A crise financeira na visão dos desafortunados

NOVA YORK ¿ Em uma cadeira em frente ao restaurante Johnson´s Barbecue, na Avenida Tinton no Bronx, Keith McLean pensa profundamente sobre o pacote de resgate de Wall Street de $700 bilhões de dólares.

The New York Times |

Acordo Ortográfico

Isso é para os diretores-executivos, disse McLean. E eu sou P-O-B-R-E.

McLean, funcionário do restaurante, mora em um dos distritos eleitorais mais pobres do país, que fica a meia hora de metrô de Wall Street. Na segunda, Jose E. Serrano, democrata que representa o distrito, votou contra o pacote de resgate. Entre os membros do congresso que são de Nova York, ele foi o único que tomou essa posição.

Ao passear por alguns lugares da região, foi fácil encontrar pessoas que, mesmo indiferentes às consequências dessa votação, estavam muito interessadas em saber as maquinações que levaram ao fechamento dos bancos e pacotes de resgate astronômicos. Para muitos, o plano financeiro foi mais um episódio de uma série de crises inventadas.

James Jacobs, cabeleireiro do Six Corners Barbershop, disse sentir que a atmosfera de paranóia foi deliberadamente cultivada, levando à Guerra do Iraque e, agora, à preocupação financeira.

Eles assustam as pessoas com ameaças de bombas, disse Jacobs.

Edwin Mtchell, que trabalha em uma concessionária de carros, estava sentado ao lado dele. Estamos de saco cheio, ele disse.

É a América corporativa fazendo o que a América corporativa faz, Jacobs disse.

Crime organizado, disse McLean.

É o novo crime organizado, acrescentou Jacobs.

E não há nada de novo nisso, falou McLean.

Não iremos ver nada disso, disse Jacobs. Nem um centavo, não importa o que aconteça. Não iremos ver esse dinheiro, não iremos nem notar. E se notarmos, será de forma negativa e alguns de nós poderemos perder o emprego.

McLean acompanhou as notícias cuidadosamente. O diretor do Washington Mutual trabalhou por apenas três semanas e conseguiu $11 milhões, ele disse.

Na verdade, foi mais. Três semanas antes de falir, o banco contratou Alan H. Fishman para o cargo de chefe-executivo e deu-lhe um bônus de $7,5 milhões. Ele também recebeu $11,6 milhões de indenização por demissão.

Para o homem em frente ao Johnson´s Barbecue, claramente houve uma combinação entre a Guerra do Iraque e a crise financeira: Pessoas Jovens enviadas para um banho de sangue de trilhões de dólares no Oriente Médio, em busca de armas de destruição em massa inexistentes; e bancos sofrendo colapsos por causa de hipotecas entregues a pessoas que não têm dinheiro nem para um prato de comida. E como, Mitchell se perguntou, Osama Bin Laden ainda não foi capturado? Você pode viajar até o espaço e ver de lá uma moeda de dez centavos na rua e não pode encontrá-lo?, ele disse.

Ele que, por experiência pessoal, sabia que os cartões de crédito eram outro tipo de miragem.

Como uma pessoa que nunca teve um emprego regular, conta bancária, nenhum sinal de que seja uma pessoa respeitável, consegue crédito e aparece com três ou quatro cartões de crédito? perguntou Mitchell. Eu estive desempregado por dois anos e consegui três cartões de crédito, American Express, Visa... Esqueci o outro. E os bancos dão todos esses empréstimos às pessoas sabendo que elas não podem pagar, mas eles ganham comissão. Então deixe-os pagar pelas comissões.

Se a aversão ou horror ao pacote de resgate fosse universal, não haveria unanimidade sobre o que deveria ser feito. O dono do restaurante Johnson´s Barbecue, Dwayne Johnson, 50, disse que ficou horrorizado com a quantidade de membros do Congressional Black Caucus (organização que representa os afro-americanos no Congresso dos EUA) que votou contra o pacote.

Eles votaram contra, eles não têm esse direito, disse Johnson. A única forma de ajudar a comunidade é aprová-lo. Se você é o presidente e não consegue dez votos para a aprovação, então isso é péssimo. Se você é o Obama e não consegue dez votos, então isso é péssimo.

Midaglia Rodriguez, 60, disse estar preocupada com a possibilidade de uma nova depressão estar se aproximando, ela acredita que o pacote é necessário. Ele deveria ser usado para dar um jeito nessa situação, ela disse.

Com ou sem o resultado dos votos no Congresso, disse Mitchell, ele ainda enfrentaria o esforço diário de sobreviver e manter um teto para morar.

Eu amo esse país, é o melhor país do planeta. Eu amo essa cidade, é a melhor cidade do mundo, ele disse. Eu não vejo como uma mudança irá me afetar. Eu vou continuar fazendo o que sempre fiz: sobreviver. Da melhor forma possível.

- Jim Dwyer

Leia mais sobre o pacote dos EUA

    Leia tudo sobre: pacote dos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG