrar na União Europeia sem fazer nada".

*Por Dan Bilefsky e Doreen Carvajal

    Leia tudo sobre: ratko mladicsérviabelgradomassacrebósnia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG