Acordo de paz estava próximo em 2008, afirma Ehud Olmert em livro

Ex-premiê de Israel diz que ele e Mahmoud Abbas chegaram a princípios para Estado palestino antes de ofensiva em Gaza

The New York Times |

Ehud Olmert, ex-premiê de Israel, diz em seu novo livro de memórias que ele e Mahmoud Abbas, o presidente palestino, estavam muito perto de um acordo de paz dois anos atrás, mas a hesitação de Abbas, problemas legais de Olmert e a guerra de Israel em Gaza encerraram as negociações. Pouco depois, um governo israelense de direita subiu ao poder.

Em trechos do livro de memórias publicados na quinta-feira pelo jornal israelense Yediot Aharonot, e em entrevista ao New York Times, Olmert fornece detalhes sobre as negociações que têm sido o foco de atenção e ira árabe nesta semana por causa de vazamentos na rede Al-Jazeera de documentos palestinos contendo atas dessas reuniões. Os vazamentos podem muito bem tornar mais difícil que concessões sejam oferecidas no futuro.

Getty Images
Foto de 16 de setembro de 2008 mostra Olmert (D) e Abbas juntos em Jerusalém, Israel
Olmert disse que os dois lados haviam concordado em princípios fundamentais: o Estado da Palestina não teria uma força militar; mas sim uma força de segurança internacional liderada pelos Estados Unidos, e não soldados israelenses; seria alocado em sua fronteira com a Jordânia; Jerusalém seria compartilhada, com os seus locais sagrados supervisionados por um comitê multinacional; e um número limitado de refugiados palestinos poderia voltar ao que hoje é Israel, enquanto o restante seria generosamente compensado.

Os dois concordaram que Israel poderia manter alguns terrenos na Cisjordânia nos quais assentamentos já foram construídos, mas discordaram sobre o quanto. Olmert queria 6,5% da área, mas chegaria a negociar até 5,9%, Abbas ofereceu 1,9%.

Em uma entrevista separada, Abbas confirmou a maioria dos relatos de Olmert. Ambos disseram esperar que, na época, propostas dos Estados Unidos iriam resolver as diferenças. "Nós precisamos que os americanos preencham as lacunas de forma justa", disse Abbas há uma semana, em Amã, na Jordânia.

As entrevistas com Olmert e Abbas foram conduzidas por Bernard Avishai, um escritor sob contrato com a revista do New York Times, dois dias antes de os documentos palestinos vazados serem divulgados pela Al-Jazeera e publicados no jornal britânico The Guardian. O artigo de Avishai será publicado no próximo mês na revista do New York Times.

Promessas

Abbas terminou sua entrevista dizendo que o presidente Barack Obama havia prometido a estrutura de um Estado palestino até setembro deste ano, mas as negociações pararam por causa de divergências sobre a construção dos assentamentos e ele não permaneceria no cargo sem progresso na questão.

"Estou comprometido com a paz, mas não para sempre", disse Abbas. "Eu não quero dizer eu vou apelar para a violência. Nunca na minha vida eu vou fazer isso. Mas eu não posso ficar para sempre no gabinete sem fazer nada". Para ele, Washington deveria desempenhar um papel ativo ou a esperança de paz ''irá ruir e a região será controlada pelos extremistas”.

*Por Ethan Bronner

    Leia tudo sobre: ehud olmertmahmoud abbasisraelpalestinoslivro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG