Contratempos evidenciam fragilidade de usina nuclear Fukushima

Por NYT * |

compartilhe

Tamanho do texto

Apagões provocados por ratos e vazamento de milhares de litros de água radioativa expõem vulnerabilidade de usina e incapacidade da operadora Tepco

NYT

Mais de dois anos após o colapso na usina nuclear de Fukushima Daiichi, uma série de contratempos recentes - incluindo apagões provocados por ratos mortos e a descoberta do vazamento de milhares de litros de água radioativa - ressaltou quão vulnerável a usina permanece.

Shinzo Abe: Dois anos após terremoto e tsunami, premiê do Japão promete país mais forte

NYT
Trabalhadores em um ponto de coleta durante um esforço experimental de decontaminação em Iitate, Japão

Vídeo: Robôs vão ajudar em limpeza de usina nuclear de Fukushima; assista

Radiação: Acidente de Fukushima causa mutação em borboletas

Cada vez mais, especialistas argumentam que não se pode confiar na operadora da usina, a Tokyo Electric Power Co., ou Tepco, para administrar possíveis décadas de limpeza e o desmantelamento dos reatores da usina sem colocar a população e o meio ambiente em risco.

Ao mesmo tempo, o novo regulador nuclear do país continua com escassez de equipes. A Autoridade de Regulação Nuclear anunciou em abril que enviará um nono oficial para o local - para acompanhar o trabalho de cerca de 3 mil trabalhadores.

"A usina de Fukushima Daiichi permanece em uma condição instável e há preocupação de que não conseguiremos evitar outro acidente", disse Shunichi Tanaka, presidente da Autoridade de Regulação Nuclear. "Instruimos a Tepco a reduzir alguns dos maiores riscos e, como reguladores, iremos reforçar a vigilância."

Em 2012: Erros humanos causaram crise nuclear de Fukushima, diz comissão do Japão

O maior susto na usina nos últimos dias foi a descoberta de que pelo menos três das sete piscinas de armazenamento subterrâneo estão escoando milhares de litros de água radioativa no solo.

Posteriormente, a Tepco reconheceu que a falta de espaço de armazenamento adequado para a água contaminada havia gerado uma "crise" e disse que começaria a esvaziar as piscinas. Mas a empresa disse que os vazamentos continuarão ao longo das várias semanas e que provavelmente demorará para transferir a água para outros recipientes.

Em 10 anos: 18% dos retirados da área de Fukushima não poderão voltar para casa

Leia mais: Japão cancela contratação de brasileiros para limpar lixo tóxico de Fukushima

Trabalhadores da fábrica cavaram essas piscinas subaquáticas há cerca de seis meses, para armazenar a quantidade cada vez maior de água contaminada na usina. Há cerca de 400 toneladas diárias de duas fontes: o escoamento de um sistema de resfriamento improvisado equipado junto a um equipamento de resfriamento regular do local foi destruído pelo terremoto e tsunami em março de 2011, e um fluxo constante de infiltração de água subterrânea danificou os reatores da usina.

A Tepco armazena mais de 250 mil toneladas de água radioativa no local, em centenas de tanques ou nas piscinas subterrâneas, e disse que o valor pode dobrar em três anos.

Relembre: Veja antes e depois da reconstrução do Japão

A empresa alinhou as escavações para as piscinas subterrâneas com apenas duas camadas de plástico de 1,5 milímetros de espessura cada, e uma terceira, com uma camada de argila de apenas 6,5 milímetros de espessura.

Hideo Komine, professor de engenharia ambiental radioativa na Universidade de Ibaraki, disse que o revestimento exterior de proteção deveria ter sido centenas de vezes mais espesso.

Também em 22 de abril, a usina nuclear paralisou o resfriamento de uma piscina de combustível gasto para remover dois ratos mortos pela terceira vez. A Tepco afirmou que paralisou por algumas horas o resfriamento da piscina da unidade 2, que armazena barras de combustível de urânio, para remover os ratos e instalar uma rede para impedir novas invasões.

*Por Hiroko Tabuchi, com Reuters

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas