A força e a fraqueza da campanha republicana de Ron Paul

Pré-candidato arrecada mais do que outros republicanos, atrai milhares para comícios e é popular entre estudantes, que podem não querer se engajar nas prévias

The New York Times |

O que será que aconteceu a Ron Paul ? Ele ficou em segundo lugar na primária de Nova Hampshire. Ele arrecadou mais dinheiro do que qualquer candidato republicano , com exceção de Mitt Romney. Seus comícios de campanha ainda atraem milhares de adeptos, muito mais do que qualquer de seus rivais. Os estudantes universitários o tratam como uma estrela do rock, e ele está planejando realizar comícios em 30 campi nos próximos dois meses.

iG explica: Entenda como funcionam as eleições americanas

Mas transformar todas essas qualidades em uma candidatura que possa ser indicada pelo Partido Republicano? Isso nunca aconteceu.

Seus estrategistas estão em busca de respostas e pode ser que uma delas seja que muitas das pessoas que participaram de seus comícios não tinham a intenção de participar das primárias republicanas ou discutir o ponto de vista de Paul nas convenções republicanas.

NYT
Ron Paul fala a eleitores em comício em Minnesota
Mesmo Paul não consegue explicar por que a paixão que despertou não gerou mais votos, especialmente entre os jovens. "Eu não tenho uma resposta para isso", disse Paul, que acredita que irregularidades em algumas urnas podem ter influenciado seus números em alguns lugares. Ele acrescentou: "Eu acho que sempre existe o desafio de tentar transformar toda esta energia em votos."

Paul disse em uma entrevista recente que estava "realmente satisfeito" com a sua campanha. "Você sempre pensa que poderia ter feito melhor, mas poderíamos ter nos saído bem pior também." Ele já está muito à frente de seu desempenho de 2008, inclusive conquistou o segundo lugar nas votações em sete Estados neste ano. Mas na votação geral, ele permanece em quarto lugar, com 1/11 dos delegados em comparação, de acordo com uma estimativa levantada pela Associated Press.

O que Paul deve conseguir até o final da disputa para indicação é uma valiosa quantidade de delegados. Assim, ele poderia ainda desempenhar um papel importante na convenção de agosto que será realizada em Tampa, Flórida - especialmente se Romney não conseguir obter 1.144 delegados para garantir a sua nomeação.

Delegados

Paul, conquistou até agora 50 delegados, de acordo com a contagem feita pela AP, e sua campanha espera obter ainda mais delegados nas convenções Estaduais do partido o que significará que ele terá entre 150 a 350 delegados ligados a ele até a convenção. Seus assessores acreditam também que ele conquistará delegados suficientes para satisfazer o limiar de indicação de cinco Estados, à medida que seus apoiadores lotem os encontros Estaduais do partido nos próximos meses e lutem para selecionar delegados nacionais leais a Paul em proporções maiores do que a porcentagem de votos que ele recebeu.

"Há muitas coisas acontecendo", disse. "Isso é algo que as pessoas ainda não estão sabendo."

Republicanos: George Bush pai oficializa apoio a MItt Romney

Se ele vai usar esses delegados para ajudar Romney ainda não se sabe. Paul faz pouco caso quando pressionado sobre se ajudaria Romney, um ex-governador de Massachusetts, caso não consiga a indicação na primeira tentativa, dizendo: "Eu não tenho pensado muito a respeito disso."

Afinidade

Embora ele tenha uma certa afinidade pessoal por Romney (apesar que muitas vezes ser muito critico sobre a política de seu amigo), Paul não aprecia muito os outros candidatos, Santorum e Gingrich, mesmo sabendo que os dois poderiam entrar em um acordo para tentarem derrotar Romney.

"O ego deles é grande demais", disse Paul.

Ele aceitou bem, no entanto, o fato deles terem concordado com seus pontos de vista sobre a guerra no Afeganistão. Gingrich recentemente sugeriu a retirada dos soldados americanos do país e Santorum sugeriu uma retirada mais rápida do que aquela programada pelo governo Obama para 2014.

"Eles sabem como a política é feita nesses casos ", disse Paul. "Isso é o que me enoja. Por que então não adotam uma postura firme e salvam algumas vidas?"

A grande diferença entre a política não-intervencionista estrangeira de Paul e a radicalidade de outros republicanos é uma das razões, de acordo com Paul, pelas quais "provavelmente a metade" de seus apoiadores não se sentem confortável fazendo parte do Partido Republicano. Isso parece ser verdadeiro em relação a muitos estudantes universitários, a principal força por trás de seus maiores comícios.

Saiba mais: Veja o especial sobre eleições americanas

Este fenômeno não se limita a campi universitários, segundo assessores de Paul que realizaram um estudo de caso em Nevada, que usam para instruir os apoiadores que ainda não votaram. 

No dia 13 de março, antes de uma participação de Paul no programa de Jay Leno, ele fez um comício em um hotel Marriott para 160 apoiadores que pagaram US$ 350 cada. Ele passou uma hora conversando com eles e tirando fotos, e cada doador recebeu entre 15 a 20 segundos para conversar com ele. Haviam homens ricos usando ternos cuidadosamente cortados e jovens universitários vestindo moletons e jeans. Alguns trouxeram cópias da Constituição para ele autografar.

Uma mulher que estava grávida disse a Paul, que trabalhou décadas como obstetra: "Eu gostaria que você pudesse fazer meu parto.”

*Por Richard A. Oppel Jr.

    Leia tudo sobre: eleição nos euaeuaobamaromneysantorumpaulgingrichrepublicanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG