Michelle Obama repreende manifestante durante evento de arrecadação de fundos

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Após ser interrompida por ativista, primeira-dama dos EUA disse: 'Você pode me ouvir ou pode pegar o microfone, mas eu estou saindo. A decisão é toda sua. Você tem uma escolha'

NYT

A primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, teve um raro embate com uma participante de um evento de arrecadação de fundos democrata na noite de terça-feira antes de que a mulher, que pedia aos gritos pelos direitos gays, fosse escoltada para fora por membros do partido.

Perfil: Michelle é a primeira-dama mais popular desde Jackie Kennedy

AP
Primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, gesticula durante posse de seu marido, Barack Obama, como presidente dos EUA (21/01)

Estilo: Michelle Obama mantém interesse de fashionistas em segundo mandato

Quando Michelle estava na metade de suas declarações de quase 20 minutos em uma casa no noroeste de Washington, uma mulher na frente da multidão de 200 pessoas começou a gritar pedindo que o presidente Barack Obama decretasse uma ordem executiva para impedir que empreiteiros federais discriminassem empregados com base na orientação sexual ou na identidade de gênero. Mas, diferentemente do presidente, que está mais acostumado com esse tipo de interrupção e que normalmente espera que o manifestante pare, talvez até simpatizando com sua reclamação, Michelle escolheu o confronto direto.

Ele deixou o lugar em que discursava e se moveu em direção à mulher. "Uma das coisas que não faço bem é isso", disse, atraindo fortes aplausos. Ela afirmou à manifestante: "Você pode me ouvir, ou pode pegar o microfone, mas eu estou saindo. A decisão é toda sua. Você tem uma escolha."

NYT: Michelle Obama e a evolução de uma primeira-dama

A multidão gritou para que Michelle ficasse, com uma mulher perto da manifestante lhe dizendo: "Você tem de ir!” Membros do partido então a escoltaram para fora enquanto gritava ainda mais, identificando-se como "uma lésbica que procura por igualdade federal antes de morrer".

Heather Cronk, uma codiretora do GetEqual, um grupo de defesa de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, mais tarde identificou a manifestante como Ellen Sturtz, uma ativista do grupo. 

Os preços do evento iam de US$ 500 a US$10 mil, disseram funcionários do Partido Democrata.

“Então me deixe voltar à questão que discutia anteriormente", disse Michelle depois que Sturtz foi retirada do local. A primeira-dama retomou suas declarações em apoio às políticas do governo benéficas às crianças, conclamando os doadores a permanecer politicamente engajados mesmo nos anos sem uma eleição presidencial.

“Não podemos esperar a próxima eleição para ficarmos prontos para agir", disse. "Não podemos esperar. Exatamente agora, hoje, temos uma obrigação de nos posicionar por aquelas crianças."

Michelle, assim como normalmente seu marido faz, citou as iniciativas do governo relativas à mudança climática, à violência armada, à imigração, aos empréstimos estudantes e aos direitos dos gays.

Leia tudo sobre: michelle obamaeuapartido democratademocratas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas