Catar concede liberdade temporária a americanos acusados de matar filha de fome

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Matthew e Grace Huang, entretanto, estão proibidos de sair do país até próxima audiência, em 3 de dezembro

NYT

Um tribunal do reino do Catar ordenou na quarta-feira (6) a libertação temporária de Matthew e Grace Huang, casal americano acusado de matar a filha adotiva de 8 anos de fome, informou um parente após a audiência.

Conheça a nova home do Último Segundo

California Innocence Project
Grace e Matthew Huang com sua filha, Glória, que morreu em janeiro aos 8 anos de idade, e um de seus filhos, Emmanuel (foto de arquivo)

O caso: Casal dos EUA é acusado de matar filha adotiva de fome no Catar

O juiz que preside o julgamento, Abdullah al-Emady, ordenou que o casal Huang não deixasse o Catar antes de uma audiência a ser realizada em 3 de dezembro. Ao libertá-los da prisão, o juiz reverteu suas decisões anteriores que mantinham o casal sob custódia durante o julgamento, disse Daniel Chin, irmão de Grace.

"Hoje, depois que o tribunal do Catar ouviu a versão de Matt e Grace da história pela primeira vez, o juiz ordenou que Matt e Grace fossem libertados, com uma restrição de viagens que os proíbe de voltar para casa nos EUA", disse Chin em um comunicado publicado pela David House Agency, um grupo com base em Los Angeles especializado em ajudar pessoas em situação legal complicada no exterior.

"Embora enxerguemos isso como um passo positivo, o julgamento deles ainda não acabou e contiuaremos a trabalhar dentro do sistema legal do Catar para provar sua inocência", disse o comunicado. "Até lá, nossa família reza para que os corações e mentes dos líderes judiciários sejam levadas para a verdade."

O casal Huang chegou ao Catar em julho de 2012 acompanhados de seus três filhos adotivos da África, dois meninos e uma menina. A filha deles, Glória, morreu em janeiro, depois de parar de comer por dias. Matthew e Grace Huang foram, então, indiciados por tráfico de crianças e acusados pelos investigadores da polícia do Catar de fazer a menina passar fome para poder vender seus órgãos posteriormente ou "conduzir experimentos médicos neles".

O casal Huang e seus defensores atribuem à morte de Glória um transtorno alimentar e afirmam que o processo contra eles é uma combinação escandalosa de evidências falhas ou inexistentes, preconceito étnico e desencontros culturais extremos em um país onde famílias multirraciais são uma anomalia e a adoção uma prática estranha.

Os pais estão presos desde pouco depois da morte de Glória. Apenas recentemente, a mãe de Grace obteve permissão para levar os dois filhos sobreviventes aos EUA.

A decisão da quarta-feira ocorreu depois que várias testemunhas prestaram depoimento sobre o caráter do casal e sobre a educação dada às crianças em um tribunal em Doha, capital do Catar. As testemunhas foram questionadas sobre a preferência entre os americanos de educar os filhos em casa, prática adotada pelo casal Huang, bem como a adoção de crianças africanas.

David House Agency
Agentes da David House chegam ao aeroporto internacional de Los Angeles com os filhos do casal Huang e sua avó adotiva

Uma testemunha disse que poucos dias antes da morte de Glória, em 15 de janeiro, ela parecia saudável, brincava com outras crianças.

A família chegou a Doha depois que Matthew Huang, um engenheiro, foi convidado a participar de um grande projeto de infraestrutura em preparação para a Copa do Mundo de 2022. A defesa disse que Matthew, 37 anos, e Grace, 36, tentaram de todas as formas tratar o transtorno alimentar de Gloria, que passou fome durante sua infância em Gana.

Por Shabina S. Khatri e Alan Cowell

Leia tudo sobre: huangcataradoçãoáfricaeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas