A pílula que deu início a mais que uma revolução

Cinquenta anos depois, pílula anticoncepcional ainda é um dos principais métodos de contracepção em todo o mundo

The New York Times |

Getty Images
Pílula anticoncepcional completa 50 anos
A pílula anticoncepcional já foi chamada de a maior invenção científica do século 20 e não à toa. Cinquenta anos depois de sua aprovação pela autoridade de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, ela ainda é um dos principais métodos de contracepção em todo o mundo.

Muito já foi escrito sobre como a pílula revolucionou os relacionamentos sexuais e sociais, permitindo que as mulheres adiem a gravidez, entrem no mercado de trabalho e tomem decisões para suas vidas que suas mães não puderam tomar - ou, se você preferir, como a pílula disseminou a promiscuidade e prejudicou o casamento.

Mas a pílula também levou a mudanças profundas na própria FDA - uma revolução no que a Dr. Margaret Hamburg, atual comissária da agência, chama de ciência regulatória.

Muitos dos passos que permeiam a aprovação de remédios modernos - testes clínicos extensivos, indicação rotineira a painéis de especialistas independentes, revisões constantes da segurança medicinal e comunicação direta entre FDA e pacientes - foram implementados para lidar com as preocupações a respeito da segurança da pílula.

Em termos regulatórios, a pílula trouxe uma espécie de reforma: assim como Martin Luther insistiu que os cristãos podiam se comunicar diretamente com Deus sem a mediação dos padres, a pílula eventualmente levou o FDA a se comunicar diretamente com pacientes sem a mediação dos médicos.

Essa mudança, ferozmente resistida por alguns grupos médicos agora já está firmemente estabelecida. Hoje a FDA exige que muitos medicamentos contenham informações e, às vezes, avisos complexos que os pacientes devem ler e entender.

A pílula e seu papel no amadurecimento da FDA têm sido frequentemente menosprezados porque pouco depois da aprovação da agência, notícias das terríveis consequências da talidomida correram o mundo. O remédio havia sido introduzido na Europa como sedativo mas foi removido do mercado em 1961 depois de ter causado graves defeitos em recém-nascidos.

Embora a talidomida nunca tenha sido aprovada nos Estados Unidos, o horror que cercou seus efeitos colaterais levou o Congresso a dificultar o processo de aprovação de medicamentos exigindo que os fabricantes provem que eles são seguros e eficazes.

Um último detalhe sobre a pílula: ninguém sabe ao certo quando comemorar seu aniversário. Dez anos atrás, a ocasião foi celebrada no dia 23 de Junho, data em que a FDA deu aprovação formal para a Searle comercializar o produto.

Este ano, a agência optou por comemorar no domingo, que coincide com os 50 anos de quando anunciou a intenção de aprovar a pílula assim que alguns detalhes técnicos fossem resolvidos.

Que a data seja também o Dia das Mães não foi mera coincidência.

    Leia tudo sobre: pílula anticoncepcionalsaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG