Katherine Russell: de aluna sociável à viúva de suspeito de ataque em Boston

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Após conhecer Tamerlan Tsarnaev, a estudante de Comunicação se converteu ao Islã, se casou, teve uma filha e abandonou a faculdade. 'Ela estava apaixonada', diz familiar

NYT

Quando Katherine Russell começou seus estudos como caloura na Universidade de Suffolk, pouco mais de cinco anos atrás, ela parecia se relacionar tão bem com suas colegas de quarto em seu animado dormitório do lado oposto do Boston Common que uma garota comparou o grupo com personagens de um seriado americano.

"Elas me lembravam 'Sex and the City'", disse. "Duas delas eram espíritos livres, uma era materialista e Katherine era a mais sociável."

Dzhokhar: Mensagem deixada por suspeito indica motivação para ataque em Boston

Tamerlan Tsarnaev: Corpo de suspeito de ataque em Boston foi enterrado, diz polícia

NYT
Katherine Russel, viúva do suspeito do ataque em Boston, sai da casa em que vivia com Tamerlan Tsarnaev

Ataque em Boston: Veja cronologia dos principais acontecimentos

Logo depois, Katherine começou a namorar Tamerlan Tsarnaev, um boxeador de Cambridge, e sua vida começou a mudar.

À medida que seu namorado se tornava um muçulmano mais convicto, Katherine optou por se converter ao Islã. Ela começou a cobrir a cabeça com um hijab em público, assustando alguns colegas. Então, abandonou a faculdade em 2010, ano em que se casou e teve uma filha.

Mutilados: Vítimas do ataque em Boston enfrentam longo caminho até recuperação

Katherine se mudou para o velho apartamento de sua família em Cambridge, trocando sua antiga vida de conforto e privilégio em New England - seu pai e avô frequentaram a Phillips Exeter Academy e Yale - por uma vida de dificuldades financeiras, com a situação tão apertada que chegava a ser necessário recorrer à assistência pública. 

Agora Katherine, 24 anos, é conhecida em todo o mundo como a viúva do homem suspeito de atacar a Maratona de Boston junto ao seu irmão antes de ser morto no dia 19 de abril depois de uma troca de tiros com a polícia.

Ideia: Suspeitos de ataque em Boston planejavam atentado para 4 de julho

Decisão: Obama anuncia revisão de inteligência sobre ataque em Boston

Além disso, ela tem atraído o interesse do FBI, que está tentando determinar se ela sabia sobre os atentados ou ajudou os dois irmãos de alguma forma, consciente ou inconscientemente, antes ou depois dos ataques.

O suspeito sobrevivente, Dzhokhar Tsarnaev, 19 anos, disse aos investigadores que ele e seu irmão projetaram as bombas no apartamento em Cambridge, onde Russell vivia com Tamerlan, 26 anos, e sua bebê, Zahira, de acordo com dois policiais. Outros agentes levantaram a possibilidade de que as bombas possam ter sido montadas em outro local.

Os investigadores também estão interessados em uma mensagem de texto que Katherine enviou para seu marido depois de o FBI ter divulgado fotografias dele e de seu irmão poucos dias após o ataque, disseram outros dois policiais.

Penitenciária clínica: Suspeito de ataque em Boston é transferido para prisão

Vídeo: Bailarina que perdeu o pé em ataque de Boston quer voltar a dançar

NYT
Fotografia da polícia de Katherine Russell quando ela foi detida em 2007

Esta semana, o FBI tirou amostras de DNA de Katherine, e determinou que suas impressões digitais e seu DNA não correspondem com as amostras encontradas em alguns fragmentos de bombas.

Os advogados de Katherine divulgaram um comunicado dizendo que o ataque à maratona "causou profunda angústia e tristeza em Katie e sua família", e acrescentando que "os relatos de envolvimento de seu marido e cunhado foram um choque absoluto para todos eles."

O recente rumo dos acontecimentos deixou os amigos, parentes, antigos vizinhos e colegas de classe chocados. Em North Kingstown, onde ela cresceu, um jornal, The Standard-Times, resumiu o sentimento local em uma manchete na primeira página. "Nascida em NK é viúva do suspeito de ataque em Boston", lia-se. "Ex-colega de classe caracterizou situação como 'esquisita'."

Katherine cresceu em uma confortável casa em uma arborizada rua e é filha de um médico. Stephen Constantine, 23 anos, que, como Katherine, tocava saxofone na banda da escola, lembrou da colega como popular e boa musicista. "Ela conseguia tocar músicas mais complexas que eu e aprendia mais rápido. Seu tom era mais suave e encorpado", disse.

Internet: Universo virtual de suspeitos de ataque em Boston é esmiuçado link a link

No ensino médio, ela ganhou um prêmio por um desenho de um gato ameaçando um rato. "Era um desenho grande e colorido de um gato preto com sua pata levantada e um rato cinza saindo de seu caminho", disse seu professor de arte, Amos Trout Paine. Ela citou um trecho da música Quicksand, de David Bowie, em seu yearbook.

Pouco depois de se formar, ela teve problemas com a Justiça. Katherine foi presa e indiciada por roubar cinco itens no valor de US$ 67 de uma loja no shopping, segundo um relatório da polícia. Ela prestou serviços comunitários e deu dinheiro a um fundo para beneficiar vítimas de crimes. O caso foi encerrado. O advogado que a representou na ocasião, J. Patrick O'Neill, disse que não lembrava de detalhes do caso ou muito sobre Katherine.

Inteligência: Tamerlan estava em banco de dados da CIA há 18 meses

Daguestão: Suspeito de ataque em Boston buscou lar em território marcado por violência

Em 2007, ela se mudou para Boston para estudar Comunicação em Suffolk. Foi lá que amigos a apresentaram a Tsarnaev, que fazia faculdade perto. Eles saíam de vez em quando, segundo o relato de conhecidos, até que Katherine se converteu ao Islão.

Ela parecia abraçar sua nova religião com vontade e entusiasmo, disse um amigo que ocasionalmente participava das reuniões familiares de Katherine, que preferiu não revelar sua identidade. "Ela estava apaixonada por esse cara, e ela adotou aquela religião", disse, relembrando de um jantar em Boston, quando ela anunciou que havia decidido passar a usar um hajib como parte de sua fé. "Foi uma grande surpresa."

Tsarnaev tinha um lado duro: uma queixa de violência doméstica foi prestada contra ele em 2009 por outra namorada, segundo autoridades. Seu pai, Anzor Tsarnaev, disse no mês passado, que ele havia "batido levemente" nela.

Médicos: Ataque em Boston impôs decisão difícil a médicos: amputar ou não uma perna?

Dzhokhar na Justiça: Suspeito por ataque em Boston é indiciado em corte civil

NYT
Foto mostra Katherine Russell em seu yearbook de 2007

As coisas pareciam promissoras para o jovem casal em 2010, segundo Julian Pollar, 31 anos, boxeador que relatou uma conversa que teve com Tamerlan naquele ano durante o Torneio Luvas de Ouro, em Lowell, Massachusetts. "Ele disse que o treino estava indo bem, que estava feliz com sua fé e que havia acabado de conhecer uma garota e estava feliz com isso", disse. "Ele me disse que estava noivo dela, ou estava prestes a pedir sua mão."

Eles se casaram em 21 de junho de 2010, em uma cerimônia de 15 minutos em um escritório no terceiro andar da Masjid Al Quran, em uma rua residencial em Dorchester. Imam Taalib Mahdee disse que não conheceu o casal antes da cerimônia, mas lembrava que foi ela quem ligou e pediu para se casar no local. "Eles formavam um casal feliz", disse. No certificado de casamento, a profissão de Tamerlan estava descrita como "motorista" e a de Katherine como "estudante".

Terra natal de suspeitos: Cáucaso russo é terreno fértil para o terrorismo

Katherine não voltou para a faculdade naquele semestre. Tamerlan, que havia desistido da carreira de boxe depois de ter sido barrado de um torneio nacional por não ser cidadão americano, se tornava cada vez mais religioso, segundo vizinhos. O dinheiro estava escasso; a renda da família era incrementada por assistência pública de setembro de 2011 a novembro de 2012, segundo autoridades do Estado. No ano passado, Tamerlan deixou sua mulher e sua filha em Cambridge por seis meses e viajou ao Daguestão para ver seu pai e para visitar a Chechênia.

A sogra de Katherine, Zubeidat Tsarnaeva, disse em entrevista queria que Katherine e a filha se mudassem para o Daguestão com ele, e que ela estava pensando sobre isso. "Ela mesmo concordou, ela disse que queria estudar uma cultura e língua diferentes."

Após ataque: 'Vocês correrão de novo', diz Obama em missa por vítimas

Por muitas vezes, Katherine ajudou a família trabalhando como cuidadora de idosos "por longas horas, cuidando de pessoas em suas casas que eram incapazes de cuidar de si próprios", disseram seus advogados em comunicado.

Um vizinho disse que Katherine geralmente aparentava ser envergonhada e quieta na presença de seu marido, mas calorosa e amigável quando ele não estava por perto. Outro vizinho afirmou que chegou a ouvir gritos vindos do apartamento onde moravam.

Vítimas do ataque em Boston:
Menino de 8 anos morto em ataque em Boston 'era cheio de vida e amava correr'
Polícia identifica mulher de 29 anos como segunda vítima de ataque em Boston
Estudante chinesa é identificada como terceira vítima de ataque em Boston

Um parente disse que Katherine passou a frequentar as reuniões familiares com menos frequência, e se retirou da sua antiga vida social. "Eu acho que ela acreditava no Islão", disse, em condição de anonimato. Para ele, ela parecia feliz com o marido. "Não acho que ela foi coagida. Acho que ela é muito fiel à religião."

NYT
A Masjid Of The Quran, local onde Tamerlan Tsarnaev e Katherine Russell se casaram

Em 19 de abril, quando correu a notícia de que os irmãos Tsarnaev eram suspeitos de atacar a maratona, trocar tiros com a polícia, matar um oficial do campus do MIT, sequestrar o proprietário de um carro, um vizinho bateu à porta do apartamento em Cambridge, onde Katherine supostamente ficou sabendo do caso através de um familiar. "Ela estava totalmente chocada", disse o vizinho. "Totalmente."

Policiais chegaram e ordenaram que todos saíssem. O vizinho do apartamento abaixo ao de Katherine, Abrect Ammon, 18 anos, disse que Katherine, que estava vestida toda de preto, tentou pegar emprestado um celular de outra mulher, mas um policial a impediu, dizendo que ela era esposa de um suspeito.

Por Michael Cooper, Serge F. Kovaleski, Richard A. Oppel Jr. e John Eligon

Leia tudo sobre: ataque em bostonbostoneuatsarnaevkatherine russell

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas